(In)visibilidades e empoderamento das encenadoras no teatro brasileiro

Letícia Mendes de Oliveira

Resumo


Este texto propõe uma reflexão e uma defesa acerca do papel da encenadora brasileira no século XX e XXI e da necessidade urgente de inseri-la na história do teatro. Aborda questões sobre o feminismo no teatro, problematiza as visões de encenação e analisa brevemente a trajetória das seguintes diretoras brasileiras: Bibi Ferreira, Dulcina de Morais, Henriette Morrineau, Lúcia Coelho, Bia Lessa, Maria Thais, Daniela Thomas, Cibele Forjaz e Christiane Jatahy. O objetivo é discutir como essas diretoras assumiram, para além da função da encenação, diversas atividades tais como atuação, gestão, pesquisa, direção visual, e sobretudo a tarefa de construção de uma poética da encenação brasileira.  


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5965/1414573103332018157



Direitos autorais 2018 Urdimento - Revista de Estudos em Artes Cênicas



 

    

 

Indexadores

 

       


Urdimento – Revista de Estudos em Artes Cênicas - Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC) - Centro de Artes (CEART) - Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas - (PPGT) – E-ISSN: 2358.6958 - Endereço: Universidade do Estado de Santa Catarina – UDESC, Centro de Artes - Av. Madre Benvenuta, 2007, Itacorubi. Florianópolis. SC, Brasil. CEP: 88.035-001 – E-mail: urdimento.ceart@udesc.br

Licença Creative Commons

  Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.