O grito e o silêncio do morder: dançando entre os dentes

Maria Brígida de Miranda, Luane Pedroso

Resumo


Este texto é parte da construção entre: experiências pessoais e a peça de dança intitulada Mordedores que tem como idealizadoras a brasileira Marcela Levi, do Rio de Janeiro, e a argentina Lucía Russo, radicada no Brasil. Podemos entender a mordida como uma ação cotidiana, um hábito, já que todos a realizamos de forma natural desde os primeiros meses de vida. Quando esse natural é levado à cena, como forma de dança, ganha algumas possiblidades de investigação diferente daquilo que se é observado no cotidiano. A mordida que é apresentada ultrapassa a barreira do comum e chega ao que é compulsivo, não controlável. Dentro desse contexto, a coreografia se desenrola em um jogo onde a ação de morder adquire infinitude. Proponho-me a realizar uma breve análise a partir do vídeo da peça e das memórias que me recorrem, para isso, divido o texto em subtópicos cuja construção é de ordem cronológica às lembranças. Assim...

Um verbo que se comporta como substantivo, sujeito ativo, presente e constitutivo do homem-animal.

Mordamos!

 


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5965/1414573101282017232



Direitos autorais 2017 Urdimento - Revista de Estudos em Artes Cênicas



 

    

 

Indexadores

 

       


Urdimento – Revista de Estudos em Artes Cênicas - Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC) - Centro de Artes (CEART) - Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas - (PPGT) – E-ISSN: 2358.6958 - Endereço: Universidade do Estado de Santa Catarina – UDESC, Centro de Artes - Av. Madre Benvenuta, 2007, Itacorubi. Florianópolis. SC, Brasil. CEP: 88.035-001 – E-mail: urdimento.ceart@udesc.br

Licença Creative Commons

  Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.