As “origens” dos Maracatus-Nação do Recife: uma história linear e sem transformações?

Ivaldo Marciano França Lima

Resumo


O presente texto objetiva discutir as perspectivas assumidas por alguns estudiosos dos maracatus-nação que estabeleceram suas origens como resultantes da coroação dos reis e rainhas do Congo. Na sequência, o artigo versa sobre a influência do conceito de tradição em trabalhos de diferentes autores dedicados ao tema e à construção da representação dos maracatus-nação baseada na ideia de estabilidade, ou seja, de ausência de mudanças na manifestação cultural. Para concluir, a análise mostra outras manifestações culturais assemelhadas e a maneira como estas sugerem outras dinâmicas no processo de constituição das práticas e costumes culturais.

Palavras-chave: Maracatu-Nação. Práticas Culturais. Cambindas. Congos. Aruendas. Pretinhas do Congo.


Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Renato. História da música brasileira. Rio de Janeiro: F. Briguiet $ Comp, 1942.

ALVARENGA, Oneyda. Maracatu. In: Música Popular Brasileira. Porto Alegre: Globo, 1950.

ANDRADE, Mário. A calunga dos maracatus. In: Danças dramáticas do Brasil. 2º tomo. Belo Horizonte / Brasília: Ed. Itatiaia / INL / Fundação Nacional Pró-memória, 1982.

BASTIDE, Roger. O candomblé da Bahia. São Paulo: Cia das Letras, 2001. [1958].

CHARTIER, Roger. À beira da falésia: a história entre certezas e inquietude. Porto Alegre: Ed. Universidade/ UFRGS, 2002.

CHARTIER, Roger. A História cultural entre práticas e representações. Lisboa: Difel, 1990.

CUNHA, Maria Clementina Pereira da. Ecos da Folia. Uma história social do carnaval carioca entre 1880 e 1920. São Paulo: Cia das Letras, 2001.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, 1984.

GONÇALVES, José Reginaldo Santos. A retórica da perda. Rio de Janeiro: Ed. UFRJ/ IPHAN, 2002.

LIMA, Ivaldo Marciano de França. Maracatu nação e grupos percussivos: diferenças, conceitos e Histórias. História: Questões & Debates, Curitiba, n. 61, p. 303-328, jul./dez. 2014.

LIMA, Ivaldo Marciano de França. Mas, o que é mesmo maracatu nação? Salvador: EDUNEB, 2013.

MOTTA, Roberto. Religiões afro-recifenses: ensaios de classificação. Revista Antropológicas, ano II, v. 2, série religiões populares, Recife: Ed. UFPE, p. 11 – 34, 1997.

PEIXE, Guerra. Maracatus do Recife. Recife: Prefeitura da Cidade do Recife/ Irmãos Vitale, 1980, 2ª edição. [1955].

SALLES, Sandro Guimarães de. À sombra da jurema: a tradição dos mestres juremeiros na umbanda de Alhandra. Anthropólogicas, ano 08, v. 15, p. 99 – 122, 2004.

SOUZA, Marina de Mello e. Reis negros no Brasil escravista – História da festa de coroação de rei de Congo. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2002.

VILHENA, Luís Rodolfo. Projeto e missão. O movimento folclórico brasileiro (1947-1964). Rio de Janeiro: Funarte/FGV, 1997.




DOI: https://doi.org/10.5965/2175180311272019255

Contato:
Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC
Centro de Ciências Humanas e da Educação - FAED
Programa de Pós-Graduação em História - PPGH
Av. Madre Benvenuta, 2007 - Itacorubi - Florianópolis - SC
CEP: 88.035-001            Telefone: (48) 3664-8585
tempoeargumento@gmail.com