Frozen empires

Hermes Andrade Júnior

Resumo


Desde o início do século XX, Argentina, Grã-Bretanha e Chile fizeram reivindicações de soberania sobrepostas, enquanto os Estados Unidos e a Rússia reservaram direitos para todo o continente. O meio ambiente tem estado no centro dessas disputas pela soberania, colocando a Península Antártica em uma fascinante interseção entre a história diplomática e a história ambiental. Tem havido uma continuidade fundamental nos modos pelos quais as potências imperiais usaram o ambiente para apoiar suas reivindicações políticas na região da Península Antártica. Autoridades britânicas argumentaram que a produção de conhecimento científico útil sobre a Antártica ajudou a justificar a posse britânica. A Argentina e o Chile argumentaram que a Península Antártica pertencia a eles como resultado da proximidade geográfica, da continuidade geológica e de um senso geral de conexão. Apesar de vários desafios e reivindicações, no entanto, nunca houve uma genuína descolonização da região da Península Antártica. O livro sugere que a ciência, a política e o meio ambiente foram inextricavelmente conectados ao longo da história da região da Península Antártica - e permanecem assim - e mostra como o prestígio político sob o disfarce de conduzir "ciência pelo bem da humanidade" continua a influenciar negociações climáticas internacionais.

Texto completo:

PDF

Referências


PYNE, Stephen J. The Ice. London: Weidenfeld & Nicolson, 2003.




DOI: http://dx.doi.org/10.5965/2175180310262019616

Contato:
Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC
Centro de Ciências Humanas e da Educação - FAED
Programa de Pós-Graduação em História - PPGH
Av. Madre Benvenuta, 2007 - Itacorubi - Florianópolis - SC
CEP: 88.035-001            Telefone: (48) 3664-8585
tempoeargumento@gmail.com