Bravas e insubmissas: mulheres e gênero na literatura memorialista do sertão norte-mineiro

Cláudia Maia

Resumo


Neste artigo, busco entender a construção de representações sobre mulheres e gênero no sertão norte-mineiro nas primeiras décadas do século XX, a partir das memórias autobiográficas de Cyro dos Anjos, em A Menina do Sobrado, e de Darcy Ribeiro, no livro Confissões. Argumento que, apesar do patriarcalismo que governa as relações, os papéis de gênero, nessa região, não eram tão fixos, e as mulheres não estavam submetidas a um modelo de comportamento baseado no que podemos chamar de domesticidade burguesa, em que são valorizados certos aspectos, como fragilidade, passividade e submissão.

 

Palavras-chave: Mulheres. Minas Gerais. História. Gênero.

Texto completo:

PDF

Referências


AGUIAR, Cynara Silde Mesquita Veloso. Coronelismo em São João da Ponte (1946-1996). Montes Claros: Unimontes, 2002.

AMADO, Janaina. Região, sertão, nação. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v.8, n.15, 1995, p.145-151.

ANJOS, Cyro. A menina do sobrado. Rio de Janeiro; Belo Horizonte: Garnier, 1994.

ANJOS, Cyro. O amanuense Belmiro. 16 ed. Belo Horizonte: Garnier, 2001.

BESSE, Susan K. Modernizando a desigualdade: reestruturação da ideologia de gênero no Brasil (1914-1940). Trad. Lólio Lourenço de Oliveira. São Paulo: Endusp, 1999.

BORGES, Telma. Mulheres que desenredam a tradição no sertão de Guimarães Rosa: uma leitura de “A vela ao diabo” e ‘Desenredo”. In: MAIA, Cláudia; PUGA, Vera (Orgs.) História das mulheres e do gênero em Minas Gerais. Florianópolis: Ed. Mulheres, 2015, p.243-253.

BOTELHO, Ângela; ANASTASIA, Carla. D. Maria da Cruz e a sedição de 1736. Belo Horizonte: Autêntica, 2012.

BOURDIEU, Pierre. A ilusão biográfica. In: FERREIRA, Marieta de Moraes; AMADO, Janaína (Orgs.). Usos & abusos da história oral. 8. ed. Rio de Janeiro: FGV, 2006, p.183-192.

CARNEIRO, Maria Elizabeth Ribeiro. Procuram-se Amas-de-leite na historiografia da escravidão: da “suavidade do leito-preto” ao “fardo” dos homens brancos. Em tempo de História. Brasília, UnB, v.5, n.5, p.29-64, 2001.

CORRÊA, Mariza Repensando a família patriarcal. In: ALMEIDA, Maria Suely Kofes (Org). Colcha de retalhos: estudos sobre a família no Brasil Campinas: UNICAMP, 1994, p.15-34.

COSTA, Jurandir Freire. Ordem médica e norma familiar. 4 ed. Rio de Janeiro: Graal, 1999.

COSTA, Suely Gomes. Proteção social, maternidade transferida e lutas pela saúde reprodutiva. Estudos Feministas, Florianópolis, n.2, 2002, p. 301-323.

COUTINHO, Nazinha. Maria Clara. Rio de Janeiro: Dois Irmãos, 1978.

D’INCAO, Maria Ângela. Mulher e família burguesa. In: PRIORE, Mary Del. História das mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto, 1997, p.223-240.

FÁVERO, Afonso Henrique. As memórias de Cyro dos Anjos. Revista da ANPOLL, n.2, p.9-25, 1996.

FIGUEIREDO, Augusta. Maria da Cruz e o Velho Chico. 4 ed. [S.l. : S.n.],1994.

FOUCAULT, Michel. O sujeito e o poder. In: DREYFUS, Hubert; RABINOW, Paul. Michel Foucault: uma trajetória filosófica para além do estruturalismo e da hermenêutica. 2. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1995, p.231-250.

GARDNER, George. Viagem ao interior do Brasil. Belo Horizonte: Itatiaia, 1975.

JODELET, Denise. Representações sociais: um domínio em expansão. In: JODELET, Denise (Org.). As representações sociais. Rio de Janeiro: Eduerj, 2001, p. 17-44.

LAURETIS, Teresa de. A Tecnologia do gênero. Tad. de Suzana Funck. In: BUARQUE DE HOLLANDA, Heloisa. Tendências e impasses: o feminismo como crítica da cultura. Rio de Janeiro: Rocco, 1994, p. 206-242.

LE GOFF, Jacques. Documento/monumento. In: LE GOFF, Jacques. História e memória. 5 ed. Trad. Bernardo Leitão et al.. Campinas: Unicamp, 2003, p.525-541.

LEJEUNE, Philippe. Autobiografia e ficção. In: LEJEUNE, Philippe. O pacto autobiográfico: de Rousseau à Internet. Belo Horizonte: UFMG, 2008, p.103-112.

MAIA, Cláudia Jesus. A invenção da solteirona: conjugalidade moderna e terror moral – Minas Gerais (1890-1948). Florianópolis: Ed. Mulheres, 2011.

MALUF, Marina; MOTT, Maria Lúcia. Recônditos do mundo feminino. In: NOVAIS, Fernando (Org.) História da vida privada no Brasil. v.3. São Paulo: Companhia das Letras, 1998, p.365-421.

MAURÍCIO, Milene Coutinho. Emboscada de bugres: Tiburtina e a revolução de 1930. Belo Horizonte: Secretaria de Estado da Cultura: Imprensa Oficial, 1986.

NASCIMENTO, Maria de Fátima Gomes Lima. Tiburtina de Andrade Alves: entre as relações de poder e as representações sociais de uma mulher (Montes Claros, primeira metade do século XX). 2004, 177f. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Severino Sombra, Vassoura (RJ), 2004.

NASCIMENTO, Maria de Fátima Gomes Lima; REIS, Filomena Luciene Cordeiro. Dona Tiburtina de Andrade Alves e a “tocaia dos bugres” no sertão nortemineiro”. In: MAIA, Cláudia; PUGA, Vera (Orgs.) História das mulheres e do gênero em Minas Gerais. Florianópolis: Ed. Mulheres, 2015, 213-242.

NORONHA, Gilberto Cézar de. Joaquina do Pompéu: Sinhá Braba ou Dama do Sertão? In: MAIA, Cláudia; PUGA, Vera (Orgs.). História das mulheres e do gênero em Minas Gerais. Florianópolis: Ed. Mulheres, 2015, p.183-212.

OLIVEIRA, Geuvana Vieira de. A representação feminina nos romances de Cyro dos Anjos. Belo Horizonte, MG, 2011. 105 f. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2011.

PAULA, Hermes Augusto. de. Montes Claros sua história sua gente seus costumes – Parte I. Montes Claros: Unimontes, 2007. (Coleção sesquicentenária).

PERROT, Michelle. As mulheres ou os silêncios da história. Bauru: EDUSC, 2005.

QUINTANEIRO, Tânia. Retratos de mulher: o cotidiano feminino no Brasil sob o olhar de viageiros do século XIX. Petrópolis: Vozes, 1996.

RAGO, Margareth. Do cabaré ao lar: a utopia da cidade disciplinar, Brasil (1890-1930). Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1997.

RAGO, Margareth. Feminismo e subjetividade em tempos pós-modernos. In: COSTA, Cláudia L.; SCHIMIDT, Simone P. (Orgs.) Poéticas e políticas feministas. Florianópolis: Ed. Mulheres, 2004, p.31-42.

RODRIGUES, Alexandre. A rebelde do sertão: Maria da Cruz e o motim de 1736.Varia História, Belo Horizonte, v. 29, n. 50, p.453-475, maio/ago., 2013.

RIBEIRO, Darcy. Confissões. 2 ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1997.

SAINT-HILAIRE, Auguste. Viagens pelas Províncias do Rio de Janeiro e de Minas Gerais. Belo Horizonte: Itatiaia, 1975.

SANTOS, Rosana de Jesus. Entre elas: a violência de gênero de patroas contra domésticas – Montes Claros, 1961-1980. In: MAIA, Cláudia; CALEIRO, Regina C. (Orgs.) Mulheres, violência e justiça no norte de Minas. São Paulo: Annablume, 2012, p.189-214.

SEGATO, Rita Laura. O Édipo Brasileiro: a dupla negação de gênero e raça. In: STEVENS, Cristina (Org). Maternidade e feminismo: diálogos interdisciplinares. Florianópolis: Ed. Mulheres, 2007, p.141-170.

SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação e Realidade, v.20, p.71-100, Jul./Dez.,1995.

SILVEIRA, Yvonne; COLARES, Zéze. Montes Claros de ontem e de hoje. V.1. Montes Claros: Academia Montesclarense de Letras, 1995.

SOIHET, Rachel. Condição feminina e formas de violência: mulheres pobres e ordem urbana 1890-1920. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1989.

SOUZA, Cândice; BOTELHO, Tarcísio Rodrigues. Modelos nacionais e regionais de família no pensamento social brasileiro. Estudos Feministas. Florianópolis, v.9, n.2, 2001.

VASCONCELOS, Diogo. História média de Minas. Belo Horizonte: Imprensa Oficial, 1918.




DOI: https://doi.org/10.5965/2175180310252018358

Contato:
Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC
Centro de Ciências Humanas e da Educação - FAED
Programa de Pós-Graduação em História - PPGH
Av. Madre Benvenuta, 2007 - Itacorubi - Florianópolis - SC
CEP: 88.035-001            Telefone: (48) 3664-8585
tempoeargumento@gmail.com