Educação Musical, Relações Étnico Raciais e Decoloneidade: tensões, perspectivas e interações para a Educação

Leonardo Moraes Batista

Resumo


Esse artigo aponta tensões e aborda perspectivas e interações sobre a decoloneidade para o campo da Educação Musical, com foco na Educação Básica, perpassado pelo debate acerca da Educação das Relações Étnico-Raciais para o ensino da História e Cultura Afro-Brasileira e Africana. O texto aponta silenciamentos e invisibilidades causadas pelos epistemicídios presentes nos currículos e práticas pedagógico-musicais causado por um negrocídio, e apresenta perspectivas epistemológicas e interações curriculares para uma ação pedagógico-musical outra. É empregado, no decorrer do artigo, o enfoque da pesquisa subjetivista, abrangendo o campo teórico com base em perspectivas político-epistemológicas e legislativas, em diálogo com as vozes de autoras e autores que convido  para discutir o tema. Proponho um caminho desobediente às hegemônicas ações estabelecidas pelas estruturas do patriarcalismo, do capitalismo e do colonialismo, impregnados e institucionalizados na sociedade que subalterniza, silencia e invisibiliza a ideia de projeto educativo emancipatório, visto de um âmbito pedagógico-musical. 


Texto completo:

PDF

Referências


ADICHIE, Chimamanda Ngozi. O perigo de uma única história. 2009. Disponível em: . Acesso em: 18 fev. 2018.

ALVES, Nilda. Decifrando o pergaminho – os cotidianos das escolas nas lógicas das redes cotidianas. In: OLIVEIRA, Inês Barbosa; ALVES, Nilda (Org.). Pesquisas nos/dos/com os cotidianos das escolas: sobre redes de saberes. Petrópolis: DP et Alii, 2008.

ARAÚJO, Samuel. Acoustic labor in the timing of everyday life. A critical contribution to the history of samba in Rio de Janeiro. Tese de doutorado em Musicologia. Urbana, IL: University of Illinois em Urbana-Champaign, 1992. Disponível em: . Acesso em: 9 out. 2018.

______. Brega, samba e trabalho acústico: variações em torno de uma contribuição teórica à etnomusicologia. Revista Opus, v. 6, Belo Horizonte: ANPPOM, 1999. Disponível em: . Acesso em: 9 out. 2018.

BHABHA, Homi K. O local da cultura. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 1998.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. República Federativa do Brasil, Brasília, 1996. Disponível em: . Acesso em: 12 fev. 2018.

BRASIL. Lei nº 10.639, de 09 de janeiro de 2003. Altera a Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da Rede de Ensino a obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afro-Brasileira”, e dá outras providências. República Federativa do Brasil, Brasília, 2003. Disponível em: . Acesso em: 12 fev. 2018.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Conselho Pleno. Resolução n. 1, de 17 de junho de 2004. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico-Raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana. República Federativa do Brasil, Brasília, 2004. Disponível em: . Acesso em: 4 fev. 2018.

BRASIL. Lei nº 11.645, de 10 de março de 2008. Altera a Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da Rede de Ensino a obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afro-Brasileira”, e dá outras providências. República Federativa do Brasil, Brasília, 2008b. Disponível em: . Acesso em: 24 mar. 2018.

BRASIL. Lei nº 11.769, de 18 de agosto de 2008. Altera a Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, Lei de Diretrizes e Bases da Educação, para dispor sobre a obrigatoriedade do ensino da música na educação básica. República Federativa do Brasil, Brasília, 2008c. Disponível em: . Acesso em: 12 fev. 2018.

BRASIL. Resolução CNE/CEB nº 2, de 10 de maio de 2016. Define Diretrizes Nacionais para a operacionalização do ensino de Música na Educação Básica. Brasília, DF, 2016b. Disponível em: . Acesso em: 12 jan. 2018.

BRASIL, Anistia Internacional. 2014. Campanha Jovem Negro Vivo. Disponível em: . Acesso em: 12 janeiro de 2018.

CANDAU, Vera Maria Ferrão; OLIVEIRA, Luiz Fernandes de. Pedagogia decolonial e educação antirracista e intercultural no Brasil. Educação em Revista, Belo Horizonte, v. 26, n. 1, p. 15-40, 2010. Disponível em . Acesso em: 18 de fev. 2018.

CAMPBELL, Patricia Shehan. Etnomusicología y educación musical: punto de encuentro entre música, educación y cultura. RIEM: Revista Internacional de Educação Musical, n. 1, p. 42-52, 2013. Disponível em: . Acesso em: 9 out. 2018.

CARVALHO, José Jorge de. Los estudios culturales en América Latina: interculturalidad, acciones afirmativas y Encuentro de Saberes. Tabula Rasa, Bogotá, n. 12, p. 229-251, 2010. Disponível em: . Acesso em: 9 out. 2018.

CARVALHO, José Jorge de; ÁGUAS, Carla. Encontro de Saberes: um desafio teórico, político e epistêmológico. In: SANTOS, Boaventura de Sousa; CUNHA, Teresa (Org.). Actas do Colóquio Internacional Epistemologias do Sul: aprendizagens globais sul-sul, sul-norte e norte-sul. Democratizar a Democracia. Coimbra: Universidade de Coimbra, 2015. v. 1. Disponível em: . Acesso em: 9 out. 2018.

CERTEAU, Michel. A invenção do cotidiano, 1. Artes de fazer. Petrópolis: Vozes, 1994.

FANON, Frantz. Pele negra, máscaras brancas. Bahia: Editora Edufba, 2008.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia. São Paulo: Editora Paz e Terra, 1996.

GOMES, Nilma Lino. O Movimento Negro educador: saberes construídos nas lutas por emancipação. Petrópolis, RJ: Vozes, 2017.

______. Relações étnico-raciais, educação, descolonização dos currículos. Currículo sem Fronteiras. v. 12, n. 1, jan/abr, 2012. p. 90-109. Disponível em: . Acesso em: 9 out. 2018.

______. A questão racial na escola: desafios colocados pela implementação da Lei 10.629/03. In: Multiculturalismo: diferenças culturais e práticas pedagógicas. (Org.) Antônio Flávio Moreira, Vera Marai Candau. 10. Ed. – Petrópolis, RJ: Vozes 2013.

GROSFOGUEL, Ramón. Descolonizando los universalismos occidentales: el pluri-versalismo transmoderno decolonial desde Aimé Césaire hasta los zapatistas. In: CASTRO-GÓMEZ, Santiago & GROSFOGUEL, Ramon (coords.) El giro decolonial: reflexiones para uma diversidad epistêmica más allá del capitalismo global. Bogotá: Siglo del Hombre Editores, Universidad Central, Instituto de Estudios Sociales Contemporáneos, Pontificia Universidad Javeriana, Instituto Pensar. 2007

HALL, Stuart. Identidades culturais na pós-modernidade. Trad. Tomaz Tadeu da Silva; Guacira Lopes Louro. Rio de Janeiro: DP&A, 2006.

IPEA. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. 2017. Atlas da Violência. Disponível em: . Acesso em 12 jan. 2018.

LUCAS, Glaura; QUEIROZ, Luis Ricardo Silva; PRASS, Luciana; RIBEIRO, Fábio Henrique; AREDES, Rubens de Oliveira. Culturas Musicais Afro-Brasileiras: perspectivas para concepções e práticas etnoeducativas em Música. In: Etnomusicologia no Brasil, (Org.) de Angela Luhning e Rosângela Pereira de Tugny. Salvador, BA: Editora UFBA, 2017.

LÜHNING, Ângela. Temas emergentes da etnomusicologia brasileira e seus compromissos sociais. In: Música em perspectiva, v. 7, nº 02, pp. 07-25. Curitiba: UFPR, 2014. . Acesso em: 9 out. 2018.

MALDONADO-TORRES, Nelson. Pensamiento crítico desde la sub-alteridad: los estudios étnicos como ciencias descoloniales o hacia la transformación de las humanidades y las ciencias sociales en el siglo veintiuno. In: Saavedra, José Luis (Ed.). Educación superior, interculturalidad y descolonización, p. 145-174. La Paz: Programa de Investigación Estratégica en Bolivia; Comité Ejecutivo de la Universidad Boliviana, 2007. Disponível em: . Acesso em: 9 out. 2018.

MIGNOLO, Walter. Desafios decoloniais hoje. In: Revista Epistemologias do Sul. Foz do Iguaçu – PR, (1), p.12-32, 2017.

______. Histórias locais/projetos globais: colonialidade, saberes subalternos e pensamento liminar. Tradução de Solange Ribeiro de Oliveira. Belo Horizonte, Ed. UFMG, 2003.

QUEIROZ, Luis Ricardo Silva; MARINHO, Vanildo Mousinho. Educação musical e etnomusicologia: lentes interpretativas para a compreensão da formação musical na cultura popular. Opus, v. 23, n. 2, p. 62-88, 2017. . Acesso em: 9 out. 2018.

QUEIROZ, Luis Ricardo Silva. Traços de colonialidade na educação superior em música do Brasil: análises a partir de uma trajetória de epistemicídios musicais e exclusões. In: REVISTA DA ABEM, Londrina, v.25, n.39, 132-159, jul.dez. 2017. Disponível em: (http://www.abemeducacaomusical.com.br/revistas/revistaabem/index.php/revistaabem/article/view/726/501). Acesso em: 9 out. 2018.

QUIJANO, Anibal. Colonialidade do poder e classificação social. In: SANTOS, Boaventura de Sousa; MENESES, Maria Paula. (Orgs.). Epistemologias do Sul. São Paulo: Cortez, 2010.

RIBEIRO, Djamila. O que é lugar de fala?. São Paulo: Grupo Editorial Letramento, 2017.

SANTOS, Boaventura Souza. Toward a New Comoon Sense: law, Science and politics in the oaradigmatic transisition. Nova Iorque: Routledge, 1995.

______. Para além do pensamento abissal: das linhas globais a uma ecologia dos saberes In: SANTOS, Boaventura de Sousa; MENESES, Maria Paula. (Orgs.). Epistemologias do Sul. São Paulo: Cortez, 2010.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Indexadores, diretórios e bases de dados


                   

   

 

Licença Creative Commons

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.