Mangal e Mucambo: diálogos de memórias e identidades entre comunidades tradicionais

Sandra Nivia Soares de Oliveira, Izabel Dantas de Menezes

Resumo


Os quilombos e as comunidades de fundo de pasto são denominados comunidades tradicionais porque, dentre outras peculiaridades, se utilizam de elementos de sua tradição cultural ancestral para produzir e reproduzir a existência no lugar onde vivem. Nesse contexto, a terra sempre foi elemento fundante na construção da identidade e na reprodução da vida dessas comunidades. O quilombo de Mangal e Barro Vermelho e a comunidade de Mucambo – objetos de análise neste texto – vivenciaram um processo sofrido de luta pela (re)conquista da terra ancestral visto que, embora fincados nela por longo tempo, quase foram usurpados por fazendeiros ou empresas interessadas nessas terras em razão do seu valor econômico. Neste trabalho, apresentamos os diálogos de memórias entre essas duas comunidades, situadas em diferentes regiões do estado da Bahia, no Brasil, demonstrando as intersecções entre as respectivas histórias, reveladoras de uma memória coletiva que atravessa tempos e espacialidades. Os dados que sustentam as discussões que aqui apresentamos são oriundos de uma dissertação de mestrado (2006) e de uma tese de doutorado (2013) que se utilizaram da história oral como metodologia e da entrevista como técnica de coleta de dados.

 

Palavras-chave: Quilombos -Bahia. Posse da Terra. Propriedade Territorial.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5965/1984724619402018221