A Anistia Internacional e o Brasil: o princípio da não-violência e a defesa de presos políticos

Renata Meirelles

Resumo


Durante o regime militar brasileiro, em meio à institucionalizada prática da tortura, a organização de direitos humanos, Anistia Internacional, trabalhou na defesa de presos políticos e na divulgação de denúncias de violações de direitos humanos entre a comunidade internacional. Como parte de um projeto de pesquisa mais amplo, cujo objetivo é investigar a atuação da Anistia Internacional no Brasil, o presente artigo pretende mostrar como a organização se posicionou em relação a aos presos políticos que pertenceram a organizações armadas, na medida em que a Anistia tinha como um de seus princípios a não-violência. Para tal, será feita uma análise da atuação da Anistia Internacional com base no conceito de compaixão de Hannah Arendt. O artigo mostra que a Anistia Internacional, apesar de condenar a violência como forma de luta política, atuou com solidariedade em relação à defesa de presos políticos que pertenceram a organizações armadas tanto na Alemanha, como no Brasil.

Palavras-chave: Anistia internacional; Regime militar brasileiro; Direitos humanos; Compaixão.


Texto completo:

HTML PDF

Referências


ARENDT, Hannah. On revolution. Londres: Penguin, 2006.

ARENDT, Hannah. Da revolução. São Paulo. Editora Ática, 1988

BUCHANAN, Tom. The truth will set you free: the making of amnesty international. Journal of Contemporary History. v.37, n.4, out., 2002, p.575-597. Disponível em: .

CANCELLI, Elizabeth. Testemunho e obliteração: da tragédia ao melodrama. Mimeo. 2011

CHIBA, Shin. Hannah Arendt on love and the political: Love, Friendship, and Citizenship. The Review of Politics. v.l. 57, n. 3, summer, 1995, p. 505-535. Published by: Cambridge University Press for the University of Notre Dame du lac on behalf of Review of Politics Disponível em: .

CRUZ, Fabio. Frente Brasileño de Informaciones e Campanha: os jornais de brasileiros exilados no Chile e na França (1968-1979) - Dissertação (Mestrado). Universidade de São Paulo, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas. Departamento de História. 2010.

CZAJKA, Rodrigo. A Revista Civilização Brasileira: projeto editorial e resistência cultural (1965-1968). Revista de Sociologia e Política. v.18, n. 35, p. 95-117. Fev. 2010.

JUDT, Tony. Postwar: A history of Europe since 1945. Londres: Penguin, 2005.

LARSEN, Egon. A flame in Barbed Wire: the story of amnesty international. Nova York: WW Norton & Company, 1979.

POWER, Jonathan. Like water on stone: the story of amnesty international. Londres: Penguin, 2002.

SAFATLE. Vladimir; TELES, Edson. (orgs.) O que resta da ditadura. São Paulo: Boitempo, 2010.




DOI: http://dx.doi.org/10.5965/2175180306112014327

Contato:
Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC
Centro de Ciências Humanas e da Educação - FAED
Programa de Pós-Graduação em História - PPGH
Av. Madre Benvenuta, 2007 - Itacorubi - Florianópolis - SC
CEP: 88.035-001            Telefone: (48) 3664-8585
tempoeargumento@gmail.com