A temática da inclusão na formação acadêmica do bibliotecário: abordagem curricular

Ana Nogueira Braga, Sergio Rodrigues Bahia

Resumo


Para uma biblioteca ser acessível e atender as necessidades informacionais de diversos públicos, ela precisa romper as barreiras arquitetônicas de suas estruturas físicas e as barreiras comunicacionais/atitudinais de sua equipe de profissionais. Buscando respostas para essas questões, fazemos as seguintes indagações: Como os bibliotecários estão sendo preparados na sua formação para atender a todos os usuários que buscam os serviços e produtos da biblioteca? Os cursos de graduação em Biblioteconomia oferecem disciplinas obrigatórias/optativas sobre acessibilidade, diversidade e inclusão?  O objetivo principal desse trabalho é analisar a presença da temática da inclusão no currículo mínimo nacional dos cursos de graduação em Biblioteconomia utilizados nas Universidades Federais do Brasil. A metodologia aplicada nessa pesquisa foi à análise documental e descritiva das ementas das disciplinas dos cursos de graduação em Biblioteconomia das Universidades Federais brasileiras que versavam ou que poderiam versar sobre a temática da inclusão. O resultado parcial da pesquisa sinalizou que existem atualmente 24 cursos de bacharelado em Biblioteconomia regulares nas Universidades  Federais  brasileiras.  Na pesquisa constatou-se poucas disciplinas específicas sobre a temática da inclusão nos currículos das Universidades Federais Brasileiras, sinalizando disciplinas obrigatórias apenas (10%) e disciplinas optativas (90%), ressaltando que nas disciplinas optativas a disciplina que mais aparece nos currículos é a de Língua Brasileira de Sinais (LIBRAS). Conclui-se que existe todo um arcabouço legal no país que garante o direito à educação igualitária para todas as pessoas, mas nem todos os profissionais que atuam no mercado de trabalho tiveram a sua formação orientada ao atendimento dessas “novas” demandas. Em sua formação acadêmica, o bibliotecário já deveria obter informações sobre como atender a todo tipo de usuário, mas isso ainda não é uma realidade em nosso país. Nesse contexto, se faz necessário analisar a matriz curricular dos cursos de Biblioteconomia do Brasil, visando a ampliação da abordagem da temática inclusão na formação do bibliotecário para além das disciplinas, sobretudo optativas, timidamente ofertadas nos cursos de graduação em Biblioteconomia nas Universidades Federais brasileiras.


Texto completo:

PDF

Referências


CARVALHO, Kátia de. Informação: direito do cidadão. IN:__ CONGRESSO BRASILEIRO DE BIBLIOTECONOMIA E DOCUMENTAÇÃO, 16, 1991, Salvador. ANAIS ... Salvador: Associação Profissional dos Bibliotecários do Estado da Bahia, 1991, 1172-1179

CONSELHO FEDERAL DE BIBLIOTECONOMIA. Código de Ética Profissional do Bibliotecário, 1986. Disponível em: . Acesso em: 22 set. 2017.

CUNHA, Miriam Vieira da. O papel social do bibliotecário. Encontros Bibli: Revista Eletrônica de Biblioteconomia e Ciência da Informação. Florianópolis, n. 15, 1º sem. 2003.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Censo Demográfico 2010. Disponível em: . Acesso em: 30 julho 2017.

PUPO, Deise Tallarico (Org.); MELO, Amanda Meikce (Org.); FERRÉS, Sofia Pérez (Org.). Acessibilidade: discurso e prática no cotidiano das bibliotecas. Campinas: UNICAMP, 2006. Disponível em: Acesso em: 10 ago. 2017

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. Declaração Universal Dos Direitos Humanos: 10 de dezembro de 1948. 1948. Disponível em: . Acesso em: 15 nov. 2017.

UNESCO. Manifesto da Unesco para bibliotecas públicas. 1994. Disponível em: . Acesso em: 10 out. 2017.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.