Um teatro feito da matéria dos sonhos: Os gigantes da montanha e o Grupo Galpão

Martha de Mello Ribeiro

Resumo


A questão que acompanhou Piran- dello em suas reflexões sobre o teatro, re- fletida em sua composição dramatúrgica, foi a dolorosa certeza da impossibilidade da representação cênica. No caso do autor italiano, o irrepresentável encontra-se na impossibilidade do ator em representar um outro ser. Estamos diante de um modo de pensar o teatro que revoga a representação de dentro, apontando como impossível o ato de representar um papel; seu projeto maior foi nos fazer ver o impensável, en- gendrando em sua dramaturgia persona- gens que se auto-representam. Tal pensa- mento se materializa de forma indiscutível em “Os Gigantes da Montanha” (1936), que na montagem do Grupo Galpão encontra os meios ideais para a composição dos so- nhos. 


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5965/1414573101242015186



Direitos autorais



 

    

 

Indexadores

 

       


Urdimento – Revista de Estudos em Artes Cênicas - Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC) - Centro de Artes (CEART) - Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas - (PPGT) – E-ISSN: 2358.6958 - Endereço: Universidade do Estado de Santa Catarina – UDESC, Centro de Artes - Av. Madre Benvenuta, 2007, Itacorubi. Florianópolis. SC, Brasil. CEP: 88.035-001 – E-mail: urdimento.ceart@udesc.br

Licença Creative Commons

  Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.