Protótipo do Jogo Sério Colaborativo para a Prevenção da Violência contra a Criança

Tiago Francisco Andrade Diocesano, Lidiomar Fernando dos Santos Machado, Carla Diacui Medeiros Berkenbrock

Resumo


O abuso sexual infantil é um problema de saúde pública mundial por sua alta prevalência e os danos psicológicos e sociais causados às vítimas e familiares. O termo é definido como sendo o envolvimento de uma criança em atividade sexual em que ela não pode compreender, não pode dar consentimento, ou que viole as leis ou tabus sociais. Além do contato físico, o abuso pode estar em formas sem contato, como o exibicionismo, o voyeurismo, a exposição da criança a materiais pornográficos ou fotografar pornograficamente a criança.

As consequências do abuso podem ser tanto físicas quanto psicológicas, sendo que as consequências psicológicas podem persistir por toda a vida da vítima, resultando em: baixo desempenho acadêmico, ansiedade, depressão, problemas emocionais, hostilidade, comportamento sexualizado e tentativas de suicídio ou suicídio. Em 2016 no Brasil, foram registradas 144.580 denúncias de violência contra a criança e adolescente.

A tecnologia tem deixado as pessoas mais conectadas e as crianças têm acompanhado essa revolução tecnológica, pois desde muito novas, já utilizam celulares, tablets, computadores, entre outras ferramentas. A convivência das crianças com as ferramentas tecnológicas se torna uma preocupação mundial pois tais ferramentas têm facilitado ações de criminosos sexuais apresentando alguns perigos. Cabe à escola, aos pais e à sociedade em geral orientar os mais novos para a utilização segura desses dispositivos tecnológicos.

A escola é um espaço de prevenção do abuso sexual infantil pois tem acesso a grandes populações de crianças e adolescentes. Geralmente, os programas de prevenção do abuso sexual infantil visam capacitar as crianças a reconhecer situações potencialmente abusivas. Tais programas fornecem às crianças conhecimentos adequados sobre abuso sexual e habilidades para evitar ou responder a situações de risco.

Em resposta ao grave problema do abuso sexual infantil, foram desenvolvidos e implementados programas de prevenção de abuso sexual infantil baseados na escola. Uma abordagem baseada em jogos para a prevenção do abuso sexual infantil fornece um meio poderoso de aprendizagem, incluindo oportunidades para usar materiais e conteúdos padronizados, repetidos ao longo do tempo dentro dos currículos escolares.

Por meio deste trabalho, foi construído um protótipo de um jogo sério colaborativo para dispositivo móvel para prevenção da violência sexual infantil. O protótipo do jogo é composto por quatro fases: a fase 1 apresentará as partes privadas e não privadas do corpo de uma criança; a fase 2 ensinará a criança a diferenciar toques bons de toques ruins; a fase 3 orientará a criança na interação com pessoas estranhas; e a fase 4 apresentará o tópico Internet explicando para a criança como evitar abordagens suspeitas e perigosas. Cada fase do jogo será composta por uma instrução ou ensinamento e logo após, a criança poderá iniciar o jogo para praticar o conteúdo visto anteriormente. Para este trabalho, utilizamos a IDE android studio para desenvolver a parte visual da aplicação, montando as telas de cada fase do jogo. As imagens contidas no protótipo foram extraídas da Google imagens sob licença livre para utilização e modificação.  Outra ferramenta para a edição das imagens usada no protótipo foi o Photoshop.

Como trabalho futuro, o protótipo será analisado e validado junto a profissionais como pedagogos, psicopedagogos e psicólogos para sugestões e modificações antes da construção final do jogo e aplicação na prática.


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.