A formação do movimento feminista brasileiro: considerações a partir de narrativas de mulheres que militaram contra a ditadura civil-militar

Débora Strieder Kreuz

Resumo


A partir dos anos 1960, grande parte do mundo ocidental viu emergir novas formas de manifestação relacionadas com pautas até então consideradas secundárias.  No Brasil, contudo, vivíamos um momento conturbado politicamente, com a implantação, em 1964, de uma ditadura civil-militar que perdurou até 1985 e reprimiu violentamente toda e qualquer forma de resistência. Em meados da década de 1970, entretanto, iniciou-se a rearticulação de novos movimentos sociais, os quais, além da luta pelo retorno da democracia, inseriram novas discussões no cenário. O artigo se propõem a analisar, a partir de narrativas de militantes que atuaram em organizações clandestinas de combate a ditadura e posteriormente no movimento feminista, a maneira como este se organizou no país. Intentamos compreender a relação entre a participação em grupos revolucionários e a posterior militância feminista das narradoras. Para a análise dos relatos partimos de duas categorias analíticas principais: memória e gênero. A partir do que elenca a metodologia da História Oral temos acesso a memória das militantes, que é compreendida enquanto um processo de constante rearranjo em virtude das experiências vividas. Assim, o trabalho busca a compreensão da forma como o movimento feminista brasileiro de segunda onda se organizou, sobretudo a partir das vivências daquelas que lutaram contra o arbítrio ditatorial, partindo do pressuposto que tal experiência foi fundamental para a caracterização das suas especificidades.

 

Palavras-chave: Mulheres. Movimento Feminista Brasileiro. Gênero. Memória.


Texto completo:

PDF

Referências


DREIFUSS, René Armand. 1964: A Conquista do Estado. Ação Política, Poder e Golpe de Classe. Petrópolis: Vozes, 1981.

CANDAU, Joël. Memória e Identidade. São Paulo: Contexto, 2012.

ERGAS, Yasmine. O sujeito mulher. O feminismo dos anos 1960-1980. In: DUBY, Georges; PERROT, Michelle. História das Mulheres no Ocidente: o século XX. Porto: Edições Afrontamento, 1995, p.583-611.

GORENDER, Jacob. Combate nas Trevas. São Paulo: Ática, 1987.

LOZANO, Jorge Eduardo Aceves. Prática e estilos de pesquisa na história oral contemporânea. In: FERREIRA, Marieta de Moraes; AMADO, Janaína. Usos e abusos da história oral. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2006, 8ªed, p. 15-25.

MÉNDEZ, Natália Pietra. Com a palavra, o segundo sexo: percursos do pensamento intelectual feminista no Brasil dos anos 1960. 2008. 301f. Tese (Doutorado em História). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

PEDRO, Joana Maria. Narrativas fundadoras do feminismo: poderes e conflitos (1970-1978). Revista Brasileira de História. São Paulo, nº52, vol.26, dez 2006.

PEDRO, Joana Maria; WOLFF, Cristina Scheibe. As dores e delícias de lembrar a ditadura no Brasil: uma questão de gênero. História Unisinos. São Leopoldo, vol.15 (3); p. 398-405, set-dez/2011.

PEDRO, Joana Maria; WOLFF, Cristina Scheibe. Nosotras e o Círculo de Mulheres Brasileiras: feminismo tropical em Paris. ArtCultura. Uberlândia, v. 9, n. 14, p. 55-69, jan/jun.2007

PINTO, Céli Regina Jardim. Uma história do feminismo no Brasil. São Paulo: Perseu Abramo, 2003.

POLLAK, Michael. Memória e Identidade Social. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, vol.5, nº10, 1992, p.200-212.

PORTELLI, Alessandro. Tentando aprender um pouquinho. Algumas reflexões sobre a ética na história oral. Projeto História. São Paulo: PUC-SP, n.15, p.13-49, abril/1997, p.13-49.

RIBEIRO, Maria Rosa Dória. A construção das identidades feministas nos anos 1970. In: Seminário Internacional Fazendo Gênero, Florianópolis: 2010. Anais eletrônicos.

ROSA, Susel Oliveira da. Mulheres, ditaduras e memórias: “Não imagine que precise ser triste para ser militante. São Paulo: Intermeios; Fapesp, 2013.

SARTI, Cyntia Andersen. O feminismo brasileiro desde os anos 1970: revisitando uma trajetória. Revista de Estudos Feministas. Florianópolis: vol. 12, p.35-50, maio-agosto/2004.

SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação e realidade. Porto Alegre, vol. 20, nº2, p.71-99, jul/dez.1995.

SOIHET, Rachel. Feminismos e antifeminismos: mulheres e suas lutas pela conquista da cidadania plena. Rio de Janeiro: 7Letras, 2013.

TELES, Amelinha; LEITE, Rosalina Santa Cruz. Da guerrilha à imprensa feminista: a construção do feminismo pós-luta armada no Brasil (1975-1980). São Paulo: Intermeios, 2013.




DOI: http://dx.doi.org/10.5965/2175180310242018316

Contato:
Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC
Centro de Ciências Humanas e da Educação - FAED
Programa de Pós-Graduação em História - PPGH
Av. Madre Benvenuta, 2007 - Itacorubi - Florianópolis - SC
CEP: 88.035-001            Telefone: (48) 3664-8585
tempoeargumento@gmail.com