Criação e reprodução no ensino de artes visuais: análise de paradigmas teórico-metodológicos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/24471267622020086

Palavras-chave:

arte , mimese , autoexpressão , educação básica , teoria histórico cultural

Resumo

O texto apresenta o resultado de uma pesquisa teórica, com delineamento bibliográfico, cujo objetivo foi analisar as concepções sobre os processos de criação vinculados a dois paradigmas teórico-metodológicos consolidados para o ensino de artes visuais: a mimese e a autoexpressão. Expõe aspectos históricos que propiciaram o desenvolvimento de ambos os paradigmas, bem como os artistas que contribuíram com sua legitimação e os impactos para o ensino de arte na educação escolar brasileira. Expressa os limites e potencialidades das abordagens mediante análise em uma lógica dialética. Conclui que desenvolver processos de criação em artes visuais na educação básica implica possibilitar a apropriação de conhecimentos e habilidades desenvolvidos historicamente, pois a reprodução, no âmbito individual, daquilo que fora criado e é compartilhado socialmente, representa a formação da base que possibilitará o desenvolvimento de novas criações.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vinícius Stein, Universidade Estadual de Maringá

Graduação em Arte-Educação pela Universidade Estadual do Centro-Oeste 2011). Especialização em Teoria Histórico-Cultural pelo departamento de Psicologia da Universidade Estadual de Maringá (2014). Mestrado em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Estadual de Maringá (2014). Doutorado em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Estadual de Maringá (2019). Recebeu bolsa da Fundación Carolina para pesquisa na Universidad de Huelva - Espanha (2018). É coordenador do Conselho Acadêmico do curso de licenciatura em Artes Visuais da Universidade Estadual de Maringá (2019). Integra o Grupo de Pesquisa e Estudos em Educação Infantil (GEEI) e o Grupo de Pesquisa em Arte, Educação e Imagem (ARTEI). Pesquisa sobre ensino das artes visuais na educação escolar e educação estética.

Marta Chaves, Universidade Estadual de Maringá

Graduação em Pedagogia pela Universidade Estadual de Maringá (1993). Mestrado em Educação pela Universidade Estadual de Maringá (2000). Doutorado em Educação pela Universidade Federal do Paraná (2008). Pós-Doutorado junto ao Departamento de Psicologia da Educação, na Faculdade de Ciências e Letras do Campus de Araraquara - Unesp (2011). É professora associada do Departamento de Teoria e Prática da Educação da Universidade Estadual de Maringá e líder do Grupo de Pesquisa e Estudos em Educação Infantil (GEEI). Tem experiência na área de Educação, com ênfase em História da Educação, atuando principalmente nos seguintes temas: Formação de professores, Educação Infantil, Teoria Histórico-Cultural, Literatura Infantil, Arte e Intervenções Pedagógicas.

Referências

BARBOSA, Ana Mae. Arte-Educação no Brasil. São Paulo: Perspectiva, 2006.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei n. 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm>. Acesso em: 31 de março de 2020.

CAMARGO, Marcos Henrique. As estéticas e suas definições da arte. Revista Científica/FAP, [S.l.], jun., p.1-15, 2009. Disponível em: http://periodicos.unespar.edu.br/index.php/revistacientifica/article/view/1593. Acesso em: 31 de março de 2020.

DUARTE, Newton. Prefácio. In: SACCOMANI, Maria Claudia da Silva. A criatividade na arte e na educação escolar: uma contribuição à pedagogia histórico-crítica à luz de Georg Lukács e Lev Vigotski. Campinas, São Paulo. Autores Associados, 2016. (Educação contemporânea).

FERNANDES, Vera Lúcia Penzo. A imitação no processo de aprendizagem: reflexões a partir da história da educação e do ensino arte. Série-Estudos (UCDB), Campo Grande, v. 17, n.17, p.157-170, 2004. Disponível em: http://www.serie-estudos.ucdb.br/index.php/serie-estudos/article/view/499. Acesso em: 31 de março de 2020.

______. A imitação no processo de ensino e aprendizagem de arte. OuvirOUver (Uberlândia. Impresso), v. 6, p.46-61, 2010. Disponível em: http://www.seer.ufu.br/index.php/ouvirouver/article/view/8221.Acesso em: 31 de março de 2020.

______. Uma leitura sócio-histórica da imitação no processo de ensino e aprendizagem. In: 30ª Reunião Anual da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-graduação em Educação, 2007, Caxambu. ANAIS da 30ª Reunião Anual da Associação Nacional de Pós-graduação e Pesquisa em Educação, 2007.

FERRAZ, Maria Heloísa Corrêa de Toledo; FUSARI, Maria Felisminda de Rezende. Arte na educação escolar. 4. ed. São Paulo: Cortez, 2010.

GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas, 2002.

HAUSER, Arnold. História social da arte e da literatura. Trad. A. Cabral. São Paulo: Martins Fontes, 1994.

KANDINSKY, Wassily. Do espiritual na arte e na pintura em particular. Tradução: Álvaro Cabral e Antonio de Pádua Danesi. São Paulo: Martins Fontes, 1996.

LEONTIEV, Alexis. N. O desenvolvimento do psiquismo. Lisboa: Livros Horizonte, 1978.

OSINSKI, Dulce Regina Baggio. Ensino da Arte: os Pioneiros e a influência estrangeira na arte-educação em Curitiba. 327 f. Dissertação. Mestrado em Educação. Universidade Federal do Paraná, UFPR, Brasil. Orientadora: Maria Cecília Marins de Oliveira. 1998.

______. Arte, história e ensino: uma trajetória. São Paulo: Cortez, 2001.

OSTROWER, Fayga. Criatividade e processos de criação. 15 ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2001.

PERES, Juan J. Jové. Modos de Producción figural y educación artística: Los primeros pasos de un modelo didáctico. Tesis Doctoral. Orientador: Jaume Sanuy Burgués. Departamento de Pedagogía y Psicología de la Universidad de Lleida. Espanha. 1997.

SANTAELLA, Lucia. Porque as comunicações e as artes estão convergindo? São Paulo: Paulus, 2005.

SAVIANI, Demerval. Escola e democracia. Campinas, SP: Autores Associados, 2008. (Coleção educação contemporânea). “Edição comemorativa”.

______. Trabalho e educação: fundamentos ontológicos e históricos. Rev. Bras. Educ., Rio de Janeiro, v. 12, n. 34, p.152-165, Abr. 2007. Disponível em: www.scielo.br/pdf/rbedu/v12n34/a12v1234.pdf. Acesso em: 31 de março de 2020.

VIADEL, Ricardo Marín. Enseñanza y aprendizaje en Bellas Artes: una revisión de los cuatro modelos históricos desde la perspectiva contemporánea. Arte, Individuo y Sociedad, Madrid, n. 9, p. 55-77. Servicio de Publicaciones. Universidad Complutense. 1997. Disponível em: https://revistas.ucm.es/index.php/ARIS/article/view/ARIS9797110055A. Acesso em: 31 de março de 2020.

VIGOTSKI, Lev Semionovitch. Imaginação e criação na infância: ensaio psicológico. Tradução de Zoia Prestes e Elizabeth Tunes. 1. Ed. São Paulo: Expressão Popular, 2018.

VYGOTSKY, L. S. Historia del desarrollo de las funciones psíquicas superiores. In: ______. Obras Escogidas. Tomo III. Problemas del desarollo de la psique. Tradução: Lydia Kuper. 2.ed. Madrid: Visor Dis., 2003.

______. Obras Escogidas. Tomo IV. Psicología infantil. Tradução: Lydia Kuper. 2.ed. Madrid: A. Machado Libros, 2006.

______. Pensamiento y lenguaje. In: ______. Obras Escogidas. Tomo II. Problemas Psicología general. Tradução: José Maria Bravo. 2.ed. Madrid: A. Machado Libros, 2001.

Downloads

Publicado

2020-09-14

Como Citar

STEIN, V.; CHAVES, M. Criação e reprodução no ensino de artes visuais: análise de paradigmas teórico-metodológicos. Revista Apotheke, Florianópolis, v. 6, n. 2, 2020. DOI: 10.5965/24471267622020086. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/apotheke/article/view/17366. Acesso em: 28 set. 2022.