Criando uma cultura de projetos numa comunidade de aprendizagem e de prática.

Ana-Nére Almeida Rezende de Moura, Maria de Lurdes Dias de Carvalho

Resumo


Esta comunicação reúne componentes de uma pesquisa que se encontra em desenvolvimento, por ocasião da realização de um curso de Doutorado na Universidade do Minho-PT. Aborda procedimentos científicos pertencentes ao campo de investigação de uma pesquisa qualitativa com o propósito de intervenção, numa dimensão dialética reflexiva, envolvendo os projetos de trabalho como meio articulador do currículo escolar. Os estudos estão sendo realizados junto ao coletivo de professores da escola e a grupos de crianças, que se encontram sob a responsabilidade dos professores participantes do processo de investigação. Tendo em vista a escola desenvolver um trabalho idealizado a partir da pedagogia de projetos, o propósito da intervenção é favorecer a mudança na prática cotidiana dos professores, contribuindo para que possa ser constituída uma cultura de projetos aberta a formação de uma comunidade de aprendizagem O foco aqui proposto é perceber a realidade cotidiana escolar pela ótica da teoria e da prática de forma a serem criadas possibilidades de transformação e inovação relevantes para a comunidade escolar.


Texto completo:

PDF

Referências


ALONSO, Maria Luisa. Inovação Curricular: Transformar o currículo, melhorar a escola. In Francisco Sousa, Luísa Alonso e Maria do Céu Roldão (Orgs.). Investigação para um curriculo relevante. Coimbra: Almedina, 2013.

ARANHA, M. L. Filosofia da Educação. São Paulo: Moderna, 1989.

BARBIER, R. A pesquisa-ação. Brasilia: Liber Livro Editora, 2007.

Catela, Hermengarda. Comunidades de aprendizagem: em torno de um Conceito. Revista de Educação, Vol. XVIII, nº 2, 2011, 31 – 45, 2011.

CRESWEL, J. W. Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. Porto Alegre: Artmed, 2010.

ELBOJ, C; PUIGDELLÍVOL, I. SOLER, M. & VALLS, R. Comunidades de Aprendizaje: transformar la educación. Barcelona: Graó, 2012.

FREIRE, Paulo Pedagogia da autononia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e terra, 2011.

HERNANDÉZ, Fernando. Transgressão e mudança na educação: os projetos de trabalho. Porto Alegre: Artmed, 1998.

LESSARD-HERBERT, M. GOYETTE, G. & BOUTIN, G. Investigação qualitativa: fundamentos e práticas. Lisboa: Instituto Piaget, 2008.

MELLO, Roseli Rodrigues de; BRAGA, Fabiana Marini; GABASSA, Vanessa. Comunidades de Aprendizagem: outra escola é possível. São Carlos: EduFSCar, 2014.

MORIN, E. El método: la naturaliza de la naturaliza. Madrid: Cátedra, 1981.

MUZAS, M. D. & BLANCHERD, M. Propostas metodlógicas para professores reflexivos: como trabalhar com a diversidade em sala de aula. São Paulo: Paulinas, 2008.

PIAGET, Jean. & INHELDER, B. A psicologia da criança. Rio de Janeiro: Brasil, 2003.

Ressel, L. B; Beck, C. L. C; Gualda, D. M.R; Hoffmann, I.C; Silva, R. M; & Sehnem, G. D. O uso de grupo focal em pesquisa qualitativa. Texto e Contexto, 17(4), 779-786. Disponível online em http://www.index-f.com/textocontexto/1708/17-779786.php, consultado em 10-07-2014.

SACRISTÁN, Jimeno. G. & GOMEZ Perez, A. L Compreender e Transformar O Ensino. Porto Alegre: Artmed, 1998.

TRIVIÑOS, A. N. S. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1987.

VIGOTSKY, Lev. S. A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

ZUBERT-SKERRITT, O. New Directions in action Research. London: Falmer, 1996.

LAVE, Jean; WENGER, Etienne. Situated learning: legitimate peripheral participation. Cambridge: Cambridge University Press, 1991.

WENGER, E. Communities of practice: a brief introduction. Disponível em:. Acesso em: 22 maio 2007.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.