Explorando a partitura com o mapa conceitual

um recurso criativo para uma aprendizagem musical significativa

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/2525530406022021294

Resumo

No ensino tradicional de piano, a partitura é uma das principais fontes de informação na construção do conhecimento musical. Contudo, muitas das ideias contidas no texto musical podem passar despercebidas pelo estudante, em função do tipo de abordagem adotada na leitura da partitura. Neste estudo teórico, propõe-se uma forma criativa de explorar o texto musical a ser estudado, empregando o mapa conceitual como um recurso didático, a partir de uma abordagem cognitiva denominada Teoria da Aprendizagem Significativa. Entendemos que a utilização do mapa conceitual: (1) enfatiza a postura ativa no aluno no processo de aprender música; (2) desenvolve a capacidade de relacionar conceitos extraídos da partitura; (3) aumenta o grau de consciência sobre os elementos contidos no texto musical; (4) estimula as práticas criativas de representação dos conceitos musicais; (5) gera vínculos positivos com o ato de ler e decodificar a partitura, formando os subsunçores. Esperamos que professores, alunos e músicos se beneficiem das amplas possibilidades de aplicação desta simples e útil ferramenta.

Referências

ALBINO, César; LIMA, Sônia Albano de. A aplicação da teoria da aprendizagem significativa de Ausubel na prática improvisatória. Opus, Goiânia, v. 14, n. 2, p. 115-133, dez. 2008.

AUSUBEL, David Paul. The psychology of meaningful verbal learning. New York: Grune & Stratton, 1963. 255p.

AUSUBEL, David Paul. Educational psychology: a cognitive view. New York: Holt, Rinehart and Winston, 1968. 685p.

AUSUBEL, David Paul. The acquisition and retention of knowledge: a cognitive view. Dordrecht: Kluwer Academic Publishers, 2000. 210p.

BECKER, Fernando. Abstração pseudoempírica: significado epistemológico e impacto metodológico. Educação & Realidade, v. 42, n. 1, p. 371-393, 2017.

BEYER, Esther Sulzbacher Wondracek. Os múltiplos caminhos da cognição musical: algumas reflexões sobre seu desenvolvimento na primeira infância. Revista da Abem, v. 3, n. 3, p. 9-16, 1996.

BEZERRA, Denise Maria. Ação pianística e estados de consciência: uma abordagem integrativa transpessoal. 81 f. Dissertação (Mestrado em Música) – Centro de Artes, Departamento de Música, Universidade do Estado de Santa Catarina, Florianópolis, 2016.

CSKISZENTMIHALYI, Mihaly. Creativity: flow and the psychology of discovery and invention. New York: Harper Collins Publishers, 1996.

CUNHA, Sandra Mara da. Quebra-cabeça sonoro: um jogo chamado criação musical. Orfeu, v. 2, n. 2, p. 46-68, dez. 2017.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. 18. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1988. 184p.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 36. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2007. 79p.

FROMM, Erich. A arte de amar. Cascais: Pergaminho, 2002.

FIALHO, Francisco A. P. Psicologia das atividades mentais: introdução às ciências

da cognição. Florianópolis: Insular, 2011. 341p.

BEZERRA, Denise M.; FIALHO, Francisco A. P. Analisando música na infância: uma

abordagem cognitiva no ensino-aprendizagem do piano. Opus, v. 26, n. 3, 2020.

Denise Maria Bezerra, ORFEU, Florianópolis, v. 6, n. 2, p. 313 - 314, set. 2021. Francisco Antonio Pereira Fialho

Explorando a partitura com o mapa conceitual: um recurso criativo para uma aprendizagem musical significativa

FONTERRADA, Marisa Trench de Oliveira. Ciranda de sons: práticas criativas em educação musical. São Paulo: Editora Unesp Digital, 2015. Recurso eletrônico.

IZQUIERDO, Iván. Memória. Porto Alegre: Artmed, 2002.

MASLOW, Abraham Harold. Toward a psychology of being. 2. ed. New York: D. Van Nostrand

Company, 1968. 240p.

MASCARENHAS, Mário. Duas mãozinhas no teclado: método de piano para crianças desde 4 anos. São Paulo: Irmãos Vitale, 1970. 78p.

MOREIRA, Marco Antonio. Aprendizagem significativa em mapas conceituais. Textos de apoio ao professor de física, PPGENFIS/IFUFRGS, v. 24, n. 6, 2013.

NOVAK, Joseph; GOWIN, Bob. Aprender a aprender. 1. ed. em português. Lisboa: Plátano Edições Técnicas, 1984. 212p.

ROGERS, Carl. R. Freedom to learn. Columbus, OH: Charles E. Merril, 1969. 358p.

PIAGET, Jean. Development and learning. In: LAVATELLY, C. S.; STENDLER, F. Reading in child behavior and development. New York: Hartcourt Brace Janovich, 1972.

SAINT-EXUPÉRY, Antoine. O pequeno príncipe. São Paulo: LP&M, 2012. 69p. SHOCKLEY, Rebecca Payne. Mapping music: for faster learning and secure

memory. 2. ed. Middleton: A.R., 2019.

STERNBERG, R. Psicologia Cognitiva. Artmed: Porto Alegre, 2000.

VYGOTSKY, Lev Semenovitch. Imaginação e criatividade na infância. Lisboa: Dinalivro, 2012.

WILDT, Francisco Koest; CARVALHO, Any Raquel; GERLING, Cristina Capparelli.

O uso de mapeamento na memorização do allegro moderato da sonatina no 3, de Juan Carlos Paz: uma abordagem prática. Música Hodie, v. 5, n. 1, p. 35-58, 2005.

Downloads

Publicado

2021-09-10

Como Citar

BEZERRA, D. M.; PEREIRA FIALHO, F. A. Explorando a partitura com o mapa conceitual: um recurso criativo para uma aprendizagem musical significativa. Orfeu, Florianópolis, v. 6, n. 2, p. 294-314, 2021. DOI: 10.5965/2525530406022021294. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/orfeu/article/view/19134. Acesso em: 18 set. 2021.