Stan Getz em Samba de uma Nota Só: Um exemplo da conjunção das abordagens horizontal e vertical na construção de uma coerência na improvisação.

Luis Felipe Gomes

Resumo


Estudo analítico da improvisação de Stan Getz e outros aspectos interpretativos presentes em Samba de uma Nota Só, faixa do álbum Jazz Samba lançado em 1962. A partir do registro fonográfico, cuja transcrição foi realizada pelo autor do presente artigo, observa-se como o saxofonista desenvolve, a partir da conjunção das abordagens horizontal e vertical (RUSSEL 2001), uma improvisação coerente.  Outrossim, confirma-se elementos do cool jazz e do bebop, duas das instancias artísticas até então vivenciadas pelo músico e que estão atreladas ao seu estilo pessoal. No que diz respeito a outras questões de interpretação, são flagradas adaptações da composição de Tom Jobim e Newton Mendonça vinculadas aos moldes da linguagem jazzista. A análise revela também questões de hibridismo entre a linguagem da música norte americana e a brasileira. Com isso, o trabalho significa uma contribuição aos estudos sobre improvisação, vindo a somar-se na perspectiva das práticas interpretativas em música popular.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5965/2358092515152016111



Indexadores, diretórios e bases de dados


         

Revista Nupeart - Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC - Centro de Artes - CEART

Endereço: Av. Madre Benvenuta, 1907 - Itacorubi - Florianópolis - SC - CEP: 88035-001

ISSN 2358-0925 


 
Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.