A cor do abandono: as crianças em situação de rua no Recife na Ditadura Civil-Militar (1964-1985)

Humberto Silva Miranda

Resumo


A historiografia registra que o cenário urbano do Recife, durante a ditadura civil-militar (1964-1985), foi marcado por crescimento econômico e aumento das desigualdades sociais. A cidade que crescia, convivia com a presença de meninos e meninas, em situação de abandono, que ocupavam as ruas e avenidas e faziam do espaço público local de trabalho e morada. A questão do abandono passou a ser propagada na imprensa local e nacional. Para o Diário de Pernambuco, o abandono tinha uma cor: sépia, que descoloria o cenário da cidade. Neste artigo, pretendo analisar como o discurso do abandono e as políticas públicas de assistência foram construídas nesse período sócio-histórico. A partir desse objetivo, proponho construir uma conexão com a atuação da Febem em Pernambuco, instituição fundada no primeiro ano da Ditadura Civil-Militar.

 

Palavras-chave: Menores Ambandonados - Recife; Fundação Estadual do Bem-Estar do Menor (PE); Menores de Rua.


Texto completo:

HTML PDF

Referências


AREND, Silvia. De exposto a abandonado: uma trajetória jurídico-social. VENÂNCIO, Renato. In: Uma história social do abandono de crianças: de Portugal ao Brasil (séculos XVIII-XX). São Paulo: Alameda, 2010. 339-359.

BERNAL, Elaine. Arquivos do Abandono. São Paulo: Cortez, 2004.

BRITO, Eleonora. Justiça e Gênero: uma história da Justiça de menores em Brasília (1960-1990). Brasília: Editora da Universidade de Brasília, 2007. P. 115

CÂMARA, Helder. Um olhar sobre a cidade: olhar atento, de esperança, de prece. São Paulo: Paulus, 1995.

CÂMARA, Helder. Um olhar sobre a cidade: olhar atento, de esperança, de prece. São Paulo: Paulus, 1995.

CAMARA, Sonia. Sob a guarda da República: infância e menoridade no Rio de Janeiro da década de 1920. Rio de janeiro: Quartet, 2010.

DONZELOT, Jacques. A polícia das famílias. Rio de Janeiro: Graal, 2001.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do Poder. Rio de Janeiro: Graal, 2007.

FREIRE, Roberto. Os Meninos do Recife. Revista Realidade. Rio de Janeiro: Agosto, 1967.

FRONTANA, Isabel. Crianças e Adolescentes: nas ruas de São Paulo. São Paulo: Edições Loyola, 1999.

FRONTANA, Isabel. Crianças e Adolescentes: nas ruas de São Paulo. São Paulo: Edições Loyola, 1999.

HORA, A. Meninos do Recife. Livreto Movimento de Cultura Popular - MCP. Recife, 1964.

JANOTTI, Maria de Lourdes Monaco. Imprensa e ensino na Ditadura. In: FERREIRA, A. C.; BEZERRA, H. G. & LUCA, T. R. de. O historiador e seu tempo. São Paulo: Editora da Unesp, 2008.

MARCÍLIO, Maria Luiza. História Social da Criança Abandonada. São Paulo: Hucitec, 1989.

PASSETTI, Edson. O menor no Brasil Republicano. In: DEL PRIORE, Mary. História das criança no Brasil. São Paulo: contexto, 1991.

PASSETTI, Edson. Violentados: crianças, adolescentes e justiça. São Paulo: Editora Imaginário, 1999.

PERROT, Michelle. Funções da família. In: PERROT, Michelle (Org.) História da vida provada 4; da Revolução Francesa à Primeira Guerra. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

PERROT, Michelle. Funções da família. In: PERROT, Michelle (Org.) História da vida provada 4; da Revolução Francesa à Primeira Guerra. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

RIZZINI, Irene; RIZZINI, Irma. A institucionalização de crianças no Brasil. Rio de Janeiro: Loyola, 2004.




DOI: https://doi.org/10.5965/2175180307142015155

Contato:
Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC
Centro de Ciências Humanas e da Educação - FAED
Programa de Pós-Graduação em História - PPGH
Av. Madre Benvenuta, 2007 - Itacorubi - Florianópolis - SC
CEP: 88.035-001            Telefone: (48) 3664-8585
tempoeargumento@gmail.com