Plasmando a história: sofística, retórica do tempo e ficção

Veridiano Koeffender Moreira

Resumo


O artigo faz parte de uma investigação sobre o problema do falso e da ficção em história, tópico concernente aos estudos sobre a narrativa na historiografia. Partindo da controvérsia envolvendo a primeira sofística e a filosofia platônico-eleata acerca da referencialidade entre discurso e realidade, analisaremos possíveis analogias entre o logos sofístico e o narrativismo histórico enquanto valorizadores da multiplicidade de discursos. Em seguida, apresentaremos a crítica desferida pela retórica sofística (caracterizada como uma retórica inserida no tempo) ao historicismo. Por fim, avaliaremos a relação entre história e sofística enquanto atividades passíveis de serem plasmadas, i. é, moldadas, em uma operação que é ao mesmo tempo demiúrgica e ficcional.

Palavras-chave: História; Historiografia; Sofista; Retórica.


Texto completo:

HTML PDF

Referências


ANKERSMIT, Frank. Truth in literature and history. In: Geschichstdiskurs. Band5: Globale Konflikte, Erinnerungsarbeit und Neuorientierungen seit 1945, Wolfgang Küttler, Jörn Rüsen, Ernst Schulin Hrsgb. Frankfurt am Main: Fischer Taschenbuch Verlag, 1999.

ANKERSMIT, Frank. Historicismo, pós-modernismo e historiografia. In: MALERBA, Jurandir (Org.). A história escrita. São Paulo: Contexto, 2006.

ARENDT. Hannah. A vida do espírito: o pensar, o querer, o julgar. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010.

ARISTÓTELES. Metafísica. Tradução de Leonel Vallandro. Porto Alegre: Editora Globo, 1969.

ARISTÓTELES. Retórica. Introdução de Manuel Alexandre JÚNIOR. Tradução do grego e notas de Manuel Alexandre Júnior, Paulo Farmhouse Alberto e Abel do Nascimento Pena. Lisboa: INCM, 1998.

CASSIN, Barbara. O efeito sofístico: sofística, filosofia, retórica, literatura. São Paulo: Ed. 34, 2005.

DETIENNE, Marcel. Les Maîtres de Verité dans la Grèce archaïque. Paris: Maspéro, 1981.

GADAMER, Hans-Georg. Verdade e método: traços fundamentais de uma hermenêutica filosófica. Tradução de Flávio Paulo Meurer. Petrópolis: Editora Vozes, 1997.

HARTOG, François. Evidência da história: o que os historiadores veem. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2011.

HESÍODO. Teogonia. Tradução de José Antônio Alves Torrano. São Paulo: Massao Ohno e Roswitha Kempf Editores, 1981.

KOSELLECK, Reinhart. Futuro passado: contribuição à semântica dos tempos históricos. Rio de Janeiro: Contraponto Ed. PUC-Rio, 2006.

LA CAPRA, Dominik. Representing the holocaust: reflections on the historians’ debate. In: FRIEDLAND, Saul (Org.). Probing the limits of representation. Cambridge, London: Harvard University, 1992.

MACLEOD, Matthew Donald. Luciani Opera. Oxford: Clarendon Press, 1987, t. IV (livro 71), p. 85-89, com tradução para o inglês de K. Kilburn, Lucian, Londres/Cambridge, loeb, 1968.

PINTO, Maria José Vaz. A doutrina do logos na sofística. Lisboa: Ed. Colibri, 2000.

PLATÃO. Teeteto e Crátilo. Tradução de Carlos Alberto Nunes. Belém: EditoraUniversitária UFPA, 2001.

REARDON, Bryan P. The Form of Greek Romance. Princeton: Princeton University Press, 1991.

SMITH, Bárbara Herrnstein. Crença e resistência: a dinâmica da controvérsia intelectual contemporânea. São Paulo: Editora UNESP, 2002.

SOUTHGATE, Beverly. History: what and why? ancient, modern ans postmodern perspectives.London/New York: Routledge, 1996.

VEYNE, Paul. Como se escreve a história. Lisboa: Edições 70, 1987.

WHITE, Hayden. Meta-história: a imaginação histórica do século XIX. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1995.

WHITE, Hayden. Metaphysics of narrativity. Artigo dedicado a Temps et Récits I e II. In: The Content of the Form: Narrative Discourse and Historical Representation. Baltimore/London: The Johns Hopkins University Press, 1990.




DOI: https://doi.org/10.5965/2175180306122014242