Representação do Passado e História Pública: a História das Mulheres na Internet

Gabriela Correa

Resumo


Este artigo tem por objetivo abordar as relações entre internet, representação do passado e história pública. Para tanto, se valerá da análise do website e página do Facebook “As Mina na História”, criada em junho de 2015. Neste exame, explorará questões tais como o tipo de representação do passado oferecido neste espaço virtual, o perfil da sua audiência e a linguagem utilizada. A fim de avançar em tais problemáticas, são tecidos alguns breves comentários sobre o ensino de história das mulheres no Brasil. Por fim, busca-se, a partir desta abordagem, propor algumas reflexões sobre a história pública que tem sido praticada no país, para além da questão da ampliação do público “consumidor” de história.

 

Palavras-chave: Representação; História Pública; Internet; Mulheres.


Texto completo:

PDF

Referências


Referências Bibliográficas

BORGES, Jorge Luis. História Universal da Infâmia (1935). Trad. Davi Arrigucci Jr. 1. Ed. São Paulo, Companhia das Letras, 2012.

CARVALHO, Bruno Leal Pastor. “Faça aqui o seu login: os historiadores, os computadores as redes sociais online.” Revista História Hoje, v. 3, nº 5, p. 165-188, 2014.

COSTA, Marcella Albaine Farias da. “Tecnologia, temporalidade e história digital: interpelações ao historiador e ao professor de história”. Revista Mosaico, v. 8. n. 2, p. 173-182, jul/dez. 2015.

COHEN, Daniel J; ROSENZWEIG, Roy. Digital history: a guide to gathering, preserving, and presenting the past on the Web. Philadelphia: University of Pennsylvania Press, 2005.

COLLING, Ana Maria; TEDESCHI, Losandro Antonio. “O ensino de História e os estudos de gênero na historiografia brasileira.” História e Perspectivas, Uberlândia (53), jan./jun. 2015, p. 295-314. Disponível em: http://www.seer.ufu.br/index.php/historiaperspectivas/article/viewFile/32777/17719. Último acesso em: 06/06/2016.

FERREIRA, Rodrigo de Almeida. “Cinema, Educação e História Pública: dimensões do filme ‘Xica da Silva’”. In: ALMEIDA, Juniele Rabêlo de; ROVAI, Marta Gouveia de Oliveira (orgs.). Introdução à história pública. São Paulo: Letra e Voz, 2011.

FOUCAULT, M. (2003) A vida dos homens infames. In: ______. Estratégia, poder-saber. Ditos e escritos IV. Rio de Janeiro: Forense Universitária, p.203-222.

FRISCH, Michael. “A História pública não é uma via de mão única, ou, De A Shared Authority à cozinha digital, e vice-versa.” In: MAUAD, Ana Maria, ALMEIDA, Juniele R., SANTHIAGO, Ricardo (orgs.). História Pública no Brasil: sentidos e itinerários. São Paulo: Letra e Voz, 2016, p. 57-71.

Guia de livros didáticos: PNLD 2015: história: ensino médio. – Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2014. 140p. : il. Disponível em: http://www.fnde.gov.br/programas/livro-didatico/guias-do-pnld/item/5940-guia-pnld-2015. Último acesso em: 10.06.2016.

GRINBERG, Keila. A História que está na moda: divulgação científica, ensino de História e internet. 2011. Disponível em: . Acesso em: 15 de maio de 2016.

LIDDINGTON, Jill. “O que é história pública?”. In: ALMEIDA, Juniele Rabêlo de; ROVAI, Marta Gouveia de Oliveira (orgs.). Introdução à história pública. São Paulo: Letra e Voz, 2011.

LUCCHESI, Anita. “Por um debate sobre História e Historiografia Digital”. Boletim Historiar, nº 2, mar./abr. 2014, p. 45-57.

MALERBA, Jurandir. “Acadêmicos na Berlinda ou como cada um escreve a História?: uma reflexão sobre o embate entre historiadores acadêmicos e não acadêmicos no Brasil à luz dos debates sobre Public History.” Revista História da Historiografia, Ouro Preto, nº 15, agosto, 2014, p. 27-50.

RICOEUR, Paul. A memória, a história, o esquecimento. Campinas: UNICAMP, 2007.

ROSENZWEIG, Roy; THELEN, D. The presence of the past: Popular Uses of History in American Life. New York, Columbia University Press, 1998.

SANTHIAGO, Ricardo. “Duas palavras, muitos significados: Alguns comentários sobre história pública no Brasil” In: MAUAD, Ana Maria, ALMEIDA, Juniele R., SANTHIAGO, Ricardo (orgs.). História Pública no Brasil: sentidos e itinerários. São Paulo: Letra e Voz, 2016, p. 23-36.

SANTUCCI, Isabella. “O infame na História Universal”. Revista Recorte, UNINCOR, v. 12, nº 1, jan.-jun. 2015, p. 1 a 18. Disponível em: http://revistas.unincor.br/index.php/recorte/article/view/2009. Último acesso em: 06/06/2016.

SCOTT, Joan. “História das Mulheres”. In: A escrita da história: novas perspectivas. BURKE, Peter (org.). São Paulo, Editora Unesp, 2011, p. 65-98.

SMITH, Bonnie G. Gênero e História: homens, mulheres e a prática histórica. Bauru, SP: EDUSC, 2003.

SPIVAK, Gayatri Chakravorty. Pode o Subalterno falar? Tradução de Sandra Regina Goulart Almeida, Marcos Pereira Feitosa, André Pereira Feitosa. Belo Horizonte, Ed. UFMG, 2010.

WOOLF, Virginia. Um teto todo seu. Trad. Vera Ribeiro, Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1987.




DOI: https://doi.org/10.5965/2175180308192016162