Educação Musical e Novas Tecnologias Digitais: Recursos e estratégias no contexto do canto e da flauta doce

Luciane da Costa Cuervo

Resumo


Este trabalho discute o fazer musical contemporâneo permeado pela Cultura Digital, em especial no âmbito da utilização de aplicativos na Educação Musical. Em sua fundamentação, propõe o delineamento de algumas das principais transformações promovidas por recursos associados às Novas Tecnologias Digitais e problematiza possíveis novas habilidades e subsídios necessários aos educadores e músicos hoje. Ilustram a discussão investigações e práticas pedagógicas da autora na utilização de diferentes recursos empregados em seus projetos de ensino, pesquisa e extensão no fomento de práticas musicais a partir do canto coletivo e da flauta doce. Conclui entendendo que a Cultura Digital abarca uma grande variedade de recursos que podem promover e qualificar a performance musical, exigindo para isso novas capacidades do educador musical, bem como de estudantes e profissionais da música. Nesse sentido, também se ampliam as concepções do fazer musical e do próprio conceito de musicalidade.

 

Palavras-chave: musicalidade; flauta; cultura digital.


Texto completo:

PDF

Referências


Referências

ANDES. Programa Future-se representa a extinção da Educação Federal Pública. Sindicato Nacional dos Docentes do Ensino Superior. Disponível em: https://www.andes.org.br/conteudos/noticia/entidades-do-setor-da-educacao-programa-future-se-representa-a-extincao-da-educacao-federal-publica1. Acesso em: 20/07/2019.

ALIEL, Luzilei; GOHN, Daniel Marcondes. Jogos Eletrônicos Musicais e EAD: Contingência de Ferramentas para aprendizagem instrumental. In:

SIED – SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA. ENPED – ENCONTRO DE PESQUISADORES DE EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA, 2012, São Carlos. Anais... São Carlos, USFCAR, 2012.

CALLAGHAN, J., THORPE, W., DOORN, J. The science of singing and seeing. In: R. Parncutt, A. Kessler & F. Zimmer (Eds.) Proceedings of the Conference on Interdisciplinary Musicology (CIM04). 2014, p. 15-18). Graz, Austria. Disponível em: http://gewi.uni-graz.at/~cim04/. Acesso em: 03/03/2019.

DINIZ, Mariana. Entidades científicas são contra o fim do Ministério da Ciência e Tecnologia – Seção Notas e Manifestos. Plataforma Política Social, 2018. Disponível em: Acesso em: 10/04/2019.

GABRIELSSON, Alf. Music Performance Research at the Millennium. Psychology of Music, Society for Education, Music and Psychology Research (SEMPRE), Londres, v. 31, n. 3, p.221- 272, 2003.

GOHN, Daniel Marcondes. Educação musical à distância: abordagens e experiências. Ebook. São Paulo: Cortez, 2013.

______. Educação Musical com as Tecnologias da EAD. In: SILVA, H. L. e Zille, J. A. B. Música e Educação. Série Diálogos com o Som. Ebook. 2015. Disponível em : . Acesso em: 20/03/2019.

FLORES, Luciano Vargas. Uma Infraestrutura para Design da Interação Musical com Dispositivos Móveis Cotidianos. Porto Alegre: UFRGS, 2014. 142f. Tese (Doutorado), Programa de Pós-Graduação em Computação. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2014.

IBGE, INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Síntese de Indicadores Sociais: Uma análise das condições de vida da população brasileira (2018). Disponível em:

https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv101629.pdf. Acesso em: 02/03/2019.

KRAMER, Jonathan. The Impact of Technology on the Musical Experience. 1997. Disponível em: . Acesso em: 12 set.2016.

LEVITIN, Daniel. A Música em seu Cérebro: a história de uma obsessão humana. São Paulo: Civilização Brasileira, 2010.

MULDER, Axel G.E. Virtual Musical Instruments: Accessing the sound synthesis universe as a performer. In: ANNUAL CONGRESS OF THE BRAZILIAN COMPUTING SOCIETY (SBC), 14º. Proceedings of the first Brazilian Symposium on Computer Music. Caxambu, Minas Gerais, Brasil. Anais… UFMG: SBC, 1994. P.243-250.

ONU – Organizações das Nações Unidas. The State of Broadband 2015: Broadband as a Foundation for Sustainable Development. A report The Broadband Commission for Digital Development. ONU, Set./2015. Disponível em: . Acesso em 12/07/2019.

PADILHA, Valquíria; BONIFÁCIO, Renata, Obsolescência planejada: armadilha silenciosa na sociedade de consumo. Le Monde Diplomatique Brasil, Ano 7, n. 74, set. 2013.

THE MUSIC COMMISSION. Retuning our ambition for music learning: every chuld taking music futher (2019). Disponível em: http://www.musiccommission.org.uk/ Acesso em: 02/07/2019.

TEIXEIRA, Adriano Canabarro. Inclusão Digital: Novas Perspectivas para a Informática Educativa. Ijuí: Editora Unijuí, 2010.

VILLAVICENCIO, Cesar. A flauta doce historicamente informada. Ouvirouver. Uberlândia, v. 7 n. 2, p. 308-324, jul./dez. 2011.

______. E-recorder. Página pessoal, 2014. Disponível em: . Acesso em: 12/03/2019.

WANG, Ge. Ocarina: Designing the iPhone’s Magic Flute. Center for Computer Research in Music and Acoustics (CCRMA) Department of Music Stanford University. In: Computer Music Journal, 38:2, p. 8–21, 2014. Massachusetts Institute of Technology.

_____. Ocarina 2 Medley. Página pessoal de Ge Wang. Disponível em: . Acesso em: 12/03/2016.

WEBSTER, Peter Richard. Computer-Based Technology and Music Teaching and Learning. In: R. Colwell & C. Richardson (Eds.). The New Handbook of Research on Music teaching and Learning (pp.416-435). New York: Oxford University Press, 2002a.

WHITACRE, Eric. A virtual choir 2.000 voices strong. Conferência TED, Abril, 2011. Disponível em: . Acesso em: 02 mar.2019.

WILLIAMS, David Brian; WEBSTER, Peter Richard. Experiencing Music Technology. USA: Schirmer Reference, 2006 (3ª Ed.).

WOLFFENBÜTTEL, Cristina Rolim. Música nas escolas públicas municipais do Rio Grande do Sul. Revista Brasileira de Educação, v. 22 n. 71. Disponível em: Acesso em 02 Mar.2019.

XYDAS, Spiros Daniel. Transforming Music Classes and Rehearsals with Compositions and Ipads: Reflections from a Mid-Carrer Music Educator. Tempo – The Official Magazine of the New Jersey Music Educators Association. Troy/Michigan, Baker Middle School, p. 52-53, Mar. 2014.




DOI: https://doi.org/10.5965/2525530404012019120

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Indexadores, diretórios e bases de dados

                       

 

Licença Creative Commons

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.