Guardar para mirar, guardar para mostrar: acervos autorreferenciais, da gaveta ao museu DOI: 10.5965/2175180305092013046

Carla Rodrigues Gastaud, Cristiéle Santos Souza

Resumo


Este artigo trata da publicização de acervos autorreferenciais em um contexto contemporâneo de busca memorial, percurso no qual são relevantes as elaborações de Andreas Huyssen, sobre a “compulsão contemporânea pela memória”, e de François Hartog, em torno de uma mudança no “regime de historicidade”. Da mesma forma, discute o conceito de produção de si, por meio dos escritos autorreferenciais e de seu arquivamento. Por fim, são apresentadas as trajetórias de constituição e publicização de dois conjuntos documentais autorreferenciais, as cartas de D. Joaquim, bispo de Pelotas, escritas entre os anos de 1915 e 1940, e as cartas da baronesa Amélia, escritas entre 1889 e 1918.

Texto completo:

PDF


Contato:
Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC
Centro de Ciências Humanas e da Educação - FAED
Programa de Pós-Graduação em História - PPGH
Av. Madre Benvenuta, 2007 - Itacorubi - Florianópolis - SC
CEP: 88.035-001            Telefone: (48) 3664-8585
tempoeargumento@gmail.com