Necropolítica da memória escrava no Brasil pós-abolição

Murilo Duarte Costa Corrêa, Cainã Domit Vieira

Resumo


A partir dos usos necropolíticos da memória escrava no Brasil pós-abolição, este ensaio analisa a figura do escravo como um ponto de singularização e acúmulo de uma série de tecnologias de poder (soberanas, pré, proto e ultradisciplinares, bio e necropolíticas) que poderiam oferecer uma grade de inteligibilidade para compreender a governamentalidade colonial e suas relações paradoxais com a abolição e a liberdade. Convocando as relações entre memória, história e intempestivo, e por meio da articulação entre textos do pensamento político ocidental antigo, moderno e contemporâneo, propomos descrever de forma interdisciplinar as relações entre o escravo e o fundamento da autoridade política como lógica de necropoder subterrânea que atravessa as figuras aparentemente díspares do escravo, do imigrante europeu, do trabalhador livre e do empresário de si neoliberal. Conclui-se que o desaparecimento da forma-escravo antiga e colonial não determina o fim da lógica escravista, mas sua difusão generalizada na figura de um escravo informe a que os trabalhadores livres, empresários de si mesmos e imigrantes dão consistência hoje.

Palavras-chave: Memória. Tempo presente. Escravidão. Abolição. Necropolítica.

Texto completo:

PDF

Referências


AGAMBEN, Giorgio. Homo sacer: o poder soberano e a vida nua I. Tradução de Henrique Burigo. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2007.

_____. Infância e história: destruição da experiência e origem da história. Tradução de Henrique Burigo. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2008.

_____. O uso dos corpos (Homo sacer IV, 2). Tradução de Selvino J. Assmann. São Paulo: Boitempo, 2017.

AREND, S. M. F.; MACEDO, F. Sobre a história do tempo presente: Entrevista com o historiador Henry Rousso. Tempo e Argumento. Revista do Programa de Pós-Graduação em HIstória (UDESC). Florianópolis, v. 1, n. 1, p. 201-216, jan./jun. 2009

ARENDT, Hannah. A condição humana. 11 ed. Tradução de Roberto Raposo. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010.

ARISTOTE. Les politiques. Traduit par Pierre Pellegrin. Paris: Flammarion, 1993.

BALÁN, Jorge. Migrações e desenvolvimento capitalista no Brasil: ensaio de interpretação histórico-comparativa. In: Estudos Cebrap. n. 5, julho-agosto-setembro. São Paulo: Editora Brasileira de Ciências Ltda., 1973.

BÉDARIDA, François. Tempo presente e presença da história. In: FERREIRA, Marieta de M.; AMADO, Janaína. Usos e abusos da história oral. 5.ed. Rio de Janeiro: Ed. FGV, 2002.

CARDOSO, Fernando Henrique. Capitalismo e escravidão no Brasil meridional. São Paulo: Difusão Europeia do Livro, 1962.

COSTA, Emília Viotti da. A abolição. 9. ed. São Paulo: Editora Unesp, 2010.

DARDOT, Pierre; LAVAL, Christian. A nova ordem do mundo: ensaio sobre a sociedade neoliberal. Tradução de Mariana Echalar. São Paulo: Boitempo, 2016.

DELEUZE, Gilles. Conversações. Tradução de Peter Pál Pelbart. São Paulo: Editora 34, 2008.

DOMINGUES, Petrônio José. Negros de almas brancas? A ideologia do branqueamento no

interior da comunidade negra em São Paulo, 1915-1930. Estud. afro-asiát., Rio de Janeiro, v. 24, n. 3, p. 563-600, 2002. Disponível em: . Acesso em: 28.abr. 2018.

FERNANDES, Florestan. A integração do negro na sociedade de classes. vol. 1. 5.ed. São Paulo: Globo, 2008.

_____. Circuito fechado: quatro ensaios sobre o “poder institucional”. 2. ed. São Paulo: Hucitec, 1979.

__________. O negro no mundo dos brancos. São Paulo: Difusão Europeia do Livro, 1972.

FRANCO, Maria Sylvia de Carvalho. Homens livres na ordem escravocrata. 4. ed. São Paulo: Fundação Editora da Unesp, 1997.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade I: a vontade de saber. 19 ed. Tradução de Maria Thereza da Costa Albuquerque e J. A. Guilhon Albuquerque. Rio de Janeiro: Graal, 2009.

_____. Segurança, território, população. Tradução de Eduardo Brandão. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

HEGEL, Friedrich Wilhelm. Princípios da filosofia do direito. Tradução de Orlando Vittorino. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

HOBBES, Thomas. Do cidadão. Tradução de Renato Janine Ribeiro. São Paulo: Martns Fontes, 2002.

_____. Leviathan, or the matter, forme and power of a common-wealth ecclesiastical and civil. London: Penguin Books, 2017.

HOBSBAWM, Eric J. Un historien et son temps présent. In: INSTITUT d’Histoire du Temps Présent. Ecrire l’histoire du temps présent. Paris: CNRS Ed., 1993.

HOLANDA, Sérgio Buarque de. Raízes do Brasil. 27. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2014.

LAPOUJADE, David. Puissances du temps: versions de Bergson. Paris: Les Éditions de Minuit, 2010.

LAZZARATO, Maurizio. O governo do homem endividado. Tradução de Daniel P. P. Da Costa. São Paulo: n-1 edições, 2017.

LOCKE, John. Dois tratados sobre o governo. Tradução de Julio Fischer. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

MARX, Karl. O capital. Crítica da economia política (Livro I). 35 ed. Tradução de Reginaldo Sant’Anna. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2017.

MBEMBE, Achille. Crítica da razão negra. Tradução de Sebastião Nascimento. São Paulo: n-1 edições, 2018a.

_____. Necropolítica. Biopoder, soberania, estado de exceção, política da morte. Tradução de Renata Santini. São Paulo: n-1 edições, 2018b.

MONTESQUIEU, Charles de Secondat. O espírito das leis. 3. ed. Tradução de Cristina Murachco. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

NANCY, Jean-Luc. L’impératif catégorique. Paris: Flammarion, 1983.

NEGRI, Antonio; COCCO, Giuseppe. GlobAL: biopoder e lutas em uma América Latina globalizada. Rio de Janeiro: Record, 2005.

NIETZSCHE, Friedrich Wilhelm. De l’utilité et des inconvénients de l’histoire pour la vie. In: Considérations inactuelles I et II. Traduit par Pierre Rusch. Paris: Gallimard, 1990, p. 91-169.

PRADO JÚNIOR, Caio. História econômica do Brasil. 41. ed. São Paulo: Brasiliense, 1994.

RANCIÈRE, Jacques. O deentendimento: política e polícia. Tradução de Abgela Leite Lopes. São Paulo: Editora 34, 1996.

RICŒUR, Paul. A memória, a história, o esquecimento. Tradução de Alain François et al. Campinas: Editora UNICAMP, 2007.

VITÓRIA, Francisco. Os índios e o direito da guerra. Tradução de Ciro Mioranza. Ijuí: Editora Unijuí, 2006.




DOI: http://dx.doi.org/10.5965/2175180311262019368

Contato:
Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC
Centro de Ciências Humanas e da Educação - FAED
Programa de Pós-Graduação em História - PPGH
Av. Madre Benvenuta, 2007 - Itacorubi - Florianópolis - SC
CEP: 88.035-001            Telefone: (48) 3664-8585
tempoeargumento@gmail.com