Sobre narrar a experiência e o outro: os riscos da xenía em "Meu Tio o Iauaretê"

Lorena Lopes da Costa

Resumo


O presente artigo busca discutir alguns aspectos da xenía [hospitalidade] e os desafios concernentes à tarefa do historiador, aqui entendido como xénos [hóspede/ anfitrião/ estrangeiro]. Nesta oportunidade, tendo então como objeto o conto "Meu tio o Iauaretê" de João Guimarães Rosa, privilegio observar os riscos da relação de hospitalidade que rondam a condição de ser xénos, tanto do anfitrião de um estrangeiro desconhecido quanto do estrangeiro na casa de um anfitrião desconhecido. Reflito também sobre a ameaça a que está sujeita a apreensão da experiência da xenía por parte dos xénoi, e, assim, a que está sujeito o retorno do estrangeiro.

 

Palavras-chave: Historiador. Historiografia. História e Literatura. Rosa, João Guimarães - 1908-1967.


Texto completo:

PDF

Referências


ASSUNÇÃO, Teodoro Rennó. "Lotófagos (Odisseia IX, 82-104): comida floral fácil e risco de desistência". Classica: Revista Brasileira de Estudos Clássicos, Rio de Janeiro, v.29, n.1, p. 273-294, jan./jun., 2016.

ÁVILA, Marcel Twardowsky; TREVISAN, Rodrigo Godinho. Jaguanheném: um estudo sobre a linguagem do Iauaretê. Revista Magma, São Paulo, n.12, p.297-335, jul./dez., 2015.

BENVENISTE, Emile. Le vocabulaire des institutions indo-européennes. 1. Économie, parenté, société. Paris: Les Éditions de Minuit, 1969.

CAMPOS, Haroldo de. “A linguagem do Iauaretê”. In: COUTINHO, Eduardo F. (Org.). Guimarães Rosa: Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1983, p.574- 579. (Fortuna Crítica, n° 6).

DERRIDA, Jacques. De l’hospitalité, Calmann-Lévy, 1997.

FINAZZI-AGRO, Ettore. Um lugar do tamanho do mundo: tempos e espaços da ficção em João Guimarães Rosa. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2001.

GAGNEBIN, Jeanne-Marie. Lembrar escrever esquecer. São Paulo: Editora 34, 2009.

GALVÃO, Walnice Nogueira. "O impossível retorno". In: GALVÃO, Walnice Nogueira. Mínima mímica: ensaios sobre Guimarães Rosa. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

HOMERI. Ilias: vols. 2–3. Ed. Allen, T.W. Oxford: Clarendon Press, 1931.

HOMERI. Odyssea. Ed. Peter von der Mühll, P. Basel: Helbing & Lichtenhahn, 1962.

HOMERO. Ilíada. Tradução de Frederico Lourenço. São Paulo: Penguin Classics; Companhia das Letras, 2013.

HOMERO. Odisseia. Tradução de Frederico Lourenço. São Paulo: Penguin Classics; Companhia das Letras, 2011.

LEVI, Primo. É isto um homem? Rio de Janeiro, Rocco, 1988.

COSTA, Lorena Lopes da. "Os Lotófagos da Odisseia ou sobre o esquecimento do retorno". Cadernos de Pesquisa do CDHIS, Uberlândia, v.30, n.2, s/p, jul./dez. 2017.

NOGUEIRA, Erich Soares. A voz indígena em “Meu tio o iauaretê". Nau Literária, Porto Alegre, v.9, n.2, p. 1-12, jul./dez. 2013.

RICOEUR, Paul. Tempo e narrativa. Campinas: Papirus, 1994.

RÓNAI, Paulo. "Nota introdutória". In: ROSA, João Guimarães. Estas estórias. 5. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2001.

ROSA, João Guimarães. “Meu tio o Iauaretê”. In: ROSA, João Guimarães. Estas estórias. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2015, p. 191-235.

ROSA, João Guimarães. Estas estórias. 5. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2001.

SILVA, Rafael. "Ópio e memória ou sobre o retorno do esquecimento". Cadernos de Pesquisa do CDHIS, Uberlândia, v.30, n.2, s/p, jul./dez. 2017.

SPIVAK, Gayatri. Pode o subalterno falar? Editora UFMG, Belo Horizonte, 2010.




DOI: https://doi.org/10.5965/2175180310242018201

Contato:
Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC
Centro de Ciências Humanas e da Educação - FAED
Programa de Pós-Graduação em História - PPGH
Av. Madre Benvenuta, 2007 - Itacorubi - Florianópolis - SC
CEP: 88.035-001            Telefone: (48) 3664-8585
tempoeargumento@gmail.com