A revolução Tunisiana e a dialética entre teatro e realidade

Marvin Carlson, Tradutora: Vívian de Camargo Coronato, Tradutora: Glória Paschoal de Camargo

Resumo


O entrelaçamento entre teatro é realidade é quase sempre uma importante parte da dinâmica da revolução e, sem dúvida, pode ser observado na Revolução Tunisiana de 2011, que deu início à “Primavera Árabe”. Este artigo irá considerar três exemplos significantes desse processo, envolvendo duas peças recentes Khamsūn (Cinquenta, escrita em 2006) e Yaḥia Yaïsh (Amnésia, escrita em 2010), criadas por dois dos principais artistas teatrais da Tunísia, a dramaturga Jalila Baccar e seu diretor/marido Fadhel Jaïbi, e o ato (performance da vida real) do tunisiano Abd-En-Nasser Laouini que, ao comemorar nas ruas quase desertas devido ao toque de recolher, a fuga do ditador Ben Ali, acabou por realizar uma performance teatral, que foi filmada sem seu conhecimento e rapidamente alcançou as redes sociais e os canais de televisão. 


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5965/1414573101262016380

Direitos autorais



 

 

 

Indexadores

  

       


Urdimento – Revista de Estudos em Artes Cênicas - Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC) - Centro de Artes (CEART) - Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas - (PPGT) – E-ISSN: 2358.6958 - Endereço: Universidade do Estado de Santa Catarina – UDESC, Centro de Artes - Av. Madre Benvenuta, 2007, Itacorubi. Florianópolis. SC, Brasil. CEP: 88.035-001 – E-mail: urdimento.ceart@udesc.br

Licença Creative Commons

  Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.