“O Oeste Catarinense não pode parar aqui”. Política, agroindústria e uma história do ideal de progresso em Chapecó (1950-1969)

Claiton Marcio da Silva, Monica Hass

Resumo


Este artigo tem por objetivo discutir a importância da ideia de progresso na fundamentação de um projeto de hegemonia política e econômica em Chapecó, Santa Catarina, entre 1950 e 1969. Com a intensão de ocupar a região considerada como “vazio demográfico”, o governo do estado de Santa Catarina articulou o projeto de conquista da região através da atuação de companhias colonizadoras, responsáveis pela acomodação de migrantes eurodescendentes provindos do Rio Grande do Sul. Neste sentido, durante a primeira metade da década de 1950, as companhias colonizadoras simbolizaram o empreendimento de um processo “civilizatório” para a região, baseados em ideias de trabalho árduo, religiosidade católica e progresso. Com o linchamento de quatro forasteiros acusados de incendiar a igreja matriz em 1950, contemporâneo do declínio do poder político e econômico das companhias colonizadoras, as elites locais precisaram se articular na composição de um projeto político em torno da agroindústria como nova matriz produtiva, como forma de levar adiante o projeto colonizador. A ideia de progresso, neste sentido, mais do que um conceito abstrato, passou a traduzir e fundamentar a construção de um projeto político hegemônico, reunindo em torno de si diferentes grupos políticos e econômicos e que, nas décadas de 1950 e 1960, se materializou no aumento da infraestrutura regional e se difundiu por todos os demais grupos sociais do município. O artigo conclui com a abordagem do que consideramos ser o momento mais significativo desta construção: os festejos do cinquentenário de Chapecó, em 1967, durante a ditadura civil-militar, e a aproximação das elites locais em torno de um projeto que se consolidou na década de 1970.

 

Palavras-chave: Chapecó, SC – Política e Governo. Agroindústria. Chapecó, SC – História. Chapecó, SC – Colonização.

Texto completo:

PDF

Referências


ABBAGNANO, Nicola. Dicionário de Filosofia. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

ADAS, Michael. Modernization theory and the american revival of the scientific and technological standards of social achievement and human worth. In: ENGERMAN, David C., GILMAN, Nils, HAEFELE, Mark H. & LATHAM, Michael (ed.). Staging Growth. Modernization, development and the global Cold War. Amherst and Boston: University of Massachusets Press, 2003.

ALBUQUERQUE JR, Durval Muniz de. A invenção do Nordeste e outras artes. Recife: FJN; Ed. Massangana; São Paulo: Cortez, 2009.

ANDRADE, Romulo de Paula. Contribuições para um debate: a antropologia do desenvolvimento e a valorização econômica da Amazônia (1951-1955). In: Cadernos do Desenvolvimento, Rio de Janeiro, v. 10, n. 16, pp.53-72, jan.-jun. 2015.

BAVARESCO, Marcionize Elis. Entre o “Far-West’ e o progresso: aspectos e contextos da visibili-dade sobre o Oeste Catarinense a partir de fatos jornalísticos noticiados entre 1948 e 1950. In: In-tercom. XXXIX Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, São Paulo, 2016.

BAVARESCO, Paulo Ricardo. Ciclos econômicos regionais. Chapecó: Argos, 2005.

BELANI, Eli Maria. Madeiras, balsas e balseiros no Rio Uruguai: o processo de colonização do velho município de Chapecó (1917/1950). Florianópolis: UFSC, 1991. (Dissertação de Mestrado em História)

BEN, Fernanda. Trabalhadores das indústrias frigoríficas: experiências de operários. In: Cadernos do CEOM, Ano 19, n. 25, 2006, p. 357-378.

BUBLITZ, Juliana. Entre tradição e a modernidade: dilema do desenvolvimento no Brasil. Santa Cruz do Sul: UNISC, 2006. (Dissertação de Mestrado em Desenvolvimento Regional.)

CEOM (Org.). A viagem de 1929: Oeste de Santa Catarina. Chapecó: Argos, 2005.

CHOMSKY, Noam. Mídia: propaganda política e manipulação. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2013.

DALLA COSTA, Armando João. O Grupo Sadia e a produção integrada. O lugar do agricultor no complexo agroindustrial. Curitiba: UFPR, 1993. (Dissertação de Mestrado em História)

DAWSON. Progresso e religião. Uma investigação Histórica. São Paulo: É Realizações, 2012.

DUPAS, Gilberto. O mito do progresso. São Paulo: UNESP, 2006.

ESCOBAR, Arturo. Encountering development. The making and unmaking of the third world. Princeton: Princeton University Press, 1995. p. 20.

FETSCHER, Iring. Apud. WOLF, Paul. Ordem e Progresso: origem e significado dos símbolos da bandeira nacional brasileira. In: Revista da Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo, São Paulo, v. 95, 2000. p. 258.

______. O mito do progresso. In: Novos Estudos – CEBRAP, São Paulo, n. 77, março de 2007.

HASS, Monica. O linchamento que muitos querem esquecer. Chapecó: Argos, 2007.

______. Os partidos políticos e a elite chapecoense. Um estudo de poder local (1945-1965). Cha-pecó: Grifos, 1997.

KOSELLECK, Reinhart. Futuro passado. Contribuição à semântica dos tempos históricos. Rio de Janeiro: Contraponto; Editora da PUC/Rio, 2006.

LOVERA, Clair; STÜLP, Cleto; ORO, Ivo; FRANCISCO, Dom Manoel; CARBONERA, Mirian (Orgs.). Sermões do Bispo Dom José Gomes. Florianópolis: Premier; Chapecó: Mitra Diocesana de Chapecó; CEOM; Unochapecó, 2013.

MACHADO, Paulo Pinheiro. Lideranças do Contestado. A formação e a atuação das chefias ca-boclas. Campinas: Unicamp, 2004.

MAZLISH, Bruce e MARX, Leo. Introdução. In: Progresso: realidade ou ilusão? Lisboa, Bizâncio, 2001.

NISBET, Robert. História da ideia de progresso. Brasília: UnB, 1985.

PÁDUA, José Augusto. Um sopro de destruição. Pensamento político e crítica ambiental no Brasil escravista (1786-1888). Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2002.

PELUSO, Victor Antônio. A Evolução da Cidade de Chapecó; De Povoado a Centro Regional. In: Revista do IHGSC 3 (4): 365-99, 1982/83

PETROLI, Francimar Ilha da Silva. Construindo a ordem e o progresso através do Jornal A Voz de Chapecó (1939-1941). Chapecó: Unochapcó, 2005. (Monografia de Conclusão do Curso de His-tória)

________. Um desejo de cidade, um desejo de modernidade (Chapecó, 1931-1945). Florianópolis: UFSC, 2008. (Dissertação de Mestrado em História).

PIAZZA, Walter Fernando. Santa Catarina: Sua História. Florianópolis: UFSC, Lunardelli, 1983.

RAMOS, M. B. R. SERPA, E. C. A hermenêutica do vazio: fronteira, região e brasilidade na via-gem do governador ao Oeste de Santa Catarina. In: Revista Projeto História, n. 18. São Paulo: 1999.

RENK, Arlene. A colonização do Oeste Catarinense. As representações dos brasileiros. In: Cader-nos do CEOM: 20 anos de memórias e histórias no oeste de Santa Catarina, ano 19, n. 23, 2006.

______. A luta da erva. Um ofício étnico no Oeste Catarinense. Chapecó: Grifos, 1997.

ROSSETO, Santo. Síntese histórica do Oeste Catarinense. In: CEOM: 10 anos. Chapecó: UNOESC, 1995.

SANTOS, Rodison Roberto. História e Progresso em Condorcet. In: Cadernos de Ética e Filosofia Política, n. 15, 2/2009, pp. 193-210.

SILVA, Claiton Marcio da. Dos braços do povo à espada dos militares: os anos de chumbo na Fronteira Sul (1964-1969). Florianópolis: Pandion, 2014.

SILVA, Zedar Perfeito da. O Oeste catarinense. Rio de Janeiro: Laement, 1950.

SIQUEIRA, Gustavo. Os donos do “Celeiro do Progresso”: redes sociais e política (Chapecó, 1956-1977). Florianópolis: UDESC, 2016. (Dissertação de Mestrado em História).

STUART, Joseph T. Apresentação. In: DAWSON. Progresso e religião. Uma investigação Histórica. São Paulo: É Realizações, 2012.

UCZAI, Pedro; SIGNORI, Andréia; BOSENBECKER, Luciane (Orgs.). Chapecó: uma Cidade Transformada. Chapecó: Gráfica Mercur, 2004.

VALENTINI, Delmir. Memórias do Contestado. Porto Alegre: Letra e Vida, 2015.

VOJNIAK, Fernando. “Iluminar a inteligência e educar a afetividade”: uma história do gênero masculino no Oeste Catarinense (1950-1970). Florianópolis: UFSC, 2004. (Dissertação de Mestrado em História).

WAGNER, Altair. E... Chapecó levantou vôo. Florianópolis: De Letra, 2005.

WEGNER, Robert. Apresentação. In: SILVA, Claiton Marcio da. De agricultor à farmer. Nelson Rockefeller e a modernização da agricultura no Brasil. Guarapuava (PR): Editora da Unicentro; Cu-ritiba (PR): Editora da UFPR, 2015.




DOI: http://dx.doi.org/10.5965/2175180309212017338

Contato:
Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC
Centro de Ciências Humanas e da Educação - FAED
Programa de Pós-Graduação em História - PPGH
Av. Madre Benvenuta, 2007 - Itacorubi - Florianópolis - SC
CEP: 88.035-001            Telefone: (48) 3664-8585
tempoeargumento@gmail.com