O OLHAR DO PROFESSOR PARA A CULTURA INDÍGENA EM SALA DE AULA: UMA PESQUISA SOBRE PRÁTICAS DOCENTES NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

Helton Roberto Real, Ana Carolina Ribas, Bianca Soares Oliveira, Camila Aparecida Gubaua, Gisele da Rocha Reis

Resumo


Este trabalho apresenta um estudo sobre as práticas curriculares e metodológicas desenvolvidas em escolas públicas e privadas, no contexto dos Anos Iniciais do Ensino Fundamental. O objetivo é analisar como se efetiva o trabalho da cultura indígena em sala de aula, na perspectiva dos professores, de maneira que se relacione o cotidiano do estudante às propostas curriculares atuais de atendimento à diversidade cultural indígena e os temas transversais, de forma que possa perceber que a sua vivência está enraizada na cultura indígena. A partir de então, poderemos desmistificar muitos preconceitos que herdamos e criamos ao longo do tempo, visto que muito do que se sabe hoje, tem raiz cultural indígena. Neste contexto, deve-se haver uma visão diferenciada, valorizando assim a diversidade como consequência desta miscigenação étnica. Para o desenvolvimento metodológico do estudo, de abordagem fenomenológica e hermenêutica de Ricouer (2013), com pesquisa quantitativa e qualitativa, utilizou-se a pesquisa bibliográfica e de campo Minayo (2013), durante o segundo semestre letivo de 2016. A pesquisa desenvolveu-se em escolas públicas e privadas, dos anos iniciais do Ensino Fundamental, nas quais foram distribuídos quinze questionários, contendo dez questões objetivas acerca da cultura indígena e os resultados obtidos encontram-se nos gráficos da presente pesquisa.  Na primeira parte do texto, como parte da fundamentação teórica, foi realizada uma pesquisa histórica acerca da influência da cultura indígena no Brasil e pesquisa em documentos curriculares oficiais, com base nos seguintes autores: Fausto (1996), Cooper (2006), Luporini (2015), e os documentos de orientações curriculares encontrados em Brasil (1996, 2008) e Curitiba (2006, 2010). Em seguida, será discorrido sobre as orientações metodológicas para o professor, com base em Bastos (2005), Freire (1996) e as orientações previstas nos Parâmetros Curriculares Nacionais (1997), ao que se referem aos Temas Transversais e ao atendimento da pluralidade cultural em sala de aula.  Posteriormente, apresentamos uma análise sob o olhar hermeneuta, para as respostas dos professores no questionário, sob a perspectiva de Ricouer (2013). Na parte final deste trabalho, na exposição dos resultados, destaca-se que a formação continuada para o professor atender à diversidade cultural indígena, se faz necessária e que a compreensão dos aspectos históricos, éticos e culturais, de forma contextualizada é a base para a formação da sociedade brasileira. Sendo assim é indispensável que na prática educativa seja proporcionado ao discente um desenvolvimento reflexivo, buscando compreender a formação da sociedade brasileira, na perspectiva histórica, de forma que o aluno se perceba como parte constituinte deste processo. Na pesquisa de campo observou-se que houve contradição nas respostas dos questionários, assim resultando em um conflito de informações onde em algumas perguntas específicas, nota-se que não há um conhecimento aprimorado, por parte do professor, das orientações previstas nos documentos oficiais. Concluindo, podemos destacar que há uma falta de compreensão nos documentos para que na prática educativa o docente possa levar em conta os conhecimentos prévios do aluno, assim o indivíduo perceba que a sua vivencia está enraizada na cultura indígena.

 

 

Palavras-chave: Currículo. Formação de Professores. Diversidade cultural. Indígena. 


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.