Práticas interpretativas, performance musical, processos criativos: mais uma reflexão sobre o intérprete na academia

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/2525530407022022e0101

Palavras-chave:

Práticas Interpretativas, Performance Musical, Metodologia Científica, Pesquisa Artística, Investigação Artística

Resumo

Debate sobre a situação dos intérpretes da área de Música – cantores, instrumentistas e regentes – e sua respectiva subárea no meio acadêmico brasileiro da atualidade. O método consiste em revisão bibliográfica ligada a pesquisadores que se debruçaram sobre a questão, em nível nacional e internacional, juntamente com cruzamentos interdisciplinares. Conclusões apontam para a possível implementação da pesquisa artística, mais especificamente a pesquisa através das Artes juntamente com a infraestrutura necessária, como forma de contribuir para a legitimidade de sua posição na academia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Daniel Lemos Cerqueira, Universidade Federal do Maranhão

Professor Adjunto do Departamento de Artes da Universidade Federal do Maranhão (UFMA)

Referências

ÁVILA, G. A. O elo perdido do ‘tesouro’ de João Mohana: proveniência documental na música. Tese (Doutorado em Artes) – PPGARTES, UFPA, Belém , 2021.

BARROS, N.; ROMÁN, J. C.; MAIA, M. H. (org.). Artes Performativas: novos discursos. Porto: Escola Artística Superior do Porto, 2012.

BORÉM, F. O ensino da performance musical na universidade brasileira. Pesquisa e Música, Rio de Janeiro, v. 3, n. 1, p. 53-72, 1997.

BORÉM, F. Um sistema sensório-motor de controle na afinação do contrabaixo: contribuições interdisciplinares do tato e da visão na performance musical. Tese (Concurso para Professor Titular) – EMUFMG, UFMG, Belo Horizonte, 2011.

BORÉM, F.; RAY, S. Pesquisa em performance musical no Brasil no século XXI: problemas, tendências, alternativas. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE PÓS-GRADUANDOS EM MÚSICA (SIMPOM), 2, 2012, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: UNIRIO, 2012. p. 121-168.

BORGDORFF, H. The Conflict of the Faculties: Perspectives on Artistic Research and Academia. Leiden: Leiden University Press, 2012.

BORGES, R. P. T. Repertório Musicológico: conceituação e aplicações contemporâneas na pesquisa em música no Brasil. Tese (Doutorado em Música) – PPGM, UNIRIO, Rio de Janeiro, 2019.

CABRAL, T. Musicologia sistemática, humanismo e contemporaneidade. Opus, Porto Alegre, v. 20, n. 2, p. 125-150, 2014.

CAPES. Documento de Área: 11. Artes. Brasília: MEC/CAPES/DAV, 2019.

CASARI, I. S. Metáforas e recursos imaginativos em estratégias pedagógicomusicais. In: SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE COGNIÇÃO E ARTES MUSICAIS (SIMCAM), 14, 2019, Campo Grande. Anais... Campo Grande: UFMS, 2019. p. 63-70.

CASTAGNA, P. A Musicologia Enquanto Método Científico. Revista do Conservatório, Pelotas, n. 1, p. 7-31, 2008.

CERQUEIRA, D. L. Considerações sobre a elaboração de um método de Piano para Ensino Individual e Coletivo. Revista do Conservatório de Música da UFPel, Pelotas, n. 5, p. 98-125, 2012.

CERQUEIRA, D. L. Métodos e Técnicas de Pesquisa em Música. São Luís: UAB/UEMAnet, 2017.

CERQUEIRA, D. L. Notas sobre a Etnomusicologia no Maranhão: revisão comentada da literatura. In: JORNADA DE ETNOMUSICOLOGIA, 8, 2021, Belém. Anais... Belém: UFPA, 2021. p. 1-15.

CORREIA, J. M. S. Investigação em Performance e a fractura epistemológica. El Oído Pensante, Buenos Aires, v. 1, n. 2, p. 1-22, 2013.

COUTO, A. C. N. A relação dos músicos da subárea Práticas Interpretativas com a escrita acadêmica: uma análise sociológica. Debates, Rio de Janeiro, n. 20, p. 1-26, 2018.

CRUZ, C. B. Sobre a formação de performers, investigadores e docentes de música: A Escola Superior de Música de Lisboa e outras instituições públicas de ensino superior. Revista de Educação Musical, Lisboa, n. 140-141, p. 75-79, 2014-2015.

GERLING, C. M. P. C.; SOUZA, J. V. A Performance como objeto de investigação. In: SEMINÁRIO NACIONAL DE PESQUISA EM PERFORMANCE MUSICAL (SNPPM), 1, 2000, Belo Horizonte. Anais... Belo Horizonte: UFMG, 2000. p. 114-125.

HATTEN, R. S. Interpreting Musical Gestures, Topics and Tropes: Mozart, Beethoven, Schubert. Bloomington: Indiana University Press, 2004.

JAKUBOWSKI, K.; EEROLA, T.; ALBORNO, P.; VOLPE, G.; CAMURRI, A.; CLAYTON, M. Extracting Coarse Body Movements from Video in Music Performance: A Comparison of Automated Computer Vision Techniques with Motion Capture Data. Frontiers in Digital Humanities, Lausanne, v. 4, n. 9, p. 1, 2017. Disponível em https://www.frontiersin.org/articles/10.3389/fdigh.2017.00009/full. Acesso em 19 mar. 2022.

JENSENIUS, A. R.; SKOGSTAD, S. A.; NYMOEN, K.; TORRESEN, J. Reduced displays of multidimensional motion capture data sets of musical performance. In: CONGRESSO DA SOCIEDADE EUROPEIA PARA AS CIÊNCIAS COGNITIVAS DA MÚSICA (ESCOM), 7, 2009, Jyväskylä. Anais... Jyväskylä: Universidade de Jyväskylä, 2009.

KAPLAN, J. A. Teoria da Aprendizagem Pianística. 2ed. Porto Alegre: Movimento, 1987.

LILJA, E. Art, Research, Empowerment: On the Artist as Researcher. Estocolmo: Regeringskansliet, 2015.

LÓPEZ-CANO, R. La investigación artística en música en Latinoamérica. Quodlibet, Madrid, v. 74, n. 2, p. 139-167, 2020.

LÓPEZ-CANO, R.; SAN CRISTÓBAL OPAZO, U. Investigación artistica en música: Problemas, métodos, experiencias y modelos. Barcelona: Edição dos autores, 2014.

MADEIRA, B.; SCARDUELLI, F. O gesto corporal na performance musical. Opus, Porto Alegre, v. 20, n. 2, p. 11-38, 2014.

MUGGLESTONE, E. Guido Adler’s ‘The Scope, Method and Aim of Musicology’ (1885): An English Translation with an Historico-Analytical Commentary. Yearbook for Traditional Music, Cambridge, v. 13, p. 1-21, 981.

PEDERIVA, P. A aprendizagem da performance musical e o corpo. Música Hodie, Goiânia, v. 4, n. 1, p. 45-61, 2004.

PIMENTEL, L. Tecnologias Motion Tracking e Motion Capture: poéticas e cibernéticas. In: ENCONTRO INTERNACIONAL DE ARTES E TECNOLOGIA, 12, 2013, Brasília. Anais... Brasília: UnB, 2013. p. 1-13.

PÓVOAS, M. B. C.; PONTES, V. E. Técnica pianística e coordenação motora: relações interdisciplinares com vistas à aprendizagem motora. DAPesquisa, Florianópolis, v. 2, n. 4, p. 472-479, 2007.

RINK, J. Sobre a Performance: O ponto de vista da musicologia. Revista Música, São Paulo, v. 13, n. 1, p. 32-60, 2012.

VIEIRA, M. S.; SOUSA, M. A. C.; JESUS, T. S. A. (org.). Quais danças estão por-vir? Trânsitos, poéticas e políticas do corpo. Salvador: ANDA, 2020.

VIEIRA, R. Autoetnografia da Prática Interpretativa: um levantamento de teses e dissertações brasileiras. In: SIMPOM, 6, 2020, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: UNIRIO, 2020. p. 1066-1077.

ZAMBONI, S. A Pesquisa em Arte: um paralelo entre arte e ciência. 2ed. Campinas: Autores Associados, 2001.

ZORZAL, R. C. Metáforas no ensino de música: um estudo de caso sobre o emprego de linguagem figurada em master-class de violão. In: SIMCAM, 3, 2007, Salvador. Anais... Salvador: UFBA, 2007. p. 384-389.

Downloads

Publicado

2022-08-11

Como Citar

CERQUEIRA, D. L. Práticas interpretativas, performance musical, processos criativos: mais uma reflexão sobre o intérprete na academia. Orfeu, Florianópolis, v. 7, n. 2, p. e0101, 2022. DOI: 10.5965/2525530407022022e0101. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/orfeu/article/view/21858. Acesso em: 6 out. 2022.