Bruce Lee nas telas – O “Pequeno Dragão” enlaça com seu corpo marcial Oriente e Ocidente

Maria Brígida de Miranda

Resumo


Este artigo busca refletir sobre como o espetáculo do corpo treinado, conjugado ao universo dramático de personagens heroicos e a diálogos inspirados em noções como a de “não ação”, organiza e constrói o nosso imaginário sobre o Oriente, o sagrado e as artes marciais. É possível pensar que, antecedendo as leituras dos escritos mais conhecidos de Antonin Artaud, Jerzy Grotowski, Peter Brook ou Eugenio Barba sobre o teatro em culturas asiáticas, o olhar para o Oriente, na América Latina, fez-se pela corporeidade de atores em filmes de ficção. Seria plausível dizer que foi por meio do cinema que se entrou em contato com as primeiras noções de práticas e filosofias orientais. O virtuosismo marcial de atores como Bruce Lee (1940-1973) colocou a plateia fílmica em contato com um universo de cultivo do corpo imerso em noções Taoistas e Budistas.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5965/1414573102252015084



Direitos autorais



 

    

 

Indexadores

 

       


Urdimento – Revista de Estudos em Artes Cênicas - Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC) - Centro de Artes (CEART) - Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas - (PPGT) – E-ISSN: 2358.6958 - Endereço: Universidade do Estado de Santa Catarina – UDESC, Centro de Artes - Av. Madre Benvenuta, 2007, Itacorubi. Florianópolis. SC, Brasil. CEP: 88.035-001 – E-mail: urdimento.ceart@udesc.br

Licença Creative Commons

  Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.