A educação na sociedade rural e o curso agrícola para rapazes brasileiros na Polônia (1918 – 1938)

Alcione Nawroski

Resumo


O artigo trata da educação de jovens brasileiros, filhos de imigrantes, na Polônia, entre os anos de 1937 e 1938. O estudo parte dos antecedentes de pesquisas realizadas em torno da educação rural no Brasil, iniciadas por volta de 1917/1918, pelo pensamento de um dos intelectuais da educação deste período, Antônio Carneiro Leão. O objetivo consiste em analisar as relações entre Brasil e Polônia no que tange à educação dos imigrantes trabalhadores rurais, especialmente no período mencionado. O corpus documental constituirá de jornais e documentos oficiais, encontrados na Biblioteca da Universidade de Cracóvia e no Arquivo de Atas Novas em Varsóvia. Por fim, o resultado mostra que as proposições apresentadas inicialmente por Carneiro Leão sobre a educação na sociedade rural são correligionárias com o que encontramos nas fontes documentais que dialogam entre os dois países no período evidenciado e que, portanto, sinalizam uma vocação agrícola para o Brasil.

Palavras-chave: Educação rural; Poloneses; Brasil; História. 


Texto completo:

PDF

Referências


CARNEIRO LEÃO, Antônio. (1939). A Sociedade Rural: seus problemas e sua educação. Rio de Janeiro: Editora S.A. A Noite.

CARNEIRO LEÃO, Antônio. (1918). O Brazil e a educação popular. 2. ed. Rio de Janeiro: Jornal do Commercio.

CARR, Edward. (1996). Que é história? São Paulo: Paz e Terra.

MAZUREK, Jerzy. (2016). A Polônia e seus emigrados na América Latina (até 1939). Trad. Mariano Kawka. Goiânia: Editora Espaço Acadêmico.

Quando falavam polonês, precisavam ajoelhar-se nas pedras. Entrevista com a jornalista e escritora Tereza Kaczorowska. (2010, 17 de fevereiro). Wiadomosci. Jornal Online. Disponível em: https://wiadomosci.wp.pl/gdy-odezwali-sie-po-polsku-musieli-kleczec-na-kamieniach-6082133783196801a. Acessado em 25 de janeiro de 2019.

WYWIAŁ. Przemysław; (2012). Towarzystwo Wychowania Fizycznego ’Junak’ w Brazylii, 1923-1938. Przegląd Historyczno-Wojskowy. Nº 13. (64)/1 (239) p. 198-210.




DOI: https://doi.org/10.5965/2175180311282019067