Desenvolvimento de material didático para o ensino de ciências a estudantes deficientes visuais

Carlos Alfredo Alves Junior, Thaina Correa, Valine Meyer Silveira Möglich, Tatiana Comiotto

Resumo


O ensino de ciências é carente em materiais de apoio para as aulas inclusivas. O mercado destes materiais também oferece escassos recursos. Os deficientes visuais têm dificuldade de acompanhar as aulas, pois não é previsto em projeto pedagógico metodologias que permitam a inclusão deste público nas aulas. No ensino de ciências em que são estudados fenômenos a visão é muito enfatizada, fato que afasta o deficiente visual do bom aproveitamento das aulas. Com base nesse preceito, estudantes do curso técnico em química do SENAI de Jaraguá do Sul (SC) desenvolveram o presente projeto com o objetivo de apresentar um material didático de apoio às aulas experimentais para que deficientes visuais possam identificar o material e manuseá-lo sem riscos. O kit desenvolvido possui materiais de laboratório de análises químicas com tarjetas em Braille que permitem a identificação do material e a realização de experimentos.


Texto completo:

PDF

Referências


BELTRAMIN, Franciane Silva; GÓIS, Jackson. Materiais didáticos para alunos cegos e surdos no ensino da química. In. Encontro Nacional do Ensino de Química (XVI ENEQ). Anais, Salvador. UFBA. 2012.

BRASIL. Decreto 5.296 de 02 de dezembro de 2004. Estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida, e dá outras providências. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil/_ato2004-2006/2004/Decreto/D5296.htm>. Acesso em: 14 de abril de 2016.

DANTAS NETO, Joaquim. A experimentação para alunos com deficiência visual: proposta de adaptação de experimentos de um livro didático. Brasília/DF. Universidade de Brasilia-UNB, 2012.

MORTIMER, Eduardo Fleury. A Proposta Curricular de Química do Estado de Minas Gerais: Fundamentos e Pressupostos. Química Nova, v. 23, 273-283, 2000.

OLIVEIRA, Lívia Cristiane Pereira. Trajetórias escolares de pessoas com deficiência visual: Da educação básica ao ensino superior. Campinas/SP. Pontifícia Universidade Católica. Dissertação (Mestrado em educação). 2007.

RODRIGUES, Maria Rita Campello. Estimulação Precoce – a contribuição da psicomotricidade na intervenção fisioterápica como prevenção de atrasos motores na criança cega congênita nos dois primeiros anos de vida. Revista Benjamin Constant, Rio de Janeiro, n. 21, p. 1-31, abr. 2002.

SILVA, Tatiane Santos; LANDIM, Myrna Friederichs; SOUZA, Veronica dos Reis Mariano. A utilização de recursos didáticos no processo de ensino e aprendizagem de ciências de alunos com deficiência visual. Revista Electrónica de Ensenãnza de las Ciencias, v.13, n.1, 2014, p. 32-47

TEIXEIRA Jr, José Gonçalves. Propostas de atividades experimentais elaboradas por futuros professores de Química para alunos com deficiência visual. In: Encontro nacional de ensino de química (ENEQ), 15., Brasília, 2010. Anais… Brasília: UNB, 2010.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.