Um processo visual endógeno com nomadismo de meios e imagens.

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/24471267822022200

Palavras-chave:

imagem endógena, imagem exógena, gravura

Resumo

Este ensaio visual é um recorte de uma pesquisa mais ampla que envolve a migração de imagens produzidas em tempos diversos, que migram como nômades de um meio a outro com o intuito de se integrarem ao tempo e ao espaço em que vivo hoje, reflexo de minha migração para Marabá, cidade localizada na Amazônia Paraense e lugar ao mesmo tempo diverso e antagônico ao de minha origem. As escolhas de algum modo são decorrência deste antagonismo, a distância percorrida pela migração de região aproximou-me de mim mesmo, talvez efeito das distâncias amazônicas que de tão vastas parecem a cada passo tanto mais longínquas, colaborando para um processo visual endógeno, no qual imagens do passado são invariavelmente eivadas pela percepção exógena que jamais se afasta, como uma necessidade da arte visual incorporar, intercambiar e simular em seus meios a experiência humana da vida, eles próprios, corpos mudos e inertes, mas plenamente capazes de induzir o pensamento a quem na fruição os anima. Duas experiências serão mostradas, numa a imagem de uma pintura e de uma fotografia recentes migram para uma matriz de gravura em metal de vinte e três anos atrás, e na outra um desenho antigo e uma fotografia recente migram para uma xilogravura com processos de gravação e impressão histórico e desta para uma impressão hibridizada com processo digital

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Wilson Roberto da Silva, Universidade federal do Sul e Sudeste do Pará

É Gravador, Técnico em Artes Gráficas especializado em Produção Visual Gráfica pelo SENAI, atuou profissionalmente em Publicidade. É mestre em Artes Visuais pela Unesp e Doutro pela Unicamp, atualmente  exerce a função Docente na Faculdade de Artes Visuais da Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará. Ministrou aulas para os cursos Desenho Industrial e Publicidade da Universidade Presbiteriana Mackenzie. A produção artística tem ênfase em Gravura, Artes gráficas e Anatomia Humana nos segmentos de: desenho, xilogravura, litografia, gravura em metal, produção gráfica, pintura, ilustração e modelagem.

Referências

BEARDON, Colin. Práticas criativas e o projeto de software. In: DOMINGUES, Diana. (org) A Arte e vida no Século XXI: Tecnologia, ciência e criatividade. São Paulo: Editora Unesp, 2003.

BELTING, Hans. Antropologia da imagem: Para uma ciência da imagem. Lisboa: KKYM + EAUM, 2014.

COLI, Jorge. A obra ausente. In: SAMAIN, Etienne. Como pensam as imagens. Campinas: Editora Unicamp, 2012, p.41-50.

JUNG, Carl Gustav. Os arquétipos e o inconsciente coletivo. 2ª ed. Petrópolis: Editora Vozes, 2002.

FOCILLON, Henri. A vida das formas. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1983.

IVINS Jr, William Mills. Imagen y conocimiento: Análisis de la imagen prefotográfica. Barcelona: Editorial Gustavo GiIi. S.A, 1974.

LAURENTIZ, Paulo. Holarquia do Pensamento Artístico. Campinas: Editora Unicamp, 1991.

LE'VI-STRAUSS, Claude. O pensamento selvagem. 2ª ed. São Paulo: Papirus Editora, 1997.

MARTINS, Itajahi. Gravura: Arte e técnica. São Paulo: Fundação Nestlé Cultura, 1987.

MENEZES, Philadelpho. Oralidade no experimento poético brasileiro. In: DOMINGUES, D. (Org.) A Arte no Século XXI: A Humanização das Tecnologias. São Paulo: Fundação da Editora da Unesp, 1997, p. 272-281.

SALLES, Cecilia Almeida. Redes da criação: construção da obra de arte. 2ª ed. Vinhedo: Editora Horizonte, 2008.

SARTRE, Jean-Paul. Imaginação. 1ª. Ed. Porto Alegre: L& PM Pocket, 2008.

Downloads

Publicado

2022-10-06

Como Citar

SILVA, W. R. da. Um processo visual endógeno com nomadismo de meios e imagens. Revista Apotheke, Florianópolis, v. 8, n. 2, p. 200-215, 2022. DOI: 10.5965/24471267822022200. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/apotheke/article/view/22294. Acesso em: 9 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigos Seção temática