Cazumbá no pós-abolição: Memória, identidade e “patrimônio imaterial” em São Gonçalo dos Campos, Bahia

José Bento Rosa da Silva

Resumo


O artigo é parte de uma pesquisa maior que investigou a trajetória de uma família de descendentes de africanos que, desde o século XIX, mantém o sobrenome familiar, malgrado o regime de escravidão que, entre outras coisas, “abortava” o nome de família dos africanos escravizados e seus descendentes. Este artigo analisa a trajetória de um desses descendentes no pós-abolição, a partir da documentação escrita disponível e das narrativas orais acerca dos Cazumbá.

 

Palavras-chave: Patrimônio Imaterial. Pós-Abolição. Família.


Texto completo:

PDF

Referências


FREIRE, Luiz Cleber Morais. Nem tanto ao mar, nem tanto à terra: agropecuária, escravidão e riqueza em Feira de Santana, 1850- 1888.Dissertação (Mestrado em História), Programa de Pós-Graduação em História (PPGH), Universidade Federal da Bahia (UFBA), Salvador, 2007.

LESSA, Luciana Falcão. Senhoras do Cajado: um estudo sobre a irmandade da Boa Morte de São Gonçalo dos Campos – Bahia (1900-1950). Dissertação (Mestrado em História), Programa de Pós-Graduação em História (PPGH), Universidade Federal da Bahia (UFBA), Salvador, 2005.

SILVA, Elizabete Rodrigues da. Fazer Charutos: uma atividade feminina. Dissertação (Mestrado em História). Programa de Pós-Graduação em História (PPGH), Universidade Federal da Bahia (UFBA), Salvador, 2001.

VERGER, Pierre. Fluxo e Refluxo: o tráfico de escravos entre o Golfo do Benin e a Bahia de Todos os SANTOS dos séculos XVIII e XIX. São Paulo:Corrupio, 1987.




DOI: http://dx.doi.org/10.5965/2175180310252018115

Contato:
Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC
Centro de Ciências Humanas e da Educação - FAED
Programa de Pós-Graduação em História - PPGH
Av. Madre Benvenuta, 2007 - Itacorubi - Florianópolis - SC
CEP: 88.035-001            Telefone: (48) 3664-8585
tempoeargumento@gmail.com