Antropofagia e hibridismo no teatro de animação brasileiro

Fábio Henrique Nunes Medeiros

Resumo


Este texto objetiva apontar características antropofágicas e híbridas (referenciadas em conceitos de Oswald de Andrade e Nestor Garcia Canclini) presentes no trabalho de quatro grupos brasileiros de teatro de animação. São analisados espetáculos cujas estréias aconteceram nos últimos dez anos: Filme Noir (2004), Cia. Pequod – RJ; Pinocchio (2006) Giramundo – MG; Babau ou a Vida Desembestada do Homem que Tentou Engabelar a Morte (2006) Mão Molenga – PE; e A Salamanca do Jarau (2007),Cia. Teatro Lumbra - RS. O estudo destaca como as idéias de hibridação e antropofagia, recorrentes nestes espetáculos, são trabalhadas de diferentes maneiras nas referidas encenações evidenciando a multiplicidade de procedimentos presentes nos mesmos.

Palavras-chave: Antropofagia; hibridismo; teatro de animação brasileiro.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5965/2595034701072010058

Direitos autorais 2018 Móin-Móin - Revista de Estudos sobre Teatro de Formas Animadas



Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

INDEXADORES, DIRETÓRIOS E BASES DE DADOS: