A "Havana" de Camila Cabello: um estudo da canção, videoclipe e representações latino-americanas

Igor Lemos Moreira

Resumo


O artigo discute, a partir de referenciais sobre o estudo da canção na História e da História do Tempo Presente, a música Havana (ft. Young Thug) da cantora Camila Cabello, lançada em 2017. Através da articulação entre canção e videoclipe, pretende-se discutir abordar a música enquanto um processo fluido e relacional em determinados contextos (GONZALEZ, 2016), assim como articuladora de representações em torno da questão latina nos Estados Unidos, a partir das relações com as temporalidades. Como pressuposto teórico-metodológico, parte-se da perspectiva da análise de narrativas para compreender os processos de elaboração de histórias, intrigas e representações por meio de construções simbólicas e da ordenação de temporalidades na canção e em seu clipe. O estudo realizado possibilitou perceber algumas características que envolvem fenômenos da história da música pop contribuindo para a discussão a respeito da música na indústria cultural contemporânea.


Palavras-chave


Camila Cabello; canção; música popular - Estados Unidos;

Texto completo:

PDF

Referências


ARTIÉRES, Philippe. Arquivar a própria vida. Revista Estudos Históricos, v. 11, n. 21, p. 9-34, 1998.

BELL, Sadie. Camila Cabello releases new songs ‘havana’ featuring Young Thug & ‘OMG’ featuring Quavo. Billboard, 3 ago. 2017. Disponível em: https://www.billboard. com/articles/columns/pop/7889755/camila-cabello-new-songs-havana-young-thugomg-quavo. Acesso em: 13 jan. 2019.

BENJAMIN, Walter. A obra de arte na era de sua reprodutibilidade técnica. In: ______. Obras escolhidas I. São Paulo: Brasiliense, 1987.

BOURDIEU, Pierre. A ilusão biográfica. In: AMADO, Janaína; FERREIRA, Marieta de Moraes (Org.). Usos e abusos da história oral. Rio de Janeiro: Editora da FGV, 2006. p. 183-191.

BOURDIEU, Pierre. As regras da arte: gênese e estrutura do campo literário. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

CAMILA Cabello / Havana (HQ) / Legendado (PT/BR). Música: Havana. [S. l.]: Celebrs, 2017. 1 vídeo. (2min18seg), son., color. Legendado. Publicado pelo canal do Youtube CELEBRS. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=L7KekXndyW4. Acesso em: 13 jan. 2019.

CABELLO, Camila. Camila Cabello Talks CAMILA, Demi Lovato & Havana. United States: Zach Sang Show (4min35s). son., color. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=b6S-cVgx-Kc&feature=youtu.be&t=24m16s. Acesso em: 14 jan. 2019.

CANCLINI, Néstor García. Latino-americanos à procura de um lugar neste século. São Paulo: Iluminuras, 2008.

CANCLINI, Néstor García. Culturas Híbridas. 4. ed., 7 reimp. São Paulo: Edusp, 2015.

CHARTIER, Roger. O mundo como representação. Estudos Avançados, São Paulo, v. 5, n. 11, jan./abr. 1991.

CHION, Michel. A audiovisão: som e imagem no cinema. Lisboa: Texto & Grafia, 2008.

CHOMSKY, Aviva. História da Revolução Cubana. São Paulo: Veneta, 2015.

CIRISANO, Tatiana. Camila Cabello Will Hit the Road With Bruno Mars for 24K Magic Tour. Billboard, 27 jun. 2017. Disponível em: https://www.billboard.com/articles/news/7849196/camila-cabello-bruno-mars-24k-magic-tour. Acesso em: 13 jan. 2019

COOK, Nicholas. Analysing Musical Multimedia. Oxford: Oxford University Press, 1998.

DOMENICI, Catarina. A performance musical e o gênero feminino. In: NOGUEIRA, Isabel Porto; FONSECA, Susan Campos. Estudos de gênero, corpo e música: abordagens metodológicas. Goiânia, Porto Alegre: ANPPOM, 2013.

FRITH, Simon. Performing rites: on the value of popular music. Cambridge, Massachusetts: Harvard University Press, 1998.

GONZÁLEZ, Juan Pablo. Pensando a música a partir da América Latina: problemas e questões. São Paulo: Letra e Voz, 2016.

HAGEMEYER, Rafael. História & Audiovisual. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2012.

HANSON, Matt. Reinventing music video. Oxford, UK: Focal Press, 2006.

HARTOG, François. Regimes de historicidade: presentismo e experiências do tempo. Belo Horizonte: Autêntica, 2013.

HAVANA. Intérpretes: Camila Cabello e Young Thug. In: CAMILA. US: Epic Records/Syco, 2017. 1 CD, Faixa 4 (3min37seg).

HAYASAKI, Erika. From Cuba, With Dreams. Glamour, Condé Nast Publications, p. 176-177, may 2017.

HERMETO, Miriam. Canção popular brasileira e ensino de história: palavras, sons e tantos sentidos. Belo Horizonte: Autêntica, 2012.

HOLLANDA, Heloisa Buarque de; CUNTO, Julia de; BOGADO, Maria. Na Música. In: HOLLANDA, Heloisa Buarque de. Explosão feminista: arte, cultura, política e universidade. São Paulo: Companhia das Letras, 2018.

KOSELLECK, Reinhart. Futuro passado: contribuição à semântica dos tempos históricos. Rio de Janeiro: Ed. PUC-Rio, Contraponto, 2006.

KOSELLECK, Reinhart. Estratos do tempo: estudos sobre a História. Rio de Janeiro: Contraponto, Ed. PUC-Rio, 2014.

LUGONES, María. Colonialidad y Género. Revista Tabula Rasa, Bogotá, n. 9, p. 73-101, jul./dic. 2008.

MACEDO, Káritha Bernardo de. Carmen Miranda em Hollywood: filmes para uma boa vizinhança. 2014. 244 f. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade do Estado de Santa Catarina, Florianópolis, 2014.

MARTÍNEZ CANO, Silvia. Las divas del pop y la identidad feminista: reivindicación, contradicción y consumo cultural. Revista Investigaciones Feministas, v. 8, n. 2, p. 475-492, 2017.

MARTINS, Chris. Gone Girl. Billboard, Nielsen Company, v. 129, n. 5, p. 44-51, 25 feb. 2017.

MAUAD, Ana Maria. Através da imagem: fotografia e história interfaces. Tempo, Rio de Janeiro, v. 1, n. 2, p. 73-98, 1996.

MIGNOLO, Walter. Colonialidade. O lado mais escuro da modernidade. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 32, n. 94, p. 1-17, jun. 2017.

MOREIRA, Igor Lemos. Uma estrela em ascensão: o portal popline e a rápida ascensão na carreira multimídia da cantora Camila Cabello. Revista Transversos, v. 0, p. 81-91, 2017.

MOLINA, Sergio. Música de montagem: a composição de música popular no pós-1967. São Paulo: É Realizações, 2017.

MOTTA, Luiz Gonzaga. Análise Crítica da Narrativa. 1. ed. Brasília: Editora da UnB, 2013.

MOTTA, Luiz Gonzaga. Análise pragmática da narrativa jornalística. In: LAGO, Cláudia; BENETTI, Marcia (Orgs.). Metodologia da pesquisa em jornalismo. Petrópolis: Vozes, 2007. p. 144-167.

NAPOLITANO, Marcos. História & música: história cultural da música popular. 3. ed. rev. Belo Horizonte: Autêntica, 2016.

NORA, Pierre. Entre memória e história: a problemática dos lugares. Projeto História, São Paulo, PUC-SP, n. 10, p. 1, 1993.

NOGUEIRA, Isabel Porto. Lugar de fala, lugar de escuta: criação sonora e performance em diálogo com a pesquisa artística e com as epistemologias feministas. Revista Vórtex, v. 5, p. 1-20, 2017.

OLIVEIRA, Márcia Ramos de. Uma leitura histórica da produção de Lupcínio Rodrigues. Tese (Doutorado) – UFRGS, Porto Alegre, 2002.

PALACIOS, María. Feminismos expandidos, queer y poscoloniales em la musicologia histórica. In: NOGUEIRA, Isabel Porto; FONSECA, Susan Campos (Orgs.). Estudos de gênero, corpo e música: abordagens metodológicas. Goiânia, Porto Alegre: ANPPOM, 2013.

PEREIRA, Simone Luci. Matrizes e mediações das canções românticas na América Latina. In: ULHOA, Martha; PEREIRA, Simone Luci (Orgs.). Canção romântica: intimidade, mediação e identidade na América Latina. 1. ed. Rio de Janeiro: Folio Digital, Letra e Imagem, 2016. p. 25-46.

PRADO, Maria Ligia. Ser ou não ser um bom vizinho: América Latina e Estados Unidos durante a guerra. Revista da USP, São Paulo, p. 52-61, jun./ago. 1995.

RANCIÈRE, Jacques. Figuras da história. São Paulo: Editora Unesp, 2018.

REYNOLDS, Simon. Retromania: pop culture’s addiction to its own past. New York: Macmillan, 2011.

RICOEUR, Paul. O si-mesmo como um outro. Campinas: Papirus, 1991.

RICOEUR, Paul. Tempo e Narrativa (Tomo I). Campinas: Papirus, 1994.

RICOEUR, Paul. A memória, a história, o esquecimento. Campinas: Unicamp, 2008.

ROJAS, Yesid Penagos. Lenguajes del poder. La música reggaetón y su in uencia en el estilo de vida de los estudiantes. Plumilla Educativa, n. 10, p. 290-305, 2012.

ROSENSTONE, Robert. A história nos filmes, os filmes na história. 2. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2010.

SARDO, Susana. Guerras de Jasmim e Mogarim: música, identidade e emoções em Goa. Alfragide: Texto Editores LDA, 2010.

SARLO, Beatriz. Cenas da vida pos-moderna: intelectuais, arte e video-cultura na Argentina. 4. ed. Rio de Janeiro: Ed. da UFRJ, 2006.

SCHAFER, R. Murray. A afinação do mundo: uma exploração pioneira pela história passada e pelo atual estado do mais negligenciado aspecto de nosso ambiente: a paisagem sonora. São Paulo: Editora Unesp, 2011.

SCHOULTZ, Lars. Estados Unidos: poder e submissão. Uma História da política norteamericana em relação a América Latina. Bauru: Edusc, 1998.

SOARES, Thiago. Percursos para estudos sobre música pop. In: SÁ, Simone Pereira de; CARREIRO, Rodrigo; FERRARAZ, Rogério (Orgs.). Cultura Pop. Salvador: EDUFBA; Brasilia: Compós, 2015.

OARES, Thiago. Videoclipe: o elogio da desarmonia. Recife: Livro Rápido, 2004.

TATIT, Luiz. Estimar canções: estimativas íntimas na formação do sentido. Ateliê Editorial: São Paulo, 2016a.

TATIT, Luiz. A arte de compor canções. Revista USP, v. 111, p. 11-20, 2016b.

TATIT, Luiz. O “cálculo” subjetivo dos cancionistas. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, v. 59, p. 369-386, 2014.

TATIT, Luiz. Analysing popular songs. In: HESMONDHALGH, David; NEGUS, Keith (Org.). Popular Music Studies. London: Arnold, 2002. p. 33-50.

TEPERMAN, Ricardo. Se liga no som: as transformações do rap no Brasil. São Paulo: Claroenigma, 2015.

VOZICK-LEVINSON, Simon. Perma-Stoned Oddball Young Thug Is the Hottest Voice in Rap. Rolling Stones Magazine, 4 dec. 2014. Disponível em: https://www.rollingstone.com/music/music-features/perma-stoned-oddball-young-thug-is-the-hottest-voicein-rap-66515/. Acesso em: 18 jan. 2019.

ZUMTHOR, Paul. Performance, recepção, leitura. 2. ed. São Paulo: Cosac & Naify, 2007.




DOI: https://doi.org/10.5965/2525530404022019143

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Indexadores, diretórios e bases de dados

                       

 

Licença Creative Commons

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.