Sarah Kane e o mito de si: sob o guarda-chuva, com um projeto em punho à sombra do golem

Rummenigge Medeiros de Araújo

Resumo


Este artigo aborda a dramaturgia na contemporaneidade a partir da noção de escritura como sendo uma multiplicidade de espaços preenchidos por meio da performance da escrita, do projeto existencial e da presença do autor que articula e tenciona linhas de fuga para suas ideias e sentimentos. Nessa perspectiva da escrita de si, a dramaturga inglesa Sarah Kane constrói uma estrutura de sentimento orientada por três pilares; texto-corpo-mundo, imbricando vida e obra. Dessa maneira, Kane instaura uma dramaturgia cujo projeto estético é a finitude com suas diferentes noções e entendimentos de morte: diálogo com os mortos da tradição teatral e literária, morte da personagem e seu próprio suicídio.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5965/1414573101282017035



Direitos autorais 2017 Urdimento - Revista de Estudos em Artes Cênicas



 

    

 

Indexadores

 

       


Urdimento – Revista de Estudos em Artes Cênicas - Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC) - Centro de Artes (CEART) - Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas - (PPGT) – E-ISSN: 2358.6958 - Endereço: Universidade do Estado de Santa Catarina – UDESC, Centro de Artes - Av. Madre Benvenuta, 2007, Itacorubi. Florianópolis. SC, Brasil. CEP: 88.035-001 – E-mail: urdimento.ceart@udesc.br

Licença Creative Commons

  Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.