Entre cantoras, matronas e poetas:

significando o blues

Autores

  • Alexandre Eleutério Rocha Universidade de Brasília
  • Flávio Santos Pereira Universidade de Brasília, UnB
  • Luis Abraham Cayón Durán Universidade de Brasília, UnB

DOI:

https://doi.org/10.5965/2525530407022022e0201

Palavras-chave:

Blues, Emoção, Semântica musical, Significação, signifying

Resumo

Este artigo aborda o blues. Tem por objetivo a análise de aspectos marcantes da estética e linguagem desse secular gênero musical afro-americano: a agridoce ambiguidade discursiva, emotiva e comportamental, linguagem culturalmente codificada cujo fio condutor é o recorte no(s) conceito(s) de significação. Foram escolhidos eixos analíticos centrados na tétrade reflexiva estrutura, processo, função e significado. O caminho que possibilita a análise dessa manifestação artística é uma revisão bibliográfica que se vale de arcabouço teórico-metodológico da Musicologia Cultural, Etnomusicologia e Semiologia Musical. Recorre-se também a outros suportes teóricos de áreas como Antropologia, História e Estudos Literários. É abordada igualmente a estreita relação da estética, linguagem e discurso do blues - semântica e sintaxe - com a construção sócio-histórica e cultural da identidade étnica do afro-americano.  

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alexandre Eleutério Rocha, Universidade de Brasília

Possui graduação em Comunicação Social pela Universidade Federal do Ceará (1997) e Ciências
Sociais (Antropologia) pela Universidade de Brasília (2019), cuja monografia Shake That Thing: história,
significação e erotismo no blues orientada pelo Prof. Dr. Luis Cayón recebeu menção honrosa no VIII
Prêmio Martín Novión para as Melhores Dissertações de Graduação em Antropologia Defendidas em
2019. É mestrando em Música também pela UnB (2020), além de possuir formação para Registro de
Radialista pela Televisão Educativa do Estado do Ceará (1984). Tem experiência em pesquisa e produção musical nas áreas de Jornalismo, Radialismo e Antropologia, com ênfase em Antropologia da Música, das Emoções, da Dança e da Performance. Pesquisa há mais de três décadas o gênero musical afro-americano blues, com enfoque na análise de aspecto de sua estética e linguagem. Realiza também estudo histórico comparado entre o blues e o samba brasileiro. Ministra cursos sobre a história do blues, sob olhar sócio-antropológico. Realiza ainda há duas décadas ainda pesquisa, produção e apresentação de programas radiofônicos musicais voltados ao blues e samba e subgêneros afins.

Flávio Santos Pereira, Universidade de Brasília, UnB

Flávio Santos Pereira graduou-se em Composição e Regência pela Universidade de Brasília
(1988), sob a orientação do Prof. Dr. Claudio Santoro. Obteve o título de Mestre em Antropologia
pela Universidade de Brasília (1999) com a defesa da tese “Hierarquia, Prestígio e Poder de Influência
na Música Erudita”, sob a orientação do Prof. Dr. Wilson Trajano Filho. Obteve o título de Doutor em
Composição Musical pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2012), sob a orientação do
Prof. Dr. Celso Giannetti Loureiro Chaves, com bolsa concedida pelo CNPq - Conselho Nacional
de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. É professor efetivo da Universidade de Brasília desde
1991.

Luis Abraham Cayón Durán, Universidade de Brasília, UnB

Luis Abraham Cayón Durán é antropólogo pela Universidad de Los Andes (1992) de Bogotá,
(Colômbia), Mestre (2005) e Doutor (2010) em Antropologia Social pela Universidade de Brasília.
Professor do Departamento de Antropologia da Universidade de Brasília, Bolsista de Produtividade
em Pesquisa do CNPq – Nível 2.

Referências

ABRAHAMS, Roger D. Deep Down in the Jungle: Negro Narrative Folklore from the Streets of Philadelphia. USA: Folklore, 1970.

BAKER, Houston. Blues, Ideology, and Afro-American Literature: A Vernacular Theory. The University Chicago Press, 1984.

BASTIDE, Roger. As Américas Negras. São Paulo: Editora USP, 1974.

BERENDT, Joachim E. O Livro do Jazz. São Paulo: Perspectiva, 1975.

BLACKING, John. “Movimento e Significado: a dança na perspectiva da Antropologia Social” [1983]. In: Antropologia da Dança I. CAMARGO, Gisele Guilhon Antunes [org.]. Santa Catarina: Insular, 2013.

CALADO, Carlos. O Jazz como Espetáculo. São Paulo: Perspectiva, 2007.

CALT, Stephen. Barrelhouse Words: A Blues Dialect Dictionay. USA: University Of Illinois, 2009.

CARDOSO DE OLIVEIRA, Roberto. “Povos Indígenas E Mudança Sócio-Cultural na Amazônia”. In: Série Antropologia. 1. 1972. http://www.dan.unb.br/images/doc/

Serie001empdf.pdf Acessado em: 05/2021.

CHASE, Gilbert. Do Salmo ao Jazz: a música dos Estados Unidos. Rio de Janeiro: Globo, 1957.

COOK, Nicholas. A Guide to Musical Analysis. W.W. Norton & Company, Inc: London, 1992.

DA MATTA, Roberto. “O Ofício de Etnólogo, ou como ter ‘Anthropological Blues’”. In: NUNES, Edson Oliveira (Org.) A Aventura Sociológica. Rio de Janeiro: Zahar, 1978.

DAVIS, Angela. Blues Legacies and Black Feminism: Gertrude “Ma” Rainey, Bessie

Smith, and Billie Holiday. USA: Vintage Books, 1998.

DEVI, Debra. The Language of the Blues: From Alcorub to Zuzu. USA: True Nature Books, 2012 (e-book).

WEB Du Bois. As Almas da Gente Negra. Rio de Janeiro: Lacerda Ed., 1999.

EVANS, David. Big Road Blues: Tradition & Creativity in the Folk Blues. USA: Da Capo Press, 1982.

FERRIS, William. Blues from the Delta. USA: Da Capo Press, 1978.

GARCIA, Luiz Henrique Assis. “Raízes da Alma Negra: o blues e a fundação de uma cultura americana”. Varia História n. 17 Mar/1997. p. 258-278. https://static1.squarespace.com/static/561937b1e4b0ae8c3b97a702/t/57279c6107eaa089fa602fde/1462213735852/15_Garcia%2C+Luis+Henrique+Assis.pdf Acessado em: 05/2021.

GATES JR, Henry Louis. The Signifying Monkey: A Theory of African-American Literary Criticism. Oxford University Press, 1989.

GATES JR, Henry Louis. A escuridão do escuro: uma crítica do signo e o Macaco Significador. In Pós-modernismo e política (org. Heloisa Buarque de Hollanda).

Rio de Janeiro: Rocco, 1992.

GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: LTC, 1989.

GENOVESE, Eugene D. A Terra Prometida: O mundo que os escravos criaram I. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1988 [1974].

GILLETT, Charlie. The Sound of the City: The Rise of Rock & Roll. Souvenir Press, 1996 [1970] (e-book).

GINZBURG, Carlo. O Queijo e os Vermes. São Paulo: Companhia das Letras, 2006 [1976].

HAMILTON, Marybeth. Sexuality, Authenticity and the Making of the Blues Tradition. Past & Present No. 169 (Nov. 2000), pp. 132-160, Oxford University Press. Disponível em: https://www.jstor.org/stable/651266. Acessado em: 11/2021.

HAMILTON, Marybeth. The Blues, The Folk, And African-American History. (2001) London: Birkbeck ePrints. Disponível em: http://eprints.bbk.ac.uk/671 Acessado em:

/2021

HAMILTON, Marybeth. In The Search Of The Blues. EUA: Basic Books, 2009.

HERZHAFT, Gérard. Blues. Campinas: Papirus, 1986.

HUMPHREY, Mark A. “Luzes Brilhantes na Cidade Grande: o Blues Urbano”.

In:___. Coleção Mestres do Blues. Barcelona: Altaya, 1993.

____________________. “O Holy Blues: a tradição Gospel”. In:___. Coleção Mestres do Blues. Barcelona: Altaya, 1993.

JOHNSON, Guy B. “Double Meaning in Popular Negro Blues”. [1927]. Journal of Abnormal Psychology 22.1: 12-20.

JONES, Le Roi. O jazz e sua influência na cultura americana. Rio de Janeiro: Record, 1967 [1964].

KEIL, Charles. Urban Blues. USA: University of Chicago Press, 1966.

LE BRETON, David. As Paixões Ordinárias: Antropologia das emoções. Petrópolis: Vozes, 1998.

LEACH, Edmund. “Aspectos antropológicos da linguagem: categorias animais e insulto verbal”. In: Edmund Leach. [org. Roberto Da Matta]. São Paulo: Ática, 1983.

LEVITIN, Daniel J. A música no seu cérebro_ A ciência de uma obsessão humana. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010.

LOMAX, Alan. The Land Where the Blues Began. USA: Library of Congress, 1970.

MAUSS, Marcel. “A expressão obrigatória de sentimentos”. In: Mauss. Roberto Cardoso de Oliveira (org.). São Paulo: Editora Ática S. A., 1979 [1921].

MAZZOLENI, Florent. As Raízes do Rock. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 2008.

MILLER, Manfred. “O Blues”, in BRENDT, Joachim-Ernest e outros, História do Jazz. São Paulo: Abril Cultural, 1975.

MINTZ, Sidney & PRICE, Richard. O Nascimento da Cultura Afro-Americana_Uma perspectiva antropológica. Rio de Janeiro: Pallas Editora, 2003 [1976].

MUGGIATI, Roberto. Blues - Da Lama à Fama. Rio de Janeiro: Editora 34, 1995.

MUKUNA, Kazadi Wa. “Sobre a Busca da Verdade na Etnomusicologia - um ponto de vista”. In: Revista USP, São Paulo, n.77, p. 12-23, março/maio 2008.

disponível em: https://doi.org/10.11606/issn.2316-9036.v0i77p12-23 Acessado em: 05/2021.

NATTIEZ, Jean-Jacques. “Etnomusicologia e significações musicais”. Per Musi, Revista Acadêmica de Música. Belo Horizonte, n.10, jul - dez, 2004, p. 5-30.

disponível em: http://www.musica.ufmg.br/permusi/port/numeros 10/num10_cap_01.pdf. Acessado em: 05/2021.

____________________. “O Modelo Tripartite de Semiologia Musical” (1989). Disponível em: http://seer.unirio.br/index.php/revistadebates/article/viewFile/4049/3701. Acessado em: 05/2021.

OLIVER, Paul. The Meaning Of The Blues. USA: Collier Books, 1960.

OLIVER, Paul; HARRISON, Max; BOLCOM, William. Gospel, Blues e Jazz. São Paulo: L&PM, 1990.

O’NEAL, Jim. “Uma Vez me Perdi, mas Hoje me Encontrei Comigo Mesmo: O Ressurgimento do Blues nos Anos 60””. In:___. Coleção Mestres do Blues. Barcelona: Altaya, 1993.

PALMER, Robert. Deep Blues: A Musical and Cultural History, from the Mississippi Delta to Chicago’s South Side to the World. New York: Penguin Books, 1981.

PEREIRA, F. S. “A significação em Portais e a Abside, de Celso Loureiro Chaves”.

Per Musi, Belo Horizonte, n.26, p.67-76, julho/dezembro, 2012. http://musica.ufmg. br/permusi/permusi/port/numeros/26/num26_cap_06.pdf Acessado em: 05/2021.

____________. “Relações semânticas entre texto e música em Três Canções sobre Poemas de Fernando Pessoa”. Musica Theorica, Revista da Associação Brasileira de Teoria e Análise Musical, v.4, n.2, p.134–158, agosto a dezembro, 2019. http://revistamusicatheorica.tema.mus.br/index.php/musica-theorica/article/view/11

Acessado em: 05/2021.

RADCLIFFE-BROWN, A. R. “Os Parentescos por Brincadeira”. In: Estrutura e Função na Sociedade Primitiva. Petrópolis: Editora Vozes, 1973.

RAMOS, Alcida. “Ensaio sobre o não entendimento interétnico”. In: Série Antropologia. 444. 2014. http://dan.unb.br/images/doc/Serie_444.pdf. Acessado em: 05/2021.

RYAN, Tim A. “The Matter with Your Line”: Gender, Sexual, and Racial Politics in Charley Patton’s “Pony Blues”. The Journal of American Culture, Volume 38, Number 1, March 2015. Disponível em: https://doi.org/10.1111/jacc.12288. Acessado em: 05/2021.

SCHULLER, Gunther. O Velho Jazz: suas raízes e seu desenvolvimento musical. São Paulo: Cultrix, 1968.

SCHWARTZ, Roberta Freund. “How Blue Can You Get? “It’s Tight Like That” and the Hokum Blues” American Music, vol. 36 no. 3, 2018, p. 367-393. Project MUSE

muse.jhu.edu/article/710715 Acessado em: 05/2021.

SMITHERMAN, Geneva. Word from the Mother: Language and African Americans. USA: Routledge, 2006.

STEARNS, Marshall. A História do Jazz. São Paulo: Livraria Martins, 1964.

SZWED, John F. “Música Negra: Renovação Urbana”. In: COFFIN III, Tristram, O Folclore dos Estados Unidos. São Paulo: Cultrix, 1970.

TAGG, Philip. “A análise de música popular: teoria, método e prática” (2006). disponível em: http://seer.ufrgs.br/index.php/EmPauta/article/view/9404/14808 Acessado em: 05/2021.

TRINDADE, Luis. Genealogia da Música Popular Universalizada. Porto: Contraponto, 1984.

ULANOV, Barry. A História do Jazz. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1957.

Downloads

Publicado

2022-04-28

Como Citar

ELEUTÉRIO ROCHA, A.; SANTOS PEREIRA, F. .; ABRAHAM CAYÓN DURÁN, L. . Entre cantoras, matronas e poetas:: significando o blues . Orfeu, Florianópolis, v. 7, n. 1, p. e0201, 2022. DOI: 10.5965/2525530407022022e0201. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/orfeu/article/view/20601. Acesso em: 5 jul. 2022.