Influência dos diferentes solventes na avaliação da capacidade antioxidante in vitro de frutos e sementes de pitaia (Hylocereus polyrhizus)

Priscila Nehring, Siluana Katia Tischer Seraglio, Luciano Valdemiro Gonzaga, Roseane Fett, A. C. O. Costa

Resumo


A pitaia (Hylocereus polyrhizus) é um fruto que tem ganhado destaque devido as características peculiares deste fruto e aos compostos bioativos em sua composição. Portanto, o presente trabalho buscou verificar o conteúdo de compostos fenólicos totais e capacidade antioxidante  in vitro de frutos e sementes de pitaia produzidos e coletados em Santa Catarina, buscando avaliar solventes e sistemas de extração. No preparo das amostras, as sementes foram desidratadas triturados e as sementes lavadas, secas e trituradas. Em seguida, foram submetidas a dois sistemas de extração, agitação por rotação em geladeira e ultrassom, ambos por 1h e utilizados dois solventes diferentes, acetona 80% e metanol 0,1% HCl. Para o fruto inteiro, observa-se que para fenólicos totais e capacidade antioxidante não houve diferença significativa entre os métodos de extração em relação ao solvente metanol 0,1% HCl. Já entre diferentes solventes observa-se que os maiores valores foram para metanol 0,1% HCl, indicando ser o solvente de extração mais eficiente para o fruto pitaia. Já para a semente desidratada, os teores de fenólicos totais não diferiam estatisticamente entre os métodos de extração para cada solvente, sendo que os maiores valores foram para metanol 0,1% HCl. Para capacidade antioxidante por ambos os métodos, o melhor sistema de extração foi ultrassom e a acetona 80%. Os maiores valores de fenólicos totais e capacidade antioxidante foram encontrados para semente desidratada.  


Palavras-chave


pitaia (Hylocereus polyrhizus); extração; compostos bioativos

Texto completo:

PDF

Referências


BENZIE, I. F. F.; STRAIN, J. J. The ferric reducing ability of plasma (frap) as a measure of “antioxidant power”: The FRAP assay. Anal. Biochem., v. 239, p. 70-76, 1996.

BRAND-WILLIAMS, W.; CUVELIER, M. E.; BERSET, C. Use of a free radical method to evaluate antioxidant activity. Lebensm Wiss. Technol., v. 28, p. 25-30, 1995.

DEMBITSKY, V. M.; POOVARODOM, S.; LEONTOWICZ, H.; LEONTOWICZ, M.; VEARASILP, S.; TRAKHTENBERG, S.; GORISTEIN, S. The multiple nutrition properties of some exotic fruits: biological activity and active metabolites. Food Res. Int., v.44, p. 1671-1701, 2011.

HOR, S. Y.; MARIAM, A.; FARSI, E.; YAM, M. F.; HASHIM, M. A.; LIM, C. P.; SADIKUN, A.; ASMAWI, M. Z. Safety assessment of methanol extract of red dragon fruit (Hylocereus polyrhizus): Acute and subchronic toxicity studies. Regul. Toxicol. Pharm., v. 63, p. 106-114, 2012.

KIM, D.; LEE, K.; LEE, H.; LEE, C. Vitamin C equivalent antioxidant capacity (VCEAC) of phenolics phytochemicals. J. Agri. Food Chem, v. 50, p. 3713–3717, 2002.

LORENZI, H.; BACHER, L; LACERDA, M.; SARTORI, S. Frutas brasileiras e exóticas cultivadas (de consumo in natura). Nova Odessa: Instituto Plantarum de Estudos da Flora, 2006. 640,30 p.

MUHAMMAD, K.; MOHD, N. I.; GANNASIN, S. P.; MOHD, N.; BAKAR, A. D. High methoxyl pectin from dragon fruit (Hylocereus polyrhizus) peel. Food Hydrocolloid., v. 42, p. 289-297, 2014.

SINGLETON, V. L.; ROSSI, J. A. J. Colorimetry of total phenolics with phosphomolybdic-phosphotungstic acid reagents. Am. J. Enol. Viticult., v. 16, p. 144-158, 1965.

WANITCHANG, J.; TERDWONGWORAKUL, A.; WANITCHANG, P.; NOYPITAK, S. Maturity sorting index of dragon fruit: Hylocereus polyrhizus. J. Food Eng., v. 100, p. 409-416, 2010.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista do Congresso Sul Brasileiro de Engenharia de Alimentos, Pinhalzinho, Santa Catarina, Brasil. ISSN 2447-3650.

Classificação Qualis - CAPES:

Ciências Ambientais B5

Engenharias II B5

A Revista CSBEA está indexada nos repositórios Latindex, Livre e Sumários.org

Conteúdos do periódico licenciados sob uma Licença Creative Commons 4.0 By