Caracterização sensorial e físico-química do queijo tipo Petit Suisse elaborado a base de leite de ovelha com teor reduzido de lactose e diferentes concentrações de gordura e estabilizantes

Emanoela Regina Matiello, Priscila Fiel Bueno, Vinícius Badia, Gabriela Polmann, Elisandra Rigo, Lucíola Bagatini

Resumo


O leite de ovelha apresenta grande importância como matéria prima na industrialização de alimentos por apresentar vários benefícios, contudo o seu teor de lactose é próximo aos demais, portanto estudos que viabilizem a produção de lácteos com teor reduzido de lactose passam a ser necessários para este tipo de leite também. Deste modo, o presente estudo teve por objetivo avaliar a influência da variação da concentração de gordura e estabilizante nas características sensoriais do queijo tipo petit suisse sabor morango, elaborado a base de leite de ovelha com teor de lactose reduzido pela hidrólise deste com a enzima Prozyn Lactase. As formulações seguiram a variação de gordura e estabilizante conforme planejamento experimental, onde a gordura variou entre 2, 8 e 14% e o estabilizante 0,5; 1 e 1,5%. Caracterizou-se física e quimicamente cinco formulações do queijo, e ao final da análise verificou-se que umidade, cinzas, pH e lipídeos foram influenciados pela variação de gordura e estabilizante. As cinco formulações do produto também foram submetidas a análise microbiológica de NMP.g-1 de coliformes termotolerantes, contagem de Estafilococos coagulase positiva e Salmonella sp., sendo que todas obtiveram resultados dentro dos padrões. Realizou-se a avaliação da aceitação do produto através de escala hedônica, a qual indicou que a amostra preferida foi a formulação que possuía maior teor de gordura e estabilizante.


Palavras-chave


Leite ovino; hidrólise; petit suisse; sensorial

Texto completo:

PDF

Referências


ADITIVOS E INGREDIENTES. Intolerância à lactose e produtos lácteos com teor baixo de lactose. P. 31-37, Nº 66, Fev. 2010. Disponível em: http://www.insumos.com.br/aditivos_e_ingredientes/materias/143.pdf. Acesso em 26/06/2015. BRASIL, Instrução Normativa n°53, de 29 de dezembro de 2000. Aprova o Regulamento Técnico de Identidade e Qualidade do Queijo Petit Suisse. Ministério da Agricultura, Pecuária e do Abastecimento. Secretaria de Defesa Agropecuária. 2000.

BRASIL, Instrução Normativa n°62, de 26 de agosto de 2003. Oficializa os Métodos Analíticos Oficiais para Análises Microbiológicas para Controle de Produtos de Origem Animal e Água. Ministério da Agricultura, Pecuária e do Abastecimento. Secretaria de Defesa Agropecuária. 2003.

BRASIL, Instrução Normativa n°68, de 12 de dezembro de 2006. Oficializa os Métodos Analíticos Oficiais Fisico-Quimicos para controle de Leite e produtos Lácteos. Ministério da Agricultura, Pecuária e do Abastecimento. Secretaria de Defesa Agropecuária. 2006.

CAMPOS, L. Aspectos benéficos do leite de ovelha e seus derivados. Casa da Ovelha. 2011. Disponível em: < http://www.casadaovelha.com.br/files/pesquisa_tecno_cientifica.pdf>. Acesso em 14/02/2015.

CARDARELLI, H. R. Desenvolvimento de queijo petit suisse simbiótico. São Paulo, 2006. Tese (Doutorado em Tecnologia de Alimentos). Departamento de tecnologia Bioquímico-Farmacêutica - Universidade de São Paulo.

FERREIRA, M. I. C. Produção de leite de ovelhas. Rehagro. Belo Horizonte/ MG. 2007. Disponível em: < http://rehagro.com.br/plus/modulos/noticias/ler.php?cdnoticia=1580>. Acesso em 14/02/2015.

FRANCO, B. e LANDGRAF, M. Microbiologia dos alimentos. 2.ed. São Paulo: Atheneu, 2005. 182p

GUERRA, J.. Produção de queijos no Brasil deve ultrapassar 1,0 milhão de toneladas em 2013. Scot consultoria. 2013. Disponível em: https://www.scotconsultoria.com.br/noticias/artigos/28592/producao-de-queijos-no-brasil-deve-ultrapassar-10-milhao-de-toneladas-em-2013.htm. Acesso em 24/03/2015.

INSTITUTO ADOLFO LUTZ. Métodos físico-químicos para análise de alimentos. 4. ed, Brasília: Instituto Adolfo Lutz, 2004.

MARUYAMA, L. Y.; CARDARELLI, H. R.; BURITI, F. C. A.; SAAD, S. M. I. Textura Instrumental de queijo petit suisse potencialmente probiótico: inluência de diferentes combinações de gomas. Ciê. e Tec. de Alim. Campinas. p. 386-396. Abr-jun. 2006.

MINIM, V. P. R. Análise sensorial: estudos com consumidores. Viçosa: Editora UFV, 2010.

MORAIS, O. R. de. Produção e mercado de leite ovino. VIII Cong. Latinoamericano de Espec. en Peq. Rumiantes y Camélidos Sudamericanos. p. 63 á 68. 2013.

NOVA legislação comentada de produtos lácteos. n. 3, São Paulo: Setembro, 2011.

RAMOS, M. e JUAREZ, M. The composition of ewe’s and goat’s milk. IDF-Bulletin, Doc. N° 140: 5-19. 1981

RESENDE, M. Produção de leite sem lactose, intolerância e alergia ao leite. Milkpoint. Escola de Veterinária da UFMG. 2013.

SANGALLI, P. Avaliação da adição de diferentes concentrações de lactase no grau de hidrólise do leite de ovelha. TCC - UDESC, Universidade do Estado de Santa Catarina, Pinhalzinho, SC. 2014.

SANTOS, D. P. dos. Intolerância à lactose: mitos, verdades e os cuidados com os excessos. Jor. CABESP. Edição n° 115. Dezembro de 2015.

SILVA, N.; JUNQUEIRA, V. C. A.; SILVEIRA, N. F. A. Manual de métodos de análise microbiológica de alimentos. 2. ed. São Paulo: Varela, 2001.

SOUZA, V. R. de; CARNEIRO, J. de D. S.; PINTO, S. M.; SOUZA, A. B. de e STEPHANI, R. Efeito da concentração de gordura nas propriedades físicas, químicas e sensoriais do queijo petit suisse elaborado com retenção de soro. Rev. Inst. Latic. “Cândido Tostes”, Mai/Jun, nº 386, 67, pg. 20-28, 2012.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista do Congresso Sul Brasileiro de Engenharia de Alimentos, Pinhalzinho, Santa Catarina, Brasil. ISSN 2447-3650.

Classificação Qualis - CAPES:

Ciências Ambientais B5

Engenharias II B5

A Revista CSBEA está indexada nos repositórios Latindex, Livre e Sumários.org

Conteúdos do periódico licenciados sob uma Licença Creative Commons 4.0 By