A construção da ética do convívio ecossustentável pelo ambientalista José Lutzenberger (1971-2002)

Elenita Malta Pereira

Resumo


Este artigo tem como objetivo apresentar a ética do convívio ecossustentável, divulgada pelo engenheiro agrônomo brasileiro José Lutzenberger (1926-2002), ao longo de sua militância ambientalista. São analisados autores e obras lidos por Lutzenberger, considerados influentes na sua discussão sobre ética e meio ambiente. Argumenta-se que ele se apropriou dessas leituras, de forma a construir uma nova ética ecológica em contraponto às éticas antropocêntricas que compõem a corrente dominante. A partir do estudo da obra e da biografia de Lutzenberger, o artigo apresenta os dez princípios fundamentais dessa ética, que, mesmo apoiada em éticas ambientais biocêntricas já existentes, constitui, em seu conjunto, uma formulação original para guiar a humanidade em suas relações com a natureza.

 

Palavras-chave: Lutzenberger, José A. (José Antonio), 1926-2002. Ética do Convívio Ecossustentável. Ética ambiental. História Ambiental. Biografia.


Texto completo:

PDF

Referências


BOURDIEU, Pierre. A ilusão biográfica. In: FERREIRA, Marieta, AMADO, Janaina. Usos e abusos da história oral. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2005.

CALLICOTT, J. Baird. A ética da terra. In: JAMIESON, Dale (Coord.). Manual de filosofia do ambiente. Lisboa: Instituto Piaget, 2005.

CALLICOTT, J. Baird. Ética do meio ambiente. In: CANTO-SPERB, Monique. Dicionário de etica e filosofia moral. São Leopoldo: Editora da Unisinos, 2007.

CAPRA, Frijof. A teia da vida: uma nova compreensão científica dos sistemas vivos. São Paulo: Cultrix, 2006.

CARSON, Rachel. Primavera silenciosa. São Paulo: Melhoramentos, 1964.

CARVALHO, Ely Bergo. A história ambiental e a "crise ambiental" contemporânea: um desafio político para o historiador. Esboços, Florianópolis, v. 11, n. 11, p. 105-116, 2004.

CHARTIER, Roger. À beira da falésia: a história entre certezas e inquietude. Porto Alegre: Ed. da UFRGS, 2002.

DALY, Herman. A economia do século XXI. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1984.

FOX, Warwick. Toward a transpersonal ecology: developing new foundations for environmentalism. New York: State University of New York Press, 1995.

ILLICH, Ivan. Tools for conviviality. New York: Harper & Row, 1973.

ILLICH, Ivan. Energia y equidade: desempleo creador. México-DF: Joaquim Mortiz, 1985.

JONAS, Hans. O princípio responsabilidade. Rio de Janeiro: Editora Contraponto, 2006.

JUNGES, José Roque. (Bio) ética ambiental. São Leopoldo: Editora da Unisinos, 2010.

LEAR, Linda. Rachel Carson: witness for nature. New York: Mariner Books, 2009.

LEOPOLD, Aldo. Pensar como uma montanha: a sand county almanac. Águas Santas,: Edições Sempre-em-pé, 2008.

LUTZENBERGER, José. Por uma ética ecológica. Correio do Povo, Porto Alegre, 29 ago. 1971, p. 22.

LUTZENBERGER, José. Ecologia, ciência da sobrevivência. Correio do Povo, Porto Alegre, 17 dez. 1972, p. 18.

LUTZENBERGER, José. Palestra em Santa Catarina, 25 set. 1977. Manuscrito.

LUTZENBERGER, José. Manifesto ecológico brasileiro fim do futuro? 3. ed. Porto Alegre: Editora Movimento, 1980.

LUTZENBERGER, José. Haia: Países Baixos. 02 set. 1981. Manuscrito.

LUTZENBERGER, José. A visão global do saneamento nas cidades. Recife-PE, 11 set. 1984. Manuscrito de Palestra.

LUTZENBERGER, José. Do jardim ao poder. Porto Alegre: L&PM, 1985.

LUTZENBERGER, José. [Entrevista cedida a] João Batista Aguiar. Depoimento sobre o início da Agapan. Porto Alegre, 11 mar. 1986. 9 páginas impressas.

LUTZENBERGER, José. O modelo liberal-consumista perante o desafio ecológico. Palestra aos membros da Associação Scott Bader. Wollaston-Inglaterra, 24 set. 1988. Manuscrito.

LUTZENBERGER, José. Gaia: o planeta vivo. Porto Alegre: L&PM, 1990.

LUTZENBERGER, José. Reverência pela vida. Rio Pardo: Fundação Gaia, [199-]. Disponível em: http://www.fgaia.org.br/texts/t-klabin2.html. Acesso em: 15 dez. 2011.

LUTZENBERGER, José. Garimpo ou gestão: crítica ecológica ao pensamento econômico. Porto Alegre: Pelo Planeta Associados, 2009.

MARTÍNEZ-ALIER. O Ecologismo dos pobres. São Paulo: Contexto, 2007.

MATHEWS, Freya. Ecologia profunda. In: JAMIESON, Dale (Coord.). Manual de filosofia do ambiente. Lisboa: Instituto Piaget, 2005.

MEDEIROS, Emanuel Oliveira. Pensar como uma montanha de Aldo Leopold: um caminho de educação e ética ambiental. Açores: Amigos dos Açores, 2008.

MORAES, Gustavo Inácio; SERRA, Maurício. A importância e a atualidade do pensamento de E.F. Schumacher. Ensaios FEE, Porto Alegre, v. 26, n. 2, p. 1019-1040, nov. 2005.

NAESS, Arne. The shallow and the deep, long-range ecology movement: a summary. Inquiry, v.16, n. 1, p. 95-100, 1973. Disponível em: http://www.ecology.ethz.ch/education/Readings_stuff/ Naess_1973.pdf. Acesso em 26 nov. 2012.

NASH, Roderick. The rights of nature. Wisconsin: The University of Wisconsin Press, 1989.

PÁDUA, José Augusto. As bases teóricas da história ambiental. Estudos Avançados, São Paulo, v. 24, n. 68, 2010.

PARIZEAU, Marie-Heléne. Ética Aplicada. As relações entre filosofia moral e ética aplicada. In: CANTO-SPERB, Monique. Dicionário de Ética e Filosofia Moral: vol. 1. São Leopoldo: Editora da Unisinos, 2007.

PEPPER, David. Ambientalismo moderno. Lisboa: Instituto Piaget, 2000.

PEREIRA, Elenita Malta. A ética da convivência ecossustentável: uma biografia de José Lutzenberger. Porto Alegre, RS. Tese de Doutorado. PPG História. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto alegre, 2016a.

PEREIRA, Elenita Malta. Lutzenberger e a materialização da ética ecológica: o Parque Estadual da Guarita (Torres-RS, 1972-1979). MÉTIS: história & cultura, v. 15, n. 30, p. 68-89, jul./dez. 2016b.

RIBOLDI, Marilice. Lutzenberger: é preciso pensar no futuro de Gaia. Caderno de Domingo NH e VS, Novo Hamburgo e São Leopoldo, 05/06/1988, p. 6-7.

SCHUMACHER, E. F. O negócio é ser pequeno: um estudo de economia que leva em conta as pessoas. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1983.

SCHWEITZER, Albert. Decadência e regeneração da cultura. São Paulo: Melhoramentos, 1964.

SCHWEITZER, Albert. Albert Schweitzer por ele mesmo. São Paulo: Martin Claret, 1995.

SIQUEIRA, Josafá Carlos de. Ética e meio ambiente. São Paulo: Edições Loyola, 2002.

UMAÑA, Wilson Picado. Los significados de la revolución: semántica, temporalidad y narrativa de la Revolución Verde. HALAC - História Ambiental Latino-americana e Caribenha,v. 3, n. 2, p. 490-521, 2014.

WHITE Jr., Lynn. Raízes históricas da nossa crise ecológica. Pensamento Ecológico, São Paulo, n. 13, jul. 1981.

WORSTER, Donald. Living in nature: biography and environmental history. In: MYLLYNTAUS, Timo. Thinking though the environment. Cambridge: The White Horse Press, 2011a.

WORSTER, Donald. Nature’s economy: a history of ecological ideas. 2nd. ed. Cambridge-UK: Cambridge University Press, 2011b.

WORSTER, Donald. Para fazer história ambiental. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 4, n. 8, p. 198-215, 1991.




DOI: http://dx.doi.org/10.5965/2175180311262019007

Contato:
Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC
Centro de Ciências Humanas e da Educação - FAED
Programa de Pós-Graduação em História - PPGH
Av. Madre Benvenuta, 2007 - Itacorubi - Florianópolis - SC
CEP: 88.035-001            Telefone: (48) 3664-8585
tempoeargumento@gmail.com