As vivências democráticas do currículo de uma escola na contemporaneidade: captura ou possibilidade

Joana Cecília Biss Silva, Luciana Heloisa Alves Biss Silva, Gicele Maria Cervi

Resumo


Esse artigo é um recorte de uma pesquisa de mestrado que tem como objetivo problematizar as práticas discursivas dos funcionários de uma escola, a respeito das vivências de um projeto político pedagógico que enfatiza a democracia. A escola pesquisada é uma instituição pública do município de Blumenau, Santa Catarina, que apresenta em seu Projeto Político Pedagógico (PPP) princípios democráticos pautados em eixos norteadores (escola participativa; escola solidária; escola do conhecimento; escola que transforma e escola sustentável). Foram entrevistados onze profissionais da unidade escolar. Para isso, utilizou-se a metodologia de pesquisa qualitativa, de caráter descritivo, com entrevistas narrativas e análise do discurso apoiando-se nos estudos de Foucault (2006). Utilizou-se os aportes teóricos de Biesta (2013), Freire (1996; 1997), Foucault (2013); Larrosa (2002); Sibilia (2012; Teixeira (2007) e Varela (1992). Com o movimento de democratização do país e com o reconhecimento do regime democrático, os discursos sobre democracia movimentam-se nos noticiários, nos discursos políticos, nas escolas. Mas, é possível viver a democracia na escola? Os discursos analisados apontaram que os movimentos da escola pesquisada foram constituídos de muitos desafios, conflitos, dúvidas, questionamentos e resistências; mas que possibilitaram trabalhos em equipe, com ações coletivas e democráticas. A rotatividade dos professores e a falta de tempo para planejamento têm impactado algumas ações quanto ao desenvolvimento do projeto de uma escola democrática. Observa-se que a participação é o foco central da escola e acontece no envolvimento de seus atores nas vivências da escola. São visíveis as tentativas desse coletivo em olhar o currículo dessa escola de forma diferenciada, de experienciar práticas de vivências democráticas, de sempre buscar a participação de todos os envolvidos. A democracia, nessa pesquisa, se apresentou como captura, pois controla a cada um e promove a partilha do poder, mas também como possibilidades de saídas e de criar coletivos.


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.