Apropriações de alunos do ensino médio quanto à história da cidade de Londrina-PR

Márcia Elisa Teté Ramos

Resumo


Pretende-se divulgar resultados da pesquisa sobre como jovens estudantes do Ensino Médio das escolas públicas de Londrina - PR se apropriam da história/memória da cidade. Retomam-se os três estudos realizados segundo a “teoria fundamentada” (Grounded Theory): estudo exploratório (com Grupo Focal e brainstorming), estudo piloto (história hipotética) e estudo principal (netnografia). Este último, destacando duas questões que implicavam em análise de fontes históricas pelos estudantes. Utilizam-se como referenciais dois campos investigativos diferentes, mas interdependentes em alguns pontos: Didática da História e Educação Histórica. As ideias históricas dos alunos remetem à permanência de uma História Oficial/Tradicional sobre a cidade, mas nos mostra a potencialidade para a explicação histórica quando se tem possibilidade de debate, imaginação histórica capaz de construir empatia e interpretação comparativa de fontes históricas.

 

Palavras-chave: História; Ensino Médio; Estudo e Ensino; Londrina (PR); Cidades e Vilas.


Texto completo:

PDF

Referências


ADUM, Sônia Maria Sperandio Lopes. Imagens do Progresso: Civilização e barbárie em Londrina – 1930/1960. (Dissertação de Mestrado) Assis – SP: UNESP. 1991.

ALVES, Ronaldo Cardoso. História e Vida: o encontro epistemológico entre Didática da História e Educação Histórica. História & Ensino (UEL), v. 19, n. 1, jan./jun. 2013, p. 49-69.

ARRAIS, Cristiano Alencar. Imaginação histórica e pensamento mediado na obra de R. G. Collingwood. ANPUH – XXV SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA. Fortaleza, 2009.

BARCA, Isabel. Concepções de adolescentes sobre múltiplas explicações em História. In: BARCA, Isabel (Org.). Perspectivas em Educação Histórica. Actas das Primeiras Jornadas Internacionais de Educação Histórica. Centro de educação e Psicologia, Universidade do Minho. 2001.

______. Educação histórica: uma nova área de investigação. In: ARIAS NETO, José Miguel (Org.). Dez anos de pesquisa em ensino de História. Londrina: AtritoArt. 2005.

______. Investigação em Educação Histórica: fundamentos, percursos e perspectivas. In: OLIVEIRA, Margarida Maria Dias de; CAINELLI, Marlene Rosa; OLIVEIRA, Almir Félix Batista de. (Org.). Ensino de história: múltiplos ensinos em múltiplos espaços. Natal, RN: EDFURN, 2008.

______. Marcos de consciência histórica de jovens portugueses. Currículo sem Fronteiras, v.7, n.1, 2007, p.115-126.

______. Investigação em Educação Histórica em Portugal: esboço de uma análise. In: ______; SCHMIDT, M. A. (Org.). Educação Histórica: investigação em Portugal e Brasil. Braga: Centro de Investigação em Educação/Universidade do Minho. 2009.

BARROS, José D’Assunção. Cidade e História. 2 ed., Petrópolis, RJ: Vozes, 2012.

BARTHES, R. Semiótica e urbanismo. In: BARTHES, R. A aventura semiológica. São Paulo: Martins Fontes, 1985.

BAUER, Martin W.; GASKELL. Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som. Um manual prático. 7 ed., Petrópolis, RJ: Vozes, 2008.

BERGMANN, Klaus. A História na reflexão didática. Revista Brasileira de História. v.9, n.19, set.89/fev.90, p. 29-42.

CERNEV, Jorge. Liberalismo e colonização: o caso do Norte do Paraná. Rio de Janeiro: Universidade Gama Filho. 1988. Dissertação de Mestrado.

CHARTIER, Roger. A história cultural: entre práticas e representações. Trad. Maria Manuela Galhardo. Rio de Janeiro: DIFEL, 1990.

______. Do livro à leitura. In: CHARTIER, Roger (Org.). Práticas de leituras. São Paulo: Estação Liberdade, 1996.

______. Cultura escrita, literatura e história. Conversas de Roger Chartier com Carlos Aguirre Anaya, Jesús Anaya Rosique, Daniel Goldin e Antonio Saborit. Trad. Ernani Rosa. Porto alegre: ARTMED, 2001.

COLLINGWOOD, R. G. A ideia de história. Lisboa: Editorial Presença, 1994.

COOPER, Hilary. Didáctica de la história en la educación infantil y primária. Madrid: Ediciones Morata, 2012.

CRIVELLO, Marylene. Usages publics et mises en spectacle de l1histoire dans la France contemporaine: contrastes mémoriels. Cahier d’histoire immediate. Les usages du passé. n. 43, 2013, p. 7-20.

EDWARDS, Verónica. Os sujeitos no universo da escola. Um estudo etnográfico no ensino primário. Trad. Josely Vianna Baptista. São Paulo: Ática, 1997.

GOODSON Ivor. História del Currículum. La construccion social de las disciplinas escolares. Barcelona: Ediciones Pomares-Corredor, S. A.1995.

______. O currículo em mudança. Estudos na construção social do currículo. Lisboa: Porto Editora, 2001.

HOBSBAWM, Eric. Introdução In: HOBSBAWM, Eric. RANGER, Terence. A invenção das tradições. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1984.

KOZINETS, Robert V. Netnografia. Realizando pesquisa etnográfica online. Trad. Tatiani Melani Tosi e Raúl Ranauro Javales Júnior. Porto Alegre: Penso, 2014.

LEE. Peter. Nós fabricamos carros e eles tinham que andar a pé: compreensão das pessoas do passado. In: BARCA, Isabel. (Org.). Educação histórica e museus. Braga: Centro de Investigação em Educação; Instituto de Educação e Psicologia; Universidade do Minho, 2003.

LEFEBRE Fernando; LEFEBRE, Ana Maria. Pesquisa e representação social. Um enfoque qualitativo. Brasília: Liber Livro Editora, 2012.

LEME, Edson José Holtz. O teatro da memória. O Museu Histórico de Londrina – 1959-2000. 276 f. (Doutorado em História) Assis, 2013.

MARTINS, Gilberto de Andrade; THEÓPHILO, Carlos Renato. Metodologia da investigação científica para ciências sociais aplicadas. 2 ed., São Paulo: Atlas, 2009.

MIRANDA, Sonia Regina; BLANCH, Joan P. Cidade, Memória e Educação: conceitos para provocar sentidos no vivido. In: MIRANDA, Sonia Regina; SIMAN, Lana Mara Castro (Org.). Cidade, memória e educação. Juiz de Fora: Editora UFJF, 2013.

PESAVENTO, Sandra Jatahy. Cidades visíveis, cidades sensíveis, cidades imaginárias. Revista Brasileira de História. v. 27, n. 53, pp. 11-23, 2007.

POLLAK, Michael. Memória, esquecimento, silêncio. Estudos Históricos. v. 2, n. 3, 1989, p. 3-15.

RAMOS, Francisco R. L. A danação do objeto. Chapecó, SC: Editora Argos, 2004.

RAMOS, Márcia Elisa Teté. O estudante de Ensino Médio nas comunidades virtuais “eu amo história” e “eu odeio história” e uma questão antiga: para que serve a história? Antíteses, v. 5, n. 10, 2012, p. 665-689.

______. O que pensam os alunos do Ensino Médio sobre o ensino de história apresentado no “Guia politicamente incorreto da História do Brasil” de Leandro Narloch. Diálogos. (Maringá. Online), v. 19, n.1, 2015, p. 345-367.

POLLAK, Michael. Memória, esquecimento, silêncio. Estudos Históricos. v. 2, n. 3, 1989, p. 3-15.

SANTHIAGO, Ricardo. Duas palavras, muitos significados: alguns comentários sobre história pública no Brasil. In: MAUAD, Ana Maria; ALMEIDA, Juniele Rabelo de; SANTHIAGO, Ricardo. (Org.). História Pública no Brasil: sentidos e itinerários. São Paulo: Letra e Voz, 2016.

SARLO, Beatriz. Cenas da vida pós-moderna. Intelectuais, arte e videocultura na Argentina. Trad. Sérgio Alcides. 3 ed., Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2004.

SILVA, Bruno Sanches Mariante da. Os imigrantes de Londrina: uma análise hodonímica. V CONGRESSO INTERNACIONAL DE HISTÓRIA. Maringá: UEM, 2011.

SOUZA. Dayana de. Ideias históricas de alunos de um quinto ano sobre as primeiras vivências de uma hipotética família recém liberta no pós-abolição. Monografia de Especialização. Londrina. UEL. 2012.

TOMAZI, Nelson Dacio. Norte do Paraná: História e Fantasmagorias. Curitiba, tese de doutorado, UFPR, 1997.

______. Construções e silêncios sobre a (re)ocupação da região Norte do Estado do Paraná. In: DIAS, Reginaldo Benedito; ROLLO GONÇALVES, José Henrique (Org.). Maringá e o Norte do Paraná: estudos de história regional. Maringá: EDUEM, 1999.

TUTIAUX-GUILLON, Nicole. O paradoxo francês: cultura histórica significativa e didática da história incerta. Educação e Realidade. v.36, n.1, jan./abr., 2011. p. 15-37.




DOI: http://dx.doi.org/10.5965/2175180308192016060

Contato:
Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC
Centro de Ciências Humanas e da Educação - FAED
Programa de Pós-Graduação em História - PPGH
Av. Madre Benvenuta, 2007 - Itacorubi - Florianópolis - SC
CEP: 88.035-001            Telefone: (48) 3664-8585
tempoeargumento@gmail.com