Extração do óleo da semente da ameixa amarela (Eriobotrya japonica)

Liliane Nagi, Mariellis Gabriel, Thaina S. Rippel, Márcio A. Fiori, Josiane M. M. Mello, Francieli Dalcanton

Resumo


A ameixa amarela (Eriobotrya japonica) é uma fruta cítrica de origem asiática, cultivada no sul e sudeste do Brasil. As frutas contêm de 3 a 5 sementes que são consideradas resíduos industriais e o óleo presente nestas sementes apresenta elevados níveis de polifenóis, que ajudam a combater radicais livres, podendo se tornar uma possível aplicação na área alimentícia e química. Neste sentido, este trabalho teve como objetivo avaliar diferentes condições de extração do óleo presente na semente da ameixa amarela. A fruta madura foi colhida no município de Chapecó/Santa Catarina e as sementes foram retiradas manualmente e a extração foi realizada pelo método de Soxhlet. Através de um planejamento fatorial completo 2², em duplicata, variou-se o tipo de solvente (hexano e etanol) e o tempo de extração (60 e 120 min). Os resultados mostraram que apenas o tipo de solvente foi significativo, sendo que, o solvente mais eficaz foi o etanol extraindo 15% de óleo. O modelo matemático obtido foi preditivo e explica 99,16% das respostas obtidas por ele. O solvente etanol, por ser oriundo de recursos renováveis, abre portas para futuras pesquisas na área de extração, em comparação com o solvente hexano, que pode deixar resíduos tóxicos nos óleos.

Palavras-chave


Extração; Semente; Resíduo Industrial; Óleo

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5965/24473650312017009

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista do Congresso Sul Brasileiro de Engenharia de Alimentos, Pinhalzinho, Santa Catarina, Brasil. ISSN 2447-3650.

Classificação Qualis - CAPES:

Ciências Ambientais B5

Engenharias II B5

A Revista CSBEA está indexada nos repositórios Latindex, Livre e Sumários.org

Conteúdos do periódico licenciados sob uma Licença Creative Commons 4.0 By