Currículo, educação e emancipação

Elisandra de Souza Peres, Patricia Laura Torriglia

Resumo


Este artigo apresenta os resultados da investigação desenvolvida no âmbito da tese de doutorado concluída no ano de 2015, na qual buscou investigar de que maneira a emancipação tem se estabelecido no debate educacional e curricular no Brasil. A problemática que norteou a pesquisa consistiu na seguinte pergunta: seria possível uma proposta de articulação entre currículo e emancipação como estratégia de transformação da atual sociabilidade pela educação escolar? Nosso objetivo, mediante tal questionamento, foi descobrir se a proposta de articulação entre currículo e emancipação no âmbito da oficialidade pode consubstanciar-se como estratégia concreta contra-hegemônica, de transformação social, vale dizer, uma proposta que apresenta como finalidade desenvolver a educação e o currículo orientados no sentido da emancipação humana ou limita-se a uma proposta de reformista. Fundamentados metodologicamente pela análise de documentos e da produção científica do campo curricular, nossa investigação revelou que a emancipação emerge no cenário educacional e curricular como um instrumento político de transformação social mediante a produção científica embasada na teoria marxista, mais especificamente, pela influência das obras de Antonio Gramsci, da Escola de Frankfurt, assim como, pelas obras de Paulo Freire, orientando os pressupostos teórico-analíticos da teoria curricular crítica. Entretanto, a emancipação, no âmbito da oficialidade, isto é, os documentos e propostas curriculares, apresenta-se como uma espécie de finalidade educacional orientada por pressupostos superficiais, expressando um caráter de slogan educacional. Portanto, os documentos que apresentam uma articulação entre currículo e emancipação não expressam uma proposta política e pedagógica concreta de transformação social, limitando-se ao nível do discurso. Por fim, consideramos ser de fundamental importância entender e analisar criticamente as possibilidades e limites da educação e do currículo na sua articulação com o projeto de transformação social. A educação escolar, assim como os seus intelectuais, têm a tarefa de compreender essa realidade social, indispensável para produzir os instrumentos teórico-práticos necessários para colocar em movimento esse projeto social.

 

PALAVRAS-CHAVE: CURRÍCULO. EDUCAÇÃO. EMANCIPAÇÃO.


Texto completo:

PDF

Referências


ADORNO, Theodor W. Educação e Emancipação. 5. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2010.

APPLE, Michael W. Conhecimento oficial: a educação democrática numa era conservadora. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes, 1997.

_____. Educação e Poder. Porto Alegre: Artes Médicas, 1989.

_____. Educação e Poder. Porto, Portugal: Porto Editora, 2001.

_____. Ideologia e Currículo. 3 ed. Porto Alegre: Artmed, 2006.

BRASIL. Decreto – Lei Nº. 6.755/2009 institui a Política Nacional de Formação de Profissionais do Magistério da Educação Básica. Brasília: 2009. _____. Ministério da Educação. PNE - Plano Nacional de Educação 2014. v. I e II.

_____. Ministério da Educação. PNE - Plano Nacional de Educação 2014. v. I e II.

_____. Ministério da Educação. Programa Nacional de Integração da Educação Profissional com a Educação Básica na Modalidade de Educação de Jovens e Adultos. Educação Profissional Técnica de Nível Médio / Ensino Médio. Documento, 2007.

CNE.Parecer de 04/05/2011 – Diretrizes de formação profissional e tecnológica. Brasil: Brasília, 2011.

_____. MEC. Programa Ensino Médio Inovador. Documento orientador. Brasília, 2009. _____.MEC. Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio: Proposta de Debate ao Parecer. Brasília: MEC, SEB, DICEI, 2010.

_____. Decreto – Lei nº 7.083 Programa Mais Educação instituído, regulamentado no ano de 2010. Brasília: 2010.

GIROUX, Henry A. A Escola Crítica e a Política Cultural. 3.ed. São Paulo: Cortez, Autores Associados, 1992.

_____. Os Professores como Intelectuais: rumo a uma pedagogia crítica da aprendizagem. Porto Alegre: Artmed, 1997.

_____. Pedagogia Radical: subsídios. São Paulo: Cortez: Autores Associados, 1983. _____. Teoria Crítica e Resistência em Educação: para além das teorias de reprodução. Rio de Janeiro: Vozes, 1986.

KANT, Immanuel. Resposta à Pergunta: o que é o esclarecimento? (mimeo-tradução por Luiz Paulo Rouanet), 1784.

MOREIRA, Antonio Flavio Barbosa. Currículos e Programas no Brasil. Campinas, São Paulo: Papirus, 2012.

_____. A Crise da Teoria Curricular Crítica. In: COSTA, Marisa V. (org.). O currículo nos limiares do contemporâneo. Rio de Janeiro: DP&A, 2001, p. 11-36.

MORGADO, José Carlos. A (Des)Construção da Autonomia Curricular. Lisboa, Portugal: Edições ASA, S.A, 2000.

PACHECO, José Augusto. Currículo: Teoria e Práxis. Porto, Portugal: Porto Editora, 2001. _____. Escritos Curriculares. São Paulo: Cortez, 2005.

_____. Teoria Curricular Crítica: os dilemas (e contradições) dos educadores críticos. Revista Portuguesa de Educação. Universidade do Minho, Portugal, v. 14, n.1, p.p. 49-71, 2001.

SCHEFFLER, Israel. A Linguagem da Educação. São Paulo: Saraiva, Editora da Universidade de São Paulo, 1974.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.