Gritam os muros: “anistia ampla, geral e irrestrita”

Thiago Nunes Soares

Resumo


Nos anos 1970, ganhou força no Brasil uma campanha nacional e de repercussão no exterior, que visou defender uma anistia ampla, geral e irrestrita para todas as pessoas que tiveram as suas liberdades democráticas cerceadas com a ditadura civil-militar (1964-1985). As lutas e disputas políticas neste período foram intensas, sendo marcantes a atuação e os embates entre diversos segmentos sociais, como: mulheres, estudantes, militares e trabalhadores. Além disso, os instrumentos de resistências políticas foram significativos e variados, a exemplo de passeatas, comícios, panfletagens e pichações. Diante disso, historicizamos a realização dessa campanha em Recife, tendo em vista a sua relevância política. Neste sentido, dentre as formas de resistência supracitadas, destacamos no trabalho a importância do uso de pichações em prol da anistia. Esses registros cotidianos foram proibidos por leis, vigiados e censurados por órgãos policiais, por serem realizados por diversos segmentos da sociedade considerados “subversivos”. Ademais, o combate às escritas citadinas ocorreu por elas possuírem um cunho político e serem um eficaz instrumento de comunicação que influenciou muitas vezes a opinião dos transeuntes com discursos transgressores. Além de documentos escritos (jornais e fontes policiais), o trabalho teve como base os relatos orais de ex-militantes que resistiram contra a ditadura e foram autores de pichações. Através do cruzamento dessas fontes, foi possível analisar esse período sob diferentes discursos e experiências políticas. Assim, os relatos de orais em sua estrutura narrativa registram experiências históricas resultantes de práticas sociais, potencializando as possibilidades de interpretação do passado.

 

Palavras-chave: Pichações; Anistia; Ditadura; Relatos Orais.


Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, Maria Paula. Memórias estudantis: da fundação da UNE aos nossos dias. Rio de Janeiro: Relume Dumará; Fundação Roberto Marinho, 2007.

BARROS, Marisa. Jonas! presente ... agora e sempre!. Recife: Companhia Editora de Pernambuco, 2009.

BERNARDES, Denis. Recife: o caranguejo e o viaduto. Recife: Ed. UFPE, 1996.

COMPARATO, Fábio Konder. A responsabilidade do Estado brasileiro na questão dos desaparecidos durante o regime militar. In: TELES, Janaina (Org.) Mortos e desaparecidos políticos: reparação ou impunidade? São Paulo: Humanitas/FFLCH/USP, 2000, p. 47-55.

DVD Entrevistas da pesquisa. Depoimento de Eduardo Pandolfi, concedido ao autor em 28/01/2012.

DVD Entrevistas da pesquisa. Depoimento de Edval da Silva Nunes Cajá, concedido ao autor em 25/01/ 2012.

DVD Entrevistas da pesquisa. Depoimento de Maria do Amparo Almeida Araújo, concedido ao autor em 17/05/2008.

DVD Entrevistas da pesquisa. Depoimento de Marcelo de Santa Cruz Oliveira, concedido ao autor em 15/12/2011.

FICO, Carlos. Como eles agiam. Os subterrâneos da ditadura militar: espionagem e polícia política. Rio de Janeiro, São Paulo: Record, 2001.

GRECO, Heloisa Amélia. Dimensões fundacionais da luta pela anistia. 2003, 559f. Tese (Doutorado em História) – Universidade Federal de Minas Gerais, Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Belo Horizonte, 2003.

GRECO, Heloisa Amélia. Memória vs. esquecimento, instituinte vs. instituído: a luta pela anistia ampla, geral e irrestrita. In: SILVA, Haike R. Kleber (Org.). A luta pela anistia. São Paulo: UNESP; Arquivo Público do Estado de São Paulo; Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2009, p. 193-214.

GREEN, James. Apesar de vocês: oposição à ditadura brasileira nos Estados Unidos, 1964-1985. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

HEMEROTECA – APEJE. Diario de Pernambuco, 18/04/1979, Capa.

HEMEROTECA – APEJE. Diario de Pernambuco, 01/07/1979, Capa.

HEMEROTECA – APEJE. Diario de Pernambuco, 02/07/1979, Política, p. 3.

HEMEROTECA – APEJE. Diario de Pernambuco, 03/07/1979, Política, p. 4.

HEMEROTECA – APEJE. Diario de Pernambuco, 01/08/1979, Cidade, p. 3.

HEMEROTECA – APEJE. Diario de Pernambuco, 02/08/1979, Política, p. 3.

HEMEROTECA – APEJE. Diario de Pernambuco, 05/08/1979, Política, p. 3.

HEMEROTECA – APEJE. Diario de Pernambuco, 08/08/1979, Política, p. 4.

HEMEROTECA – APEJE. Diario de Pernambuco, 12/08/1979, Política, p. 3.

HEMEROTECA – APEJE. Diario de Pernambuco, 15/08/1979, Política, p. 2.

HEMEROTECA – APEJE. Diario de Pernambuco, 19/08/1979, Capa.

HEMEROTECA – APEJE. Diario de Pernambuco, 19/08/1979, Política, p. 6.

HEMEROTECA – APEJE. Diario de Pernambuco, 22/08/1979, Capa.

HEMEROTECA – APEJE. Diario de Pernambuco, 22/08/1979, Política, p. 2-3.

HEMEROTECA – APEJE. Diario de Pernambuco, 23/08/1979, Capa.

HEMEROTECA – APEJE. Diario de Pernambuco, 23/08/1979, Opinião, p. 11.

HEMEROTECA – APEJE. Jornal do Commercio, 17/04/1979, Caderno I, p. 5.

HEMEROTECA – APEJE. Jornal do Commercio, 18/04/1979, Capa.

HEMEROTECA – APEJE. Jornal do Commercio, 19/04/1979, Capa.

HEMEROTECA – APEJE. Jornal do Commercio, 01/05/1979, Capa e Caderno I, p. 3

HEMEROTECA – APEJE. Jornal do Commercio, 10/05/1979, Caderno I, p. 3.

HEMEROTECA – APEJE. Jornal do Commercio, 18/05/1979, Cidade, p. 9.

HEMEROTECA – APEJE. Jornal do Commercio, 19/05/1979, Cidade, p. 5.

HEMEROTECA – APEJE. Jornal do Commercio, 31/05/1979, Cidade, p. 6.

HEMEROTECA – APEJE. Jornal do Commercio, 29/06/1979, Política, p. 3.

HEMEROTECA – APEJE. Jornal do Commercio, 01/08/1979, Polícia, p. 23.

MAUAD, Ana Maria. Através da imagem: fotografia e história interfaces. Revista Tempo, Rio de Janeiro, v. 1, n. 2, p. 73-98, 1996.

MIRANDA, Nilmário; TIBÚRCIO, Carlos. Dos filhos deste solo. Mortos e desaparecidos políticos durante a ditadura militar: a responsabilidade do Estado. 2. ed. São Paulo: Ed. Perseu Abramo, 2008.

MENDES, Ricardo Antonio Souza. Ditaduras civil-militares no Cone Sul e a Doutrina de Segurança Nacional – algumas considerações sobre a historiografia. Revista Tempo e Argumento, Florianópolis, v. 5, n. 10, p. 06-38, jul./dez 2013.

NAPOLITANO, Marcos Napolitano. 1964: história do regime militar brasileiro. São Paulo: Contexto, 2014.

PORTO, Fabiola Brigante Del. A luta pela anistia no regime militar brasileiro: a constituição da sociedade civil no país e a construção da cidadania. 2002, 134f. Dissertação (Mestrado em Ciência Política) – UNICAMP, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Campinas, 2002.

PORTO, Fabiola Brigante Del. A luta pela anistia no regime militar brasileiro e a construção dos direitos de cidadania. In: SILVA, Haike R. Kleber (Org.). A luta pela anistia. São Paulo: UNESP; Arquivo Público do Estado de São Paulo; Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2009, p. 59-79.

REGO, Antônio Carlos Pojo do. O congresso brasileiro e o regime militar (1964-1985). Rio de Janeiro: FGV, 2008.

RODEGHERO, Carla Simone; DIENSTMANN, Gabriel; TRINDADE, Tatiana. Anistia ampla, geral e irrestrita: história de uma luta inconclusa. Santa Cruz do Sul: EDUNISC, 2011.

ROLLEMBERG, Denise. Exílio: entre raízes e radares. Rio de Janeiro; São Paulo: Record, 1999.

ROLLEMBERG, Denise. Nômades, sedentários e metamorfose: trajetórias de vida no exílio. In: REIS, Daniel Aarão; RIDENTI, Marcelo; MOTTA, Rodrigo Patto Sá. (Orgs). O golpe e a ditadura militar: quarenta anos depois (1964-2004). Bauru, SP: EDUSC, 2004, p. 277-296.

SÁ, Aybirê Ferreira de. Das ligas camponesas à anistia: memórias de um militante trotskista. Recife: Fundação de Cultura da Cidade do Recife, 2007. p. 261.

SILVA, Marcília Gama da. Informação, repressão e memória: a construção do Estado de exceção no Brasil na perspectiva do DOPS-PE (1964-1985), 2007, 266f. Tese (Doutorado em História) – UFPE, Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Recife, 2007.

SOARES, Thiago Nunes. O difícil combate: as pichações como um problema de ordem política e social em Recife durante a ditadura civil-militar. Revista Recôncavo, Rio de Janeiro, v. 5, n. 8, p. 72-95, jan./jun 2015.




DOI: http://dx.doi.org/10.5965/2175180308172016350

Contato:
Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC
Centro de Ciências Humanas e da Educação - FAED
Programa de Pós-Graduação em História - PPGH
Av. Madre Benvenuta, 2007 - Itacorubi - Florianópolis - SC
CEP: 88.035-001            Telefone: (48) 3664-8585
tempoeargumento@gmail.com