Carandiru: os usos da memória de um massacre

Viviane Trindade Borges

Resumo


O massacre do Carandiru, ocorrido em 1992, é caracterizado como um marco simbólico na história do sistema penal brasileiro. A rememoração desse passado dialoga com questões como a dimensão do ocorrido, a impunidade, a tentativa de apagamento e conformação da memória e a instituição do massacre como metáfora para novas tragédias. Nesse processo é possível observar a construção de dois passados possíveis: um empreendido pelo Estado, instituindo uma memória oficial, e outro ligado a diferentes segmentos da sociedade civil organizada. Analisarei os usos dessa memória e suas estratégias de rememoração, categorias estas entendidas a partir da história do tempo presente e da história pública.

 

Palavras-chave: Carandiru; Memória; História Pública; História do Tempo Presente.


Texto completo:

PDF

Referências


ADORNO, Sérgio. SALLA, Fernando. Criminalidade organizada nas prisões e os ataques do PCC. Estudos Avançados. vol.21, n.61, pp.7-29. ISSN 0103-4014, 2007.

ALVAREZ, Marcos César, SALLA, Fernando, DIAS, Camila Nunes. Das comissões de solidariedade ao primeiro comando da capital em São Paulo. Tempo Social : Revista de Sociologia da USP, v. 25, n. 1, 2013.

ALMEIDA. Juliene R. de. ROVAI, Marta G. de O. Introdução à história pública. São Paulo: Letra e Voz, 2011.

AREND, Silvia. MACEDO, Fábio. Sobre a história do tempo presente: entrevista com o historiador Henry Rousso. Tempo e Argumento. Florianópolis, v. 1, n. 1, p. 201–216, jan./jun. 2009.

BABENCO, Hector (Direção). Carandiru. Roteiro: Victor Navas, Fernando Bonassi e Hector Babenco. Elenco: Rodrigo Santoro, Milton Gonçalves, Luiz Carlos Vasconcelos, Maria Luiza Mendonça e Caio Blat. Brasil. HB Filmes e Globo Filmes, 2003. DVD, 147 min.

BÉDARIDA, François. Temps présent et présence de l’histoire. In: INSTITUT D’HISTOIRE DU TEMPS PRÉSENT. Ecrire l’histoire du temps présent. Paris: CNRS, 1993.

BISSILIAT, Maureen. (Org.) Aqui dentro páginas de uma memória: Carandiru. São Paulo: Imprensa Oficial, 2003.

BORGES, Viviane Trindade. O tempo abre as portas a quem sabe esperar: usos do passado e embates do presente no percurso da exposição realizada na Penitenciária de Florianópolis (SC). Revista Esboços. Florianópolis: UFSC, n. 31, 2014.

BLOM, T. Morbid Tourism: A Postmodern Market Niche with an Example from Althorpe. Norwegian Journal of Geography, 2000.

BRESCIANO, J.A. El tiempo presente como campo historiográfico: ensaios teóricos y estúdios de casos. Montevideo: Cruz del Sur, 2010.

BRUGGEMAN, Seth. Reforming the carceral past: eastern state penitentiary and the challenge of twenty-first century prison museums. Radical History Review, n.113, p. 171-86, 2012.

CANCELLI, Elizabeth. Carandiru: a prisão, o psiquiatra e o preso. Brasília: Ed. UnB, 2005.

CASARIN, Doug. Carandiru 111. 2. ed. São Paulo: Editora Senac, 2006.

CAUVIN, Thomas. Public history: a textbook of practice. New York: Routledge, 2016.

CHARTIER, Roger. A visão do historiador modernista. In: FERREIRA, Marieta de Moraes; AMADO, Janaína. Usos e abusos da história oral. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2000. p.215-218.

CHAUVEAU, Agnès; TÉTART, Philippe (Orgs.). Questões para a história do presente. São Paulo: EDUSC, 1999.

DIAS, Camila C. Nunes. Estado e PCC em meio às tramas do poder arbitrário nas prisões Tempo Social : Revista de Sociologia da USP, v. 23, n. 2, Data

DIAS, Camila Nunes.Consolidação do primeiro comando da capital (PCC) no sistema carcerário paulista e a nova configuração do poder. L'Ordinaire des Amériques, n.216, 2014. Mis en ligne le 11 juillet 2014, consulté le 02 avril 2016. Disponível em < http://orda.revues.org/1086>. Acesso em : 15/05/2016.

DOSSE, François. História do tempo presente e historiografia. Revista Tempo e Argumento: Universidade do Estado de Santa Catarina Florianópolis, v. 4, n 1, p. 5-23, jan./jun., 2012.

FERREIRA, Luisa M. A.; MACHADO, Marta R. de A. ; MACHADO, Maíra Rocha. Massacre do Carandiru: vinte anos sem responsabilização. Novos Estudos - CEBRAP [online], n.94, p.05-29, 2012. Disponpivel em : Acesso em : 28 de março de 2016. ISSN 0101-3300.

FERREIRA, Marieta de Moraes. História do tempo presente: desafios. Petrópolis: Cultura Vozes, 2000.

FOLEY, M. ; LENNON, J. JFK and Dark Tourism: afascination with assassination. International Journal of Heritage Studies, n.2, 1996.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Petrópolis: Vozes, 1987.

FOUCAULT, Michel. O que é o iluminismo. In: ESCOBAR, C. H. (Org.). Dossier Foucault. Rio de Janeiro: Taurus, 1989, p. 103-112.

FOUCAULT, Michel. Sujeito e Poder. In : DREYFUS, H. RABINOW, P. Michel Foucault, uma trajetória filosófica : (para além do estruturalismo e da hermenêutica). Vera Porto Carrero. Rio de Janeiro : Universitária, 1995. P. 231 – 249.

FRANCO, Bernardo Mello. A nova vergonha do Carandiru. In: . Acessado em: 12/01/2015.

GREIFF, Pablo de. Justiça e reparações. Revista Anistia Política e Justiça de Transição. Brasília: Ministério da Justiça, n. 3, jan./ jun., 2010.

GROOT, Jerome. Consuming history: historians and heritage in contemporary popular culture. New York: Routledge, 2016.

GREENBLATT, Stephen. O novo historicismo: ressonância e encantamento. Estudos Históricos. Rio de Janeiro, v. 4, n. 8, p. 244–261, 1991.

HUYSSEN, Andreas. Culturas do passado-presente : modernismos, artes visuais, políticas da memória. Rio de Janeiro: Contraponto, 2000.

JOCENIR. Diário de um detento: o livro. São Paulo: Labortexto Editorial, 2001.

LAGROU, Pieter. A história do tempo presente na Europa depois de 1945: como se constituiu e se desenvolveu um novo campo disciplinar. Revista Eletrônica Boletim do TEMPO. Rio de Janeiro, Ano 4, n.15, 2009. Disponível em: http://www .tempopresente. . Acesso: 02 de jul. 2009.

LOGAN, William; REEVES, Keir. Remembering places of pain and shame In: LOGAN, William e Reeves, Keir (Orgs.). Places of pain and shame: dealing with difficult heritage. London; New York: Routlegde, 2009.

LOWENTHAL, David. Tragic traces on the Rhodian shore. Historic Environment. v. 17, n.1. Australia: ICOMOS, 2003.

MAUAD, Ana et al. História pública no Brasil: sentidos e etinerários. São Paulo: Letra e voz, 2016.

MENESES, Ulpiano T. Bezerra. A história, cativa da memória? para um mapeamento da memória no campo das ciências sociais. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros SP, n. 34, p. 9-24, 1992.

PEDROSO, Regina Célia. Abaixo os direitos humanos! A história do massacre de cento e onze presos na Casa de Detenção de São Paulo. Revista Liberdades. Publicação Oficial do Instituto Brasileiro de Ciências Criminais, n. 9. Jan./abr., 2012.

PEDROSO, Regina Célia. Os signos da opressão: história e violência nas prisões brasileiras. São Paulo: Arquivo do Estado, Imprensa Oficial do Estado, 2002.

PORTO, Gilson (Org). História do tempo presente. Bauru: EDUSC, 2007

RAMOS, Hosmany. Pavilhão 9: paixão e morte no Carandiru. São Paulo: Geração Editorial, 2001.

RAP, André du. Sobrevivente André do Rap (do Massacre do Carandiru). São Paulo: Labortexto Editorial, 2002.

RICOEUR, Paul. A memória, a história e esquecimento. Campinas: EdUNICAMP, 2011.

RODRIGUES, Humberto. Vidas do Carandiru: histórias reais. São Paulo: Geração Editorial.

ROSENSTONE, R.; PARVULESCU, C. A companion to the historical film. Oxfor: Wilwy-Blackwell, 2013.

RODRIGUEZ et al. Massacre do Carandiru : Inação, Descontinuidade e Resistências. In: MACHADO Maíra Rocha, MACHADO, Marta Rodriguez de Assis (Orgs). Carandiru não é coisa do passado: um balanço sobre os processos, as instituições e as narrativas 23 anos após o massacre. São Paulo: FGV Direito SP, 2015. 552 p.

ROUSSO, Henry. A história do tempo presente, vinte anos depois. In: PORTO JR., Gilberto (Org.) História do tempo presente. Bauru: EDUSC, 2007, p. 277 - 296.

SANTOS, Myrian Sepúlveda dos. Os conflitos entre natureza e cultura na implementação do Ecomuseu Ilha Grande. Hist. cienc. saude-Manguinhos [online], v.12, suppl., p.381-382, 2005. Disponível em: < http://dx.doi.org/10.1590/S0104-59702005000400020>. Acesso: 02/07/2015, 2009. ISSN 0104-5970.

SANTOS, Myrian Sepúlveda dos. ARAÚJO, Paula. História, memória, esquecimento – Implicações políticas. Revista Crítica de Ciências Sociais. v.79, Dez., 2007.

SANTHIAGO, Ricardo. Duas palavras, muitos significados: alguns comentários sobre a história púbica no Brasil. In: MAUAD, Ana. de. et al. História pública no Brasil: sentidos e etinerários. São Paulo: Letra e voz, 2016.

SALLA, Fernando. As prisões em São Paulo. São Paulo: Annablume : Fapesp, 2006a.

SALLA, Fernando. As rebeliões nas prisões: novos significados a partir da experiência brasileira. Sociologias, 16, 2006b. 274-307.

SALLA, Fernando. De Montoro a lembo: as políticas penitenciárias de São Paulo. Revista Brasileira de Segurança Pública, 2007.

SARLO, Betariz. Tiempo presente: notas sobre el cambio de uma cultura. Buenos Aires: Siglo Veinteuno, 2001.

SEATON, A.V. Guided by the dark: from thanatopsis to thanatourism. International Journal of Heritage Studies, n.2,1996.

SMITH, Cynthia Duquette. BERGMAN, Teresa Bergman. You Were on Indian Land: Alcatraz Island as Recalcitrant Memory Space, from Places of Memory: The Rhetoric of Museums and Memorials. Local: University of Alabama Press, 2010, p.160-190.

STRANGE, Carol Strange. KEMPA, Michael. Shades of Dark Tourism: Alcatraz and Robben Island. Annals of Tourism Research. v.30, Issue 2, p. 386-405, abr., 2003,

STONE, Philip; SHARPLEY, Richard. Consuming dark tourism: a thanatological perspective Annals of Tourism Research, v. 35, n.2, 2008.

STONE, Philip R. Dark Tourism and significant other death. Towards a model of mortality mediation. Annals of Tourism Research, v. 39, n.3, 2012.

THOMPSON, Heather Ann. Why Mass Incarceration Matters: Rethinking Crisis, Decline, and Transformation in Postwar American History. Journal of American History., n. 97, p. 703–34, 2010.

TUNBRIDGE, John E.; ASHWORTH, Gregory J. Dissonant heritage: the management of the Past as a Resource in Conflict. Londres: Belhaven Press, 1996.

TEIXEIRA, Alessandra. Do sujeito de direito ao estado de exceção: o percurso contemporâneo do sistema penitenciário brasileiro. São Paulo, 2006. Dissertação (Mestrado em Sociologia) - USP, local, 2006.

VARELLA, Drauzio. Estação Carandiru. 24.ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.

VARELLA, Flávia; MOLLO, Helena Miranda; PEREIRA, Mateus Henrique de Faria; MATA, Sérgio da (Orgs.). Tempo presente e usos do passado. Rio de Janeiro: FGV, 2012.

VELOSO, Caetano (1993) Letra de “Haiti”. Música: Gilberto Gil. Letra: Caetano Veloso. Encarte de CD Tropicália 2, de Caetano e Gil. (Polygram).

VENGOA, Hugo Fazio. La memoria, la historia y el deber de memoria. In: AUTOR. La historia del tempo presente: historiografia, problemas y métodos. Local: Uniandes, 2010.

WELCH, Michael. Escape to prison: penal tourism and the pull of punishment. California: University of California Press, 2015.

WILSON, Jacqueline. Prison: Public Memory and Dark Tourism. New York: Peter Lang Publishing, 2008.

ZENI, Bruno (Coordenação Editorial). O Massacre do Carandiru. In: AUTOR. Sobrevivente André du Rap (do massacre do Carandiru). São Paulo: Labortexto editorial, 2002. p.17-27 e 199-218.




DOI: http://dx.doi.org/10.5965/2175180308192016004

Contato:
Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC
Centro de Ciências Humanas e da Educação - FAED
Programa de Pós-Graduação em História - PPGH
Av. Madre Benvenuta, 2007 - Itacorubi - Florianópolis - SC
CEP: 88.035-001            Telefone: (48) 3664-8585
tempoeargumento@gmail.com