Batucadas, enredos e carnavalização. Os passos da Escola de Samba Nenê da Vila Matilde (1954-1967)

Zelia Lopes Silva

Resumo


Neste texto, são discutidos aspectos da trajetória da Escola de Samba Nenê da Vila Matilde, de 1954 a 1967, centrando-se nos temas escolhidos para suas performances carnavalescas, com a intenção de detectar as possíveis pulsões críticas presentes nessas escolhas. Nesse sentido, a pesquisa argui se os motes de seus desfiles eram centrados apenas nas vivências do grupo ou se também dialogavam com os demais segmentos sociais. Traçar o seu perfil, nesse período de criação e consolidação das agremiações carnavalescas da comunidade negra, implica situá-la no grupo maior, de igual natureza, cujo percurso tem início em 1937, com o surgimento da “Lavapés”, considerada a primeira escola de samba paulistana. Embora a “Nenê” tenha sido criada em 1949, o marco dessa reflexão tem início em 1954, por suas passeatas expressarem um padrão temático em suas exibições; e estende-se até 1967, ano que antecede a institucionalização pelo poder público dos desfiles carnavalescos na capital paulista, a partir de quando passou a haver investimento de recursos públicos em sua montagem e nas escolas de samba. A pesquisa apoiou-se na imprensa diária, nos memorialistas (autobiografia, fotos e depoimentos dessas lideranças carnavalescas) e na bibliografia pertinente, buscando detectar os traços dessa Escola antes de sua institucionalização.

Palavras-chave: Brasil; Escolas de Samba paulistanas; Carnavais Negros; Samba-Enredo; Nenê da Vila Matilde.

 

Palavras-chave: Carnaval; Escolas de samba – São Paulo; Negros; Nenê da Vila Matilde (escola de samba); Samba.


Texto completo:

PDF

Referências


ALENCAR, Edigard de. O Carnaval carioca através da música. 5. ed. Rio de Janeiro: Francisco Alves; Brasília: INL, 1985.

AMARAL, Sebastião Eduardo. Depoimento. São Paulo: Museu da Imagem e do Som-MIS, 1981. Entrevista concedida ao Projeto Carnaval Paulistano do MIS/SP, em 02 outubro de 1981, (Fita 112.31-32).

AUGRAS, Monique. O Brasil do Samba-Enredo. Rio de Janeiro: Editora Fundação Getúlio Vargas, 1998.

ALBERTI, Verena. Fontes Orais: Histórias dentro da História. In: Pinsky, Carla Bassanezi. Fontes orais. São Paulo: Contexto, 2005. p. 155-202.

AZEVEDO, Célia Maria Marinho de. Onda negra, medo branco. O negro no imaginário das elites: século XIX. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

ANDREWS, George Reid. Negros e brancos em São Paulo (1888-1988). Bauru/SP: EDUSC, 1998.

BARONETTI, Bruno Sanches. Da oficialização ao sambódromo: um estudo sobre as escolas de samba de São Paulo (1968-1996). 2013, 397f. Dissertação (Mestrado) – Universidade de São Paulo, Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras, São Paulo, 2013.

BAKHTIN, Mikhail. A cultura popular na idade média e no renascimento. São Paulo: HUCITEC/UnB, 1987.

BEZERRA, Danilo Alves. A trajetória da internacionalização dos carnavais do Rio de Janeiro: as escolas de samba, os bailes e as pândegas das ruas (1946-1963). 2016, 287f. Tese (Doutorado) – Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Faculdade de Ciências e Letras, São Paulo, 2016.

BRITTO, Ieda Marques. Samba na cidade de São Paulo (1900-1930): um exercício de resistência cultural. São Paulo: FFLCH/USP, 1986.

CORREIO PAULISTANO, São Paulo, 1953 a 1957.

DOZENA, Alessandro. As territorialidades do samba na cidade de São Paulo. 2009, Tese (Doutorado) – Universidade de São Paulo, Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras, São Paulo, 2009.

FOLHA DA MANHÃ, São Paulo, 1950 a 1959.

GOMES, Flávio dos Santos. De olho em Zumbi dos Palmares. São Paulo: Editora Companhia das Letras, 2011.. Acesso em: 19 set. 2015.

LOPES, Maria Aparecida de Oliveira. História e memória do negro em São Paulo: efemérides, símbolos e identidade (1945-1978). 2007, Tese (Doutorado em História) - Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Faculdade de Ciências e Letras Assis, 2007.

LUCA, Tânia Regina de. Fontes impressas: História dos, nos e por meio dos periódicos. In: PINSKY, Carla Bassanesi; LUCA, Tânia Regina de (Orgs.). O historiador e suas fontes. São Paulo: Contexto, 2005. p. 111-153.

MADRE, Diolinda. Depoimento. Entrevistadores: Silvio Ferreira Faro e Olga Rodrigues de Moraes von Simson. São Paulo: Museu da Imagem e do Som-MIS, 1982. Entrevista concedida ao Projeto Carnaval Paulistano do MIS/SP. (Fita 112.25).

MORAES, Wilson R. Escolas de Samba de São Paulo. São Paulo: IMESP, 1978.

NAZARETH, Zezinho. Depoimento. Entrevistadora – Olga Rodrigues de Moraes von Simson. São Paulo: Museu da Imagem e do Som/MIS/SP- [1980]. Projeto Carnaval Paulistano, (Fita 112.4-5).

O ESTADO DE S. PAULO. São Paulo – 1950 a 1954; 1958.

PELOGGIO, Marcelo. José de Alencar: um historiador à sua maneira. ALEA: Rio de Janeiro, v. 6, n. 1, p. 81-95, jan.-jun., 2004.

PROPP, Vladimir. Comicidade e riso. São Paulo: Ática, 1992.

REIS, João José; GOMES, Flávio dos Santos. Liberdade por um fio. História dos quilombos no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

SILVA, Zélia Lopes da. Os carnavais de rua e dos clubes na cidade de São Paulo. Metamorfoses de uma festa (1923- 1938). São Paulo: Editora UNESP; Londrina: EDUEL, 2008.

SILVA, Zélia Lopes da. A memória dos carnavais dos afro-paulistanos na cidade de São Paulo nas décadas de 20 e 30 do século XX. Diálogos [ online], Maringá, v. 16, Supl. Espec., p.37-68, dez. 2012. Disponivel em: http://www.uem.br/dialogos/index.php?journal=ojs&page=article&op=view&path%5B%5D=709

SILVA, Alberto Alves, BRAIA, Ana. Memórias do Seu Nenê da Vila Matilde. São Paulo: Lemos Editorial, 2000.

SIMSON, Olga Rodrigues de Moraes von. Carnaval em branco e negro. São Paulo: EDUSP, 2007.

SCHWARTZ, Stuart. Roceiros e rebeldes. Bauru: Edusc, 2001.




DOI: http://dx.doi.org/10.5965/2175180308182016351

Contato:
Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC
Centro de Ciências Humanas e da Educação - FAED
Programa de Pós-Graduação em História - PPGH
Av. Madre Benvenuta, 2007 - Itacorubi - Florianópolis - SC
CEP: 88.035-001            Telefone: (48) 3664-8585
tempoeargumento@gmail.com