Capitalismo, território e conflitos: a resistência dos povos e comunidades tradicionais no Brasil

Anatália Daiane de Oliveira, Cristiano Apolucena Cabral, Eva Emília Freire do Nascimento Azevedo, Edson Caetano

Resumo


Esse texto tem como objetivo refletir sobre a territorialização do capital e a capitalização do território na realidade brasileira, numa contraposição à perspectiva difundida na contemporaneidade, em que persiste o discurso de superação da crise e do suposto desenvolvimento do país. O processo de expropriação dos territórios e da natureza tem trazido inúmeros conflitos e impactos aos povos e comunidades tradicionais frente ao modo de produção capitalista. Esse texto é uma revisão bibliográfica sobre o assunto em questão, a partir do materialismo histórico dialético. Conclui-se que, apesar das tensões e dos conflitos existentes entre os capitalistas e os povos e comunidades tradicionais e, da tentativa do capital em desapropriar e negar o acesso à terra – especialmente por meio da violência, da grilagem e da invasão das terras e da exploração da força de trabalho –, existem, por parte dos povos e comunidades tradicionais, a persistência e a resistência em continuar produzindo suas existências em contraposição aos valores e à lógica ora vigentes.

 

Palavras-chave: Capitalismo. Território. Conflitos. Resistência. Agronegócio. Povos e Comunidades Tradicionais.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5965/1984724619402018186