O tempo que alcancei. Narrativas sobre o passado na comunidade Cafundá Astrogilda do Quilombo de Vargem Grande (RJ)

Luz Stella Rodríguez Cáceres

Resumo


Ao refletirem sobre o seu passado, as famílias que organizaram o Quilombo de Vargem Grande, no Rio de Janeiro, narram os acontecimentos com significado que tem marcado a história do grupo, estabelecendo uma temporalização que versa sobre os fatos considerados socialmente relevantes e estabelecendo marcos da memória coletiva que respondem aos interesses e preocupações dos atuais grupos familiares que moram no maciço da Pedra Branca. Nesta reflexão, o tempo apresenta sua natureza social, a partir da constatação de que o ritmo da vida coletiva informa as temporalidades que operam na sociedade. No caso apresentado, as mudanças não são marcadas por datas, mas por “tempos” que ao serem designados articulam espaços e modos de habitar, dentre outros elementos. Esse modo de refletir sobre os tempos que marcam sua história parte de situações concretamente vividas pelos moradores e seus ancestrais da área de estudo, mas também responde às condições sociais de produção das memórias.

 

Palavras-chave: Tempo. Temporalidade. Memória. Quilombos – Rio de Janeiro.


Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE FRANCO, José Luís de; DRUMMOND, José Augusto; CORRÊA, Armando Magalhães. Gente e natureza de um sertão quase metropolitano. História, Ciências, Saúde. Rio de Janeiro, v. 12, n. 3, p. 1033-1059, set/dez 2005.

ARRUTI, José Maurício. Quilombos. In: PINHO, Osmundo (Org.). Raça: Perspectivas Antropológicas. Campinas: ABA/Ed. Unicamp/EDUFBA, 2008.

BENJAMIN, Walter. Sobre alguns temas em Baudelaire. In: Walter Benjamin: obras escolhidas. São Paulo: Editora Brasiliense, 1989, p. 103-149.

CANDAU, Joel. Mémoire et Identité. Paris: PUF, 1998.

CONSELHO CONSULTIVO DO PARQUE. Posicionamento do Conselho Consultivo do Parque Estadual da Pedra Branca sobre a elaboração do Plano de Manejo. Disponível em: . Acesso em: 15 mar. 2016.

CORRÊA, Magalhães Armando. O Sertão Carioca. Rio de Janeiro: Edição do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, 1936.

DORIA, Júlio Cesar de Souza. Associativismo negro no Rio de Janeiro (1883-1920): cidade e campo. Rio de Janeiro: 2017. No prelo.

FERNANDEZ, Annelise. Do Sertão Carioca ao Parque Estadual da Pedra Branca: a construção social de uma unidade de conservação à luz das políticas ambientais fluminenses e da evolução urbana do Rio de Janeiro. 2009. Tese (Doutorado em Sociologia) – PPGAS/IFCS, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2009.

_______. O sertão virou parque: natureza, cultura e processos de patrimonialização. Estudos Históricos. Rio de Janeiro, v. 29, n. 57, p. 127-146, jan/abr 2016.

FONSECA, Maria Cecilia. Da modernização à participação. A política federal de preservação nos anos 70 e 80. Revista do Patrimônio Histórico, Artístico e Nacional, n. 24, p. 159, 1996

FRIDMAN, Fania. Donos do Rio em nome do Rei: uma história fundiária da cidade do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, Garamond, 1999.

GOMES, Flávio; DOMINGUES, Petrônio. Histórias dos quilombos e memórias dos quilombolas no Brasil: revisitando um diálogo ausente na Lei 10.639/031. Revista da ABPN. v. 5, n. 11, p. 5-28, jul/out 2013.

GOW, Peter. Of mixed blood: kinship and history in Peruvian Amazônia. Oxford: Claredon Press, 1991.

HALBWACH, Maurice. A memória coletiva. São Paulo: Centauro, 1989.

HARTOG, François. Regimes de historicidade. Presentismo e experiências do tempo. Belo Horizonte: Editorial Autêntica, 2013.

HONNETH, Axel. Luta por reconhecimento: a gramática moral dos conflitos sociais. São Paulo: Editora 34, 2003.

HUYSSEN, Andreas. Resistência à Memória: os usos e abusos do esquecimento público. Intercom, XXVII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicaçã Porto Alegre, 31 agosto 2004

LEVI-STRAUSS, Claude. O pensamento Selvagem São Paulo: Campinas 1989

MATTOS, Hebe. Remanescentes das comunidades dos quilombos: memória do cativeiro e políticas de reparação no Brasil. Revista USP. São Paulo: n. 68, p. 104-111, dez/fev 2005-2006.

PIETRAFESA DE GODOI, Emília. O trabalho da memória: cotidiano e história no sertão do Piauí. Campinas: Editora da Unicamp, 1999.

POLLAK, Michael. Memória, esquecimento, silêncio. Estudos Históricos. Rio de Janeiro: v. 2, n. 3, p. 3-15,1989.

SOARES, Luiz Eduardo. Campesinato: ideologia e política. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1981.

VIEGAS, Nonoto. O fim do sossego. Quilombola é atropelado por plano parque estadual. Revista Piauí out 2013.

Autor Do Caminho à Trilha. As perspectivas do lazer e do habitar na Transcarioca. Interseções. Rio de Janeiro: UERJ v. 18, n. 1, p. 64-96, 2016.

_______. Pai Tertuliano, Vó Astrogilda e Pingo, o Guardião. De Memórias Familiares a Patrimônio Cultural. Patrimônio e Memória. São Paulo: UNESP, v. 13, n. 1, p. 201-226, jan/jul 2017.

_______. Paisagem, Memória e Parentesco no Quilombo de Vargem Grande. Revista Etnográfica. Lisboa v. 21, p. 269-292, 2017b.




DOI: https://doi.org/10.5965/2175180309222017259