O modo de dizer da teoria musical: uma reflexão sobre a terminologia de Schenker

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/2525530406032021125

Palavras-chave:

teoria musical austro-germânica, música e filosofia, Heinrich Schenker, coerência orgânica

Resumo

Coloca-se em discussão a tradução para a língua portuguesa de alguns termos da teoria musical de Heinrich Schenker. Detendo-se, principalmente, sobre os termos Urlinie e Ursatz, procura-se realizar um debate a respeito do significado de tais conceitos, significado que aparece como a manifestação estritamente musical do princípio da unidade da obra de arte. Tal princípio assume um papel emblemático na teoria se Schenker por meio do concito de coerência orgânica e, portanto, do conceito de organismo. A argumentação se concentra sobre os múltiplos significados da palavra Satz, destacando seus usos no vocabulário musical e, principalmente, nos escritos de Schenker, mais especificamente, como elemento formador do termo Ursatz. A discussão oportuniza uma reflexão a respeito de termos propostos por Schenker e de suas implicações e alcances quando vertidos para outras línguas, épocas e lugares.

Biografia do Autor

Ivan Gonçalves Nabuco, Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC

Doutorando em Música pela Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC. Mestre em Música pela Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC (2019). Bacharel em Filosofia pela Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC (2005).

Sérgio Paulo Ribeiro de Freitas, Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC)

Professor nos cursos de graduação e pós-graduação em Música na Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC). Sua atuação docente, pesquisas e publicações se desenvolvem nos campos da teoria e análise musical. Atualmente desenvolve o projeto de pesquisa “A teoria anda só? Questões de história e reexame analítico em repertório tonal”.

Referências

ABBAGNANO, Nicola. Dicionário de Filosofia. 5.ed. São Paulo: Mestre Jou, 2007.

BARROS, Cassiano de Almeida. A teoria fraseológico-musical de H. C. Koch (1749-1816). Tese (Doutorado em Música). Instituto de Artes, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2011.

BARROS, Guilherme Sauerbronn de; GERLING, Cristina Capparelli. Glossário de termos schenkerianos [livro eletrônico]. 1.ed. Salvador: Tema, 2020.

BENT, Ian. (contribuições) Schenker Documents Online. Londres: King’s Digital Lab, 2012. Disponível em: . Acesso em: 20 de julho de 2021.

DRABKIN, William (transcrição e tradução). Schenker Documents Online. Londres: King’s Digital Lab, 2012. Disponível em: . Acesso em: 29 de março de 2021.

EPPLE, Barbara (org.). Langenscheidt Dicionário de Bolso Português-Alemão/Alemão-Português. Stuttgart: Pons, 2015.

EPPLE, Barbara (org.). Universal-Wörterbuch Brasilianisches Portugiesisch. Berlim e Munique: Langenscheidt, 2012.

EYBL, Martin. Satzlehre. In: Österreichisches Musiklexikon online. Viena: Musikforschung im Verlag, 2001. Disponível em: Acesso em 02 de fevereiro de 2021.

FORTES, Rafael Moreira. A estrutura orgânica da música na Teoria Schenkeriana. Tese (doutorado em Música) – Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, Programa de Pós-Graduação em Música, 2020.

GOETHE, Johann Wolfgang von. A metamorfose das Plantas. Tradução, introdução, notas e apêndice de Maria Filomena Molder. Lisboa: Imprensa Nacional – Casa da Moeda, [1790] 1993.

GOETHE, Johann Wolfgang von. Doutrina das Cores. Apresentação, seleção e tradução Marco Giannotti. São Paulo: Nova Alexandria, [1810] 1993.

GUBERNIKOFF, Carole. Metodologias de Análise Musical para Música Eletroacústica In: Revista eletrônica de Musicologia, Curitiba, volume XI, setembro de 2007. Disponível em: Revista eletrônica de musicologia (ufpr.br). Acesso em 21 de agosto de 2021.

HEIDEGGER, Martin. A essência da liberdade humana: introdução à filosofia. Tradução Marco Antônio Casanova. 1.ed. Rio de Janeiro: Via Veritas, [1929-30] 2012.

KANT, Immanuel. Crítica da Faculdade do Juízo. Tradução de Valério Rohden e António Marques. Rio de Janeiro: Forense Universitária, [1790] 2016.

MEEÙS, Nicolas. Heinrich Schenker · Groupe de travail d’analyse schenkérienne. Disponível em: . Acesso em 5 de abril de 2021.

PLATÃO. Fedro. Tradução e notas de Pinharanda Gomes. Lisboa: Guimaraes Editores, 2000.

RAMOS, Arthur. A Linha da Beleza de William Hogarth In: Revista Filosófica de Coimbra, Coimbra, volume 17, nº 33, março de 2008, p 147-158.

RAUSCH, Alexander. Kontrapunkt. In: Österreichisches Musiklexikon online. Viena: Musikforschung im Verlag, 2001. Disponível em: . Acesso em: 10 de fevereiro de 2021.

SATZ (Musik). In: WISSEN, Dicionário Alemão Online. Hamburgo: Konradin Medien GmbH, 2021. Disponível em: . Acesso em: 15 de janeiro de 2021.

SATZLEHRE. In: DUDEN, Dicionário Alemão Online. Berlim: Bibliographisches Institut GmbH, 2021. Disponível em: . Acesso em: 02 de fevereiro de 2021.

SCHENKER, Heinrich. Counterpoint A Translation of Kontrapunkt by Heinrich Schenker: Volume II of the New Musical Theories and Fantasies: Book I Cantus Firmus and Two-Voice Counterpoint. Editado por John Rothgeb. Traduzido por John Rothgeb e Jürgen Thym. Michigan: Musicalia Press, [1910] 2001.

SCHENKER, Heinrich. Counterpoint A Translation of Kontrapunkt by Heinrich Schenker: Volume II of the New Musical Theories and Fantasies: Book II Counterpoint in Three and More Voices Bridges to Free Composition. Editado por John Rothgeb. Traduzido por John Rothgeb e Jürgen Thym. Michigan: Musicalia Press, [1922] 2001.

SCHENKER, Heinrich. Der Tonwille: pamphlets in witness of the immutable laws of music volume I issues 1-5 (1921-1923). Editado por William Drabkin. Traduzido por Ian Bent (et al.). New York: Oxford University Press, 2004.

SCHENKER, Heinrich. Der Tonwille: flugblätter zum Zeugnis unwandelbarer Gesetze der Tonkunst einer neuen Jugend dargebracht, Zweites Heft. Viena: Universal Edition, 1922.

SCHENKER, Heinrich. Free Composition (Der freie Satz): Volume III of New Musical Theories and Fantasies. Editado e traduzido por Ernst Oster. Nova York: Pendragon Press, 1977.

SCHENKER, Heinrich. L’Écriture Libre. Seconde édition revue et adaptée par Oswald Jonas traduite de l’allemand par Nicolas Meeùs, Volume I: Textes. Liège: Mardaga, 1993.

SCHENKER, Heinrich. Neue Musikalische Theorien und Phantasien, Driter Band: Der Freie Satz: Das Erste Lehrbuch der Musik. Viena: Universal Edition, 1935.

SCHENKER, Heinrich. The Masterwork in Music: a yearbook volume 2 (1926). Editado por William Drabkin. Traduzido por Ian Bent [et al.]. Nova York: Press Syndicate of the University of Cambridge, 1996.

SOLIE, Ruth. The Living Work: Organicism and Musical Analysis In: 19th-Century Music, vol. 4, No. 2, autumn 1980, pp. 147-156.

Downloads

Publicado

2021-10-14

Como Citar

NABUCO, I. G.; FREITAS, S. P. R. de. O modo de dizer da teoria musical: uma reflexão sobre a terminologia de Schenker. Orfeu, Florianópolis, v. 6, n. 3, 2021. DOI: 10.5965/2525530406032021125. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/orfeu/article/view/20047. Acesso em: 30 nov. 2021.