A Regra de Três nos currículos ao longo da história

Oscar Silva Neto

Resumo


Este trabalho tem o objetivo de estudar a historia da Regra de Três ao longo do tempo, a partir dos anos 30, com a Reforma Campos, até os dias atuais. Além disso, quer discutir se essa também famosa e secular regra é realmente indispensável na resolução de problemas de proporcionalidade e de que maneira problemas dessa natureza podem ser resolvidos no Ensino Fundamental. Uma pesquisa nos programas e currículos de momentos marcantes na História da Matemática no Brasil foi feita para saber o lugar que a Regra de Três ocupou e ocupa nesses programas e currículos. Ao final, conclui-se que, através de funções, é possível resolver problemas sem um “receituário mágico” e confirma-se que é perfeitamente aceitável o desenvolvimento do conteúdo “funções” no sétimo ano do Ensino Fundamental e que a Regra de Três pode ser, de fato, retirada dos livros didáticos e do rol de conteúdos a serem ensinados.


Texto completo:

PDF

Referências


ALVAREZ, Tana Giannasi. A Reforma Campos em ação no Ginásio da Capital de São Paulo. In: ____ . A Matemática da Reforma Francisco Campos em ação no cotidiano escolar. Dissertação (Mestrado) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. São Paulo, 2004.

BERNAL, Márcia Maria. Estudo do objeto proporção: elementos de sua organização matemática como objeto a ensinar e como objeto ensinado. Florianópolis: PPGECT/UFSC, 2004. 170 p. Dissertação de Mestrado.

BRASIL. Ministério da Educação e Saúde. Portaria nº 1045, de 14 de dezembro de 1951. Expede os planos de desenvolvimento dos programas mínimos de ensino secundário e respectivas instruções metodológicas. Diário Oficial, 14 fev. 1952. Seção I. Suplemento.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: Matemática. Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC / SEF, 1998. 148 p.

CARRAHER, Terezinha Nunes; CARRAHER, David William; SCHLIEMANN, Analúcia Dias; RUIZ, Edvirges Rodrigues Liberado. Proporcionalidade na educação científica e matemática: quantidades medidas por razões. R. bras. Est. Pedag., Brasília, 67(155): 93-107, jan/abr. 1986.

CARRAHER, Terezinha Nunes; SCHLIEMANN, Analúcia Dias; CARRAHER, David William. Proporcionalidade na educação científica e matemática: uma análise de tarefas piagetianas. R. bras. Est. Pedag., Brasília, 67(155): 93-107, jan/abr. 1986.

CARRAHER, Terezinha Nunes; CARRAHER, David William; SCHLIEMANN, Analúcia Dias. Proporcionalidade na educação científica e matemática: desenvolvimento cognitivo e aprendizagem. R. bras. Est. Pedag., Brasília, 67(155): 93-107, jan/abr. 1986.

IMENES, Luiz Márcio P.; JAKUBOVIC, José; ÁVILA, Geraldo; LIMA, Elon Lages; GUELLI, Oscar. Esqueça a regra de três. In: Cálculo – matemática para todos, São Paulo, ano 1, n. 5, p. 26-31, 2011.

LIMA, Elon Lages; CARVALHO, Paulo César Pinto; WAGNER, Eduardo; MORGADO, Augusto César. Temas e Problemas Elementares. Rio de Janeiro: Sociedade Brasileira de Matemática, 2005.

PAIVA, Manoel. Matemática – volume único. São Paulo: Moderna, 2005.

PIERRO NETTO, Scipione di. Matemática na escola renovada: curso ginasial. São Paulo: Saraiva, 1970.

RIBEIRO, Jackson da Silva. Projeto Radix: matemática. 7º ano. São Paulo: Scipione, 2009.

VALENTE, Wagner R. (org). A Matemática do Ginásio: livros didáticos e as Reformas Campos e Campanema. Publicação do GEMAT – Grupo de Pesquisa de História da Educação Matemática no Brasil. Fapesp, 2005. 1 CD-ROM

VALENTE, Wagner. R. Programas e livros didáticos modernos para o ensino de matemática no Brasil: de Euclides Roxo a Osvaldo Sangiorgi. In: MATOS, J. M.; VALENTE, W. R. (orgs.). A reforma da Matemática Moderna em contextos ibero-americanos. Lisboa: UIED, 2010.

ZAMBUZZI, Orlando A. Matemática: com estudo dirigido. 3ª ed. rev.. São Paulo: Ática, 1975.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.